fbpx

Junior Metalúrgico denuncia situação dos trabalhadores no Estaleiro Mauá

Com a crise provocada no Estaleiro EISA Petro UM (Estaleiro Mauá), em Niterói (RJ), a única proposta é uma nova audiência somente para o dia 11 de setembro. De acordo com José Batista Júnior, dirigente sindical da categoria e da Intersindical – Central da Classe Trabalhadora, a situação está adormecida e o não há um posicionamento concreto da patronal para mudar essa situação.

Segundo Junior Metalúrgico, como é conhecido, diversos trabalhadores que estão com seus salários atrasados se encontram sem dinheiro para suprir suas necessidades mais básicas, tendo, inclusive, companheiros já em situação de fome.

Por outro lado, o sindicato, além de não se colocar na luta direta junto aos trabalhadores, ainda trata com negligência informações importantes, como, por exemplo, a ata da audiência realizada na última sexta-feira (31) que ainda não foi publicizada aos trabalhadores.

Junior alerta que enquanto não houver um enfrentamento direto dos trabalhadores – ao contrário do posicionamento do sindicato, que trata o caso em banho Maria –, a situação não irá se reverter. “Só a luta de classes, só a unidade da categoria é que vai reverter essa situação”

Enquanto tudo é conduzido como se nada estivesse acontecendo, absurdamente, até as entradas do estaleiro estão fechadas com cimento, demonstrando que não existe disposição de diálogo pela parte patronal e como se fosse somente mais uma insatisfação dos trabalhadores, por parte do sindicato. “Independente do sindicato estar ou não em nossa luta, eu estou na luta com vocês”, desabafa Junior Metalúrgico no vídeo.

Leia também:
Diante de calote e demissões, trabalhadores ocupam Estaleiro Mauá
Estaleiro Mauá demite milhares de funcionários e ameaça fechar as portas

Assista ao vídeo gravado por Junior em frente ao estaleiro EISA Petro-UM:

ACHOU ESSA INFORMAÇÃO IMPORTANTE?Inscreva-se para receber nossas atualizações em seu e-mail

*

Top