Mais de 100 escolas são ocupadas por alunos no Rio Grande do Sul

Mais de 100 escolas são ocupadas por alunos no Rio Grande do Sul

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Alunos, pais, professores e funcionários de escolas se unem para lutar por pautas específicas e gerais em favor de uma educação pública de qualidade.

A primeira ocupação escolar no Rio Grande do Sul começou na quarta-feira, dia 11, na escola Emílio Masot. O objetivo era exigir o repasse das verbas em atraso, a reposição de professores e funcionários e apoiar a luta deles contra o parcelamento dos salários promovido pelo governador Ivo Sartori (PMDB). Rapidamente o movimento se expandiu e já chegou a mais de 100 escolas em diversas cidades do Rio Grande do Sul.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Neiva Lazzarotto, do CPERS e diretora da Intersindical Central da Classe Trabalhadora, explica que cada escola tem sua pauta específica de reivindicações, como infraestrutura, ambiente, além de pautas gerais, como a luta contra o PL 44, estadual, que prevê a criação de organizações sociais (OSs) para atuar nas escolas, e contra o PLP 257/16, federal, que renegocia as dívidas dos estados e ataca os serviços públicos.

“Pais e mães estão juntos nas ocupações, os estudantes decidiram fortalecer a luta dos professores e funcionários das escolas que entraram em greve na sexta-feira (13),temos um movimento grevista de muita solidariedade”, relata Neiva.

O governo estadual decidiu que a ocupação nas escolas não será tratada como caso de polícia e sim como caso de educação, ao contrário do que fez o governo Alckmin em São Paulo. E já anunciou que vai  liberar a verba escolar do mês de abril (faltando janeiro, fevereiro e março em atraso).

A paralisação dos professores da rede estadual de educação do Rio Grande do Sul já chegou a mais de 50% de adesão, dentre as 2,7 mil instituições de ensino gaúchas que aderiram total ou parcialmente à greve.

Cineasta faz oficina para alunos de ocupações

Solidário aos estudantes gaúchos que ocuparam as escolas, o cineasta premiado internacionalmente e autor do filme “Até que a Sbornia nos separe”, Otto Guerra, está realizando oficinas de animação para os acampantes. A primeira foi no Colégio Estadual Paula Soares, na quarta-feira (18).

“É fácil ficar do lado onde está a maioria, difícil mesmo é tomar essa decisão que vocês tomaram, de ir contra o governador. Sendo que teoricamente ele é o “dono” das Escolas Públicas. Mas que na verdade os donos são vocês, somos nós que pagamos impostos”, declarou o cineasta.

Os estudantes participaram ativamente do debate, colocando suas opiniões e indagando a percepção de Guerra.

O cineasta também garantiu que o pais é rico em recursos para investir na educação pública o que falta na sua opinião são políticos comprometidos em oferecer uma educação de qualidade para a sociedade. 

“ Se as pessoas não tem educação e cultura elas são facilmente manipuladas. Temos muito dinheiro para pagar a educação do primário até a faculdade para a população. Mas quem está no poder não quer isso, pois quer manipular o povo”.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários