Justiça do trabalho condena Bradesco a pagar indenização de R$ 800 milhões

Justiça do trabalho condena Bradesco a pagar indenização de R$ 800 milhões

Mantida condenação contra Bradesco por assédio moral

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

A condenação ocorreu pelo fato do Bradesco ter demitido, no mesmo dia, dois irmãos que trabalhavam no banco em represália ao pai deles, um ex-gerente que entrou com uma ação trabalhista contra a instituição financeira

A Justiça do Trabalho do Rio Grande do Sul condenou o Bradesco a pagar uma indenização de R$ 800 milhões ao Fundo de Amparo ao Trabalhador por dispensa discriminatória e sonegação de valores a empregados. De acordo com o Ministério Público do Trabalho, autor da ação civil pública que originou a condenação, a empresa demitiu dois irmãos que trabalhavam em diferentes agências do banco, no mesmo dia, em represália pelo pai deles, um ex-gerente do banco, ter entrado com uma reclamação trabalhista contra o Bradesco.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

“É comum no Bradesco a prática de dar preferência para estudantes oriundos da Fundação Bradesco, pois muitos deles são filhos de funcionários do banco, ou buscarem familiares de gerentes com a desculpa de contratar pessoas de confiança. Assim, a instituição financeira busca evitar reclamações trabalhistas por parte dos bancários, que passam a ter medo do parente ser prejudicado”, diz o diretor do Sindicato dos Bancários/ES, Fabrício Coelho.

Fabrício destaca que o Sindicato não recrimina o fato de haver parentes contratados no banco.

“Se as pessoas têm competência elas podem trabalhar na instituição financeira, mas o que defendemos é a estatização do sistema financeiro e, consequente, admissão via concurso público”, salienta.

Segundo a decisão judicial, as demissões violaram o direito fundamental de um cidadão ter livre acesso ao Judiciário sem temer represálias e, portanto, atingiram não apenas indivíduos, mas a coletividade. Além da indenização, o procurador do trabalho Ivo Eugênio Marques, que assina a ação, também solicitou à Justiça que ordenasse ao banco para não repetir tal comportamento com outros empregados em território nacional. Fabrício declara que a cultura do medo, imposta pelo banco, está sendo superada.

“O medo das represálias vem sendo superado com o passar do tempo. Há vários casos de bancários e bancárias que estão reclamando direitos na Justiça do Trabalho independente de ter parentes no banco. Essa superação e, agora, a decisão que pune o banco podem nos ajudar a combater o cenário de assédio, demissões imotivadas, entre outros problemas vividos pelos bancários”, conclui Fabrício.

A condenação obriga o Bradesco a se abster de promover, praticar ou tolerar qualquer ato discriminatório ou represália, tais como dispensar, punir, ameaçar, coagir, deixar de admitir, de promover ou de oferecer cursos a seus empregados em razão do ajuizamento de ação por eles ou por seus familiares, sob pena de multa no valor de R$ 50.000,00 por cada violação e por trabalhador atingido.

O pedido de indenização original consistia em 10% do lucro líquido do Bradesco nos últimos cinco anos, mas a Justiça concedeu o montante que equivale a 1% do lucro líquido reajustado entre 2008 e 2012. As custas do processo, com base no valor da condenação, são de R$ 16 milhões, também a cargo do réu. À decisão, cabe recurso. A sentença foi divulgada na sexta-feira, 03, pelo Ministério Público do Trabalho. A ação foi ajuizada em novembro de 2013.

Durante as investigação sobre as demissões, o Ministério Público do Trabalho verificou que o Bradesco também estava realizando promoções sem que o empregado recebesse simultaneamente os devidos aumentos de salários e benefícios, apenas tendo que arcar com as novas responsabilidades e obrigações. Segundo a sentença, as provas testemunhais produzidas pelo próprio banco durante o processo confirmam a situação.

A Justiça acatou a demanda e o banco deverá pagar a todos os atingidos no processo as diferenças remuneratórias e as vantagens de novo cargo devidas com retroatividade a partir de novembro de 2008. E obrigou o banco a não adotar essa postura com outros casos daqui em diante. A Justiça também ordenou, atendendo a pedido do MPT, que o banco dê publicidade à sentença em três jornais de circulação regional em cada Estado do país, em três ocasiões distintas.

Fonte: Sindicato dos Bancários do Espírito Santo

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários