Marilene de Jesus Novaes expõe as ameaças da comunidade quilombola

Marilene de Jesus Novaes expõe as ameaças da comunidade quilombola

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

A filha de quilombola Marilene de Jesus Novaes, do Quilombo Rio dos Macacos, localizado no município de Simões Filho, região metropolitana de Salvador, na Bahia, expôs durante a plenária de abertura do 1° Encontro de Mulheres da Intersindical Central da Classe Trabalhadora a experiência de quem sofre diariamente os impactos de decisões políticas e econômicas que não respeitam as comunidades quilombolas.

As principais ameaças para os quilombolas atualmente são a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 215 – que passa a titulação de terras quilombolas e a demarcação de terras indígenas do Executivo para o Legislativo, ou seja, para as mãos da bancada ruralista do Congresso -,  e o Novo Código da Mineração que simplesmente expulsa automaticamente indígenas e quilombolas de suas áreas se houver interesse econômico de exploração.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

“Estamos sendo atingidos por este modelo econômico que viola direitos. Não temos direito a terra, nem a plantar, nem a colher. Expulsaram 67 famílias, 3 resistiram. Se nascemos em cima dessa terra deveríamos ter direito a ela. Implantaram uma vila militar no meio do quilombo. Não podemos pescar na barragem. Até o direito de ir e vir não está sendo respeitado”, relata a moradora  do Quilombo Rio dos Macacos.

A área foi ocupada pela Marinha de Guerra do Brasil. “Não temos mais direito a nada. Derrubam nossas casas, não temos energia nem água potável. Somos discriminados. Ficamos sujeitas a situações de estupro”, lamenta Marilene. “Não temos direito nem de pescar por causa da barragem Rio dos Macacos, usaram a mão de obra dos quilombolas”.

A Constituição federal de 1988 assegura os direitos indígenas e quilombolas como cláusulas pétreas, pelo fato de que são direitos humanos e que não devem ser moedas de interesses políticos e de negociações econômicas. É por isso que os povos indígenas e quilombolas chamam a PEC 215 de PEC da Morte, PEC do Genocídio e PEC da Violência.

 

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários