Mapa da violência: Espírito Santo é um dos líderes no ranking de assassinato de jovens

Mapa da violência: Espírito Santo é um dos líderes no ranking de assassinato de jovens

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

A maioria dos jovens assassinados no Espírito Santo são negros

O Espírito Santo é um dos estados que está no topo do ranking da violência contra jovens e adolescentes, segundo o estudo “Mapa da Violência: Adolescentes de 16 e 17 anos do Brasil”, de autoria do sociólogo Julio Jacobo Waiselfisz, divulgado na última segunda-feira, 29, pela Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso). Os dados da pesquisa, que correspondem ao ano de 2013, apontam, ainda, que os negros são a maioria dos adolescentes e jovens assassinados no Espírito Santo.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

De acordo com o estudo, o Espírito Santo perde somente para Alagoas na taxa de homicídios de jovens entre 16 e 17 anos. O primeiro estado obteve um índice de 140.6 por 100 mil, enquanto o segundo teve 147.0. Em todo o Brasil, os homicídios nessa faixa etária atingem majoritariamente os homens, que são 93% das vítimas. Em terras capixabas, o público masculino representa 95,9% das pessoas assassinadas entre 16 e 17 anos.

Em relação à questão racial, o Espírito Santo encontra-se em segundo lugar entre os estados da federação tanto no homicídio de jovens entre 16 e 17 anos brancos quanto negros. Contudo, o número de negros assassinados é muito superior. A taxa de assassinato de brancos no Espírito Santo é de 50,7 por 100 mil, perdendo somente para o Paraná, onde o número é de 61,1 por 100 mil. Já o de negros no estado capixaba é 177,6, fazendo com que ele fique em segundo lugar no ranking nacional, que é encabeçado por Alagoas, com 193,8.

“Os negros e negras normalmente se situam nas classes C, D e E, enquanto os brancos estão majoritariamente na A e B. Existe uma política higienista do Estado, desde os tempos da escravidão, que se esconde atrás do estereótipo de que os negros são bandidos, e faz com que assim eles sejam tratados. Por isso, a juventude negra está sendo exterminada nas periferias pela ação da polícia, que age com violência generalizada”, diz o diretor do Sindicato dos Bancários/ES, Vinícius Moreira.

Entre crianças e adolescentes na faixa etária entre 0 e 17 anos a situação não é diferente. O Espírito Santo continua entre os primeiros colocados do ranking e as mortes por homicídio atingem muito mais os negros do que os brancos. O assassinato de negros corresponde a 60 por 100 mil. Em primeiro lugar está Alagoas, com 99.3. Em segundo, Bahia, com 63.3. Já a taxa de homicídio de brancos no Espírito Santo é de 27.8 por 100 mil. O primeiro colocado é o Paraná (61.4), e o segundo, Rio Grande do Sul (35.8).

“Outro fator que aumenta o número de homicídios de jovens negros é realidade em que eles vivem. Os defensores da meritocracia dizem que as oportunidades são iguais para todos. Porém, se analisarmos o cotidiano da juventude negra, em sua maioria ela tem acesso a uma educação precária. Suas oportunidades de emprego normalmente estão restritas a determinados segmentos, que não conseguem abarcar todos eles, sem contar que muitos locais de trabalho ainda colocam a estética branca como critério”, afirma.

Ao analisar os dados referentes às capitais brasileiras, a pesquisa aponta que Vitória é a quarta colocada no que diz respeito às taxas de homicídio de adolescentes de 16 e 17 anos. O índice da cidade é de 208,5 por 100mil. Em primeiro, segundo e terceiro lugares estão Fortaleza (267,7), Maceió (236,2) e João Pessoa (222,6). Além disso, quatro municípios capixabas aparecem entre os 100 com as maiores taxas de homicídio de adolescentes de 16 e 17 anos. São eles: Serra, Vitória, Cariacica e Vila Velha, que ocuparam, respectivamente, a 4ª, 12ª, 14ª e 19ª posições.

Nesse último dado foram considerados 243 municípios com mais de 4 mil adolescentes nessa faixa etária, tendo como base dados dos últimos três anos disponíveis, ou seja, de 2011 a 2013. A média de homicídios foi relacionada com a de estimativas populacionais para a faixa etária estudada nesses mesmos anos.

Fonte: Sindicato dos Bancários do Espírito Santo

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários