Ato e Audiência Pública marcam luta contrária à Reforma da Previdência Estadual em Santa Catarina

Ato e Audiência Pública marcam luta contrária à Reforma da Previdência Estadual em Santa Catarina

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Um ato em frente à Assembleia Legislativa reuniu diversas categorias de servidores públicos para protestar contra o projeto de Reforma da Previdência Estadual nesta segunda-feira (19). Um telão foi instalado para que os manifestantes pudessem acompanhar a audiência pública que acontecia dentro da Alesc, que tratava do projeto. A audiência foi o primeiro momento em que entidades de representação dos trabalhadores e das trabalhadoras puderam se manifestar no legislativo.

O SindSaúde/SC teve representação, com uma fala do presidente, Djeison Stein, que demonstrou os impactos negativos da Reforma principalmente para a categoria da saúde. Em sua fala, Djeison questionou: “Por que o estado fez uma reforma tão cruel com o servidor da saúde”, mencionando o árduo trabalho que os profissionais, principalmente do serviço público, fizeram durante a pandemia.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Na fala do presidente do SindSaúde/SC, o presidente Djeison Stein também colocou a falta de diferenciação das categorias na reforma. Entende-se que há diferentes tipos de atividades dentro do serviço público, e a Reforma da Previdência afetará a todas. No caso da Saúde, Djeison menciona as tantas horas passadas em ambiente insalubre, a média salarial baixíssima da categoria e a qualidade de vida, tanto enquanto trabalhador da ativa quanto aposentado.

Outro fato que chamou a atenção na audiência pública é que nem todas as entidades de servidores e servidoras tiveram seu pedido de fala na audiência atendida. Ainda assim, a Alesc deu espaço para que entidades patronais, representantes de empresas e entes privados, tivessem espaço na tribuna. Federações como a Fiesc, a Facisc, a Fecomércio e a FCDL, usaram seus espaços para fingir uma preocupação com as contas públicas, porém esquecem de suas isenções fiscais e perdão de dívidas.

Parlamentares como o deputado Bruno Souza (Novo), aderiram ao discurso. Para ele, inclusive, os servidores precisam ser punidos ainda mais do que o previsto, sugerindo que a alíquota de contribuição passe de 14% para 15%. Já a deputada Luciane Carminatti (PT), foi até a frente da Alesc saudar os servidores. “Estive conversando com outros deputados, há muita aprovação da Reforma dentro da Assembleia, mas precisamos lutar por emendas que beneficiem os servidores”, declarou a parlamentar.

O SindSaúde/SC continuará com o trabalho de luta contra a Reforma da Previdência Estadual. É importante que você, servidora ou servidor, esteja atento às redes e participe das mobilizações, para barrarmos essa proposta de maldades do Governador Moisés.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários