Mais um atentado contra os trabalhadores: enfraquecer os fundos de previdência complementar

Mais um atentado contra os trabalhadores: enfraquecer os fundos de previdência complementar

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

O Projeto de Lei Complementar (PLP) 268/16, que pode ser votado a qualquer momento no Senado Federal, promove um grande retrocesso na governança dos fundos de pensão complementares.

A aprovação do projeto pode significar o fim da representatividade dos trabalhadores na ingerência dos fundos de pensão. Na Previ (do Banco do Brasil) e na Funcef (da Caixa), por exemplo, os participantes elegem metade da diretoria e metade dos conselheiros.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

O texto muda as regras para a escolha de diretores-executivos e conselheiros de fundos de previdência complementar que mantenham vínculos com empresas públicas, fundações e autarquias, não permitindo mais representantes dos participantes nas diretorias e reduzindo seu espaço nos conselhos.

Na prática, o PLP elimina as eleições de diretores dos fundos de pensão patrocinadas por empresas e órgãos públicos e reduz para 33% a representação dos participantes nos conselhos deliberativos e fiscal.

O projeto é de autoria do Senador Valdir Raupp (PMDB/RO) que é acusado por diversos crimes como peculato (apropriação de dinheiro publico em função do cargo), falsidade ideológica, compra de votos, gestão fraudulenta e desvio de verbas. O senador chegou a ser condenado a 6 anos de prisão, em 2002, pela 1ª vara criminal de Porto Velho.

A proposta também cria a figura dos “conselheiros independentes”, que deverão ter notória especialização, definida pelo projeto como aquela que permita “inferir que o seu trabalho é o mais adequado à plena satisfação do processo seletivo”.

O PLP 268/2016 poderá elevar muito o risco na gestão dos ativos destas entidades, uma vez que os chamados conselheiros independentes, movidos pelo natural interesse em permanecer no comando, tenderão a focar em investimentos de curto prazo, com promessa de retorno a taxas razoáveis, mas de alto risco de perda ou default.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários