Mercantil do Brasil monitora funcionários como prisioneiros

Mercantil do Brasil monitora funcionários como prisioneiros

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

A diretoria do Mercantil do Brasil vem aterrorizando os funcionários da Baixada Santista com muito assédio moral, conforme várias denúncias. O Sindicato foi informado sobre o sistema de monitoramento do funcionalismo, em tempo real, nas dependências das agências. Algumas das denúncias dizem que: 

1 – superintendentes monitoram seus funcionários através de câmeras e por telefone num verdadeiro “Big Brother”, como se estivessem numa prisão (o que pode gerar tortura psicológica);

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

2 – O monitoramento também aciona o caixa eletrônico que solicita ao cliente a informação se está sendo auxiliado ou não por funcionário. Em caso negativo, os funcionários são repreendidos sem direito a defesa.

3 – Os superintendentes impõem metas aos funcionários para pressionar os clientes a tomar empréstimos pessoais com uma das maiores taxas do mercado (7,55% ao mês). 

4 – Funcionários são assediados com ameaças de demissão e ofensas para cumprir metas. 

5 – Explorados por jornadas extensas. 

6 – Muitos perdem o horário de almoço.

7 – Em semana de pagamento são obrigados a entrar às 7h30 e ficar em pé no autoatendimento até às 18h, sem pagamento de horas-extras, numa total ilegalidade e desumanidade. 

8 – Abastecem os caixas eletrônicos (sem a necessária segurança) pela frente, à vista de quem passa pela rua ou dentro da unidade. A falta de segurança e o assédio dispensado pelo Mercantil do Brasil aos bancários serão combatidos pelo Sindicato.

Os abusos são imensos, há assédio para exploração de clientes, o monitoramento que se compara a uma prisão, as ofensas, ameaças veladas, tudo está sendo investigado e o Sindicato irá tomar todas as medidas ao seu alcance. Vamos alertar à população, clientes, acionar o depto. jurídico e outras”, indigna-se Eneida Koury, presidente do Sindicato dos Bancários de Santos e Região.

Assédio moral é crime

O QUE É ASSÉDIO MORAL?

Comportamento abusivo que, com sua repetição, atente contra a dignidade ou integridade de uma pessoa, ameaçando seu emprego ou degradando o clima de trabalho. Pequenas agressões, porém sistemáticas, com frequência; Intenção de constranger o funcionário, geralmente na frente de colegas, chefia e clientes; Punição por opiniões ou atitudes.

COMO OCORRE?

Relação entre pessoas; Chefe para o funcionário; Funcionários para funcionário; Funcionários para chefe (grupo de funcionários);

FORMAS

Vigiar excessivamente apenas o empregado assediado; Limitar o número de vezes e monitorar o tempo em que o empregado permanece no banheiro;  Delegar tarefas impossíveis de serem cumpridas e/ou sobrecarregar o funcionário de novas tarefas; Ignorar a presença do empregado, dirigindo-se apenas aos outros funcionários; Gritar, intimidar; Isolar fisicamente o empregado no ambiente de trabalho; Desvalorização da atividade profissional do trabalhador; Submeter a jornadas prolongadas.

Fonte: Sindicato dos Bancários de Santos e Região

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários