Ministério Público da União costura negociação salarial com governo

Ministério Público da União costura negociação salarial com governo

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora

Mais um ato contra a representação sindical para rebaixar ainda mais a proposta salarial

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Na última terça-feira (25), o Senado aprovou o reajuste de 41% para os servidores do Ministério Público Federal, distribuído em oito parcelas, a ser pago ao longo de quatro anos, o que não repõe as perdas com a inflação. O texto aprovado foi o substitutivo do senador Valdir Raupp (PMDB-RO) ao PLC 41/15.

O substitutivo de Raupp ao projeto de lei da Câmara é baseado em acordo entre o Poder Executivo e o Ministério Público da União, que negociaram, a portas fechadas e sem a presença de entidades sindicais, a nova proposta salarial. Agora, o projeto retorna à Câmara dos Deputados em razão das modificações feitas pelo Senado.

A proposta original, o PLC 41/15, apesar de não recompor por completo as perdas inflacionárias sofridas pela categoria ao longo dos últimos 9 anos, amenizaria, em parte, a situação da carreira.

Heróis nacionais

“A tramitação do substitutivo ao PLC 41/15 desrespeitou regras do respeito, da negociação trabalhista e da democracia se constituindo numa verdadeira fraude contra as deliberações dos servidores em suas assembleias democráticas, que recusaram a proposta. Agora, mais do que nunca, a luta contra o substitutivo na Câmara e pela derrubada do veto ao PLC 28/15, junto com os servidores do Judiciário, é a chave da justiça com nossos salários”, afirma Sergio Taborda, servidor do Ministério Público da União e um dos membros do Comando Nacional de Greve da categoria.

“Denúncia do Mensalão, Lava Jato, combate à corrupção… O Ministério Público da União é lindo, não é? Somos quase heróis nacionais. Só que faz nove anos que não temos reajuste. Um congelamento disfarçado. Perdas salariais em torno de 50%. Nesse período sofremos o pão que a Dilma amassou. Cortes orçamentários, perseguição aos que se rebelaram e fizeram greves, humilhações, calúnias, ameaças”, denuncia Taborda.

Pelo acordo aprovado, ficou acertado que haverá redução do reajuste do vencimento básico nos cargos efetivos proposto no projeto original, e a alteração do percentual correspondente à gratificação de atividade do Ministério Público da União de 90% para 140%, bem como o aumento de seis para oito parcelas na implementação dos novos valores.

A diferença entre o novo vencimento e o anterior será paga em parcelas sucessivas, não cumulativas, distribuídas nas várias faixas dos servidores. O aumento incidente sobre a remuneração do ano anterior se dará da seguinte forma: 9,28% em 2016; 9,27% em 2017; 8,81% em 2018; e 8,40% em 2019.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários