Jornalistas denunciam agressões, terror psicológico e perseguições da PM fora das manifestações

Jornalistas denunciam agressões, terror psicológico e perseguições da PM fora das manifestações

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Jornalistas, principalmente os de imagem e que realizam coberturas para a mídia alternativa e coletivos independentes, estão mobilizados diante da violência policial contra o trabalho destes profissionais nos últimos dias.

Fotógrafos e cinegrafistas relatam casos de agressão física ocorridos durante as manifestações, e denunciam que têm sofrido pressão, violência psicológica e perseguições por parte da Polícia Militar no dia a dia de seus trabalhos, até mesmo fora das coberturas jornalísticas. Pelo fato de  terem denunciado agressões da PM alguns profissionais que foram procurados em casa por policiais à paisana.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Segundo os jornalistas, a Polícia Militar do governador Geraldo Alckmin (PSDB) está identificando os profissionais da mídia alternativa por incomodarem o governo estadual divulgando a repressão policial – sobretudo por meio da ampla visibilidade promovida por fotógrafos e cinegrafistas nas redes sociais.

Os diretores do  Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP) e da Associação de Repórteres Fotográficos e Cinematográficos no Estado de São Paulo (Arfoc-SP) estão orientando os profissionais a registrarem Boletim de Ocorrência das agressões.

A denúncia da violência da PM contra os profissionais de comunicação será denunciada junto à Federação Internacional dos Jornalistas (FIJ). O Sindicato também vai solicitar audiência com o governador Geraldo Alckmin para discutir os casos e vai divulgar os relatos de violência no site e mídias sociais da entidade.

“A internet pode fazer com que a gente viralize essa revolta. Nossas redes sociais e canais de comunicação têm que ser meios de reproduzir as denúncias da melhor maneira possível porque não são casos isolados, de uma pessoa. O que está se ferindo é o jornalismo e temos que trazer todo mundo para essa briga”, destaca Marcos Alves, presidente da Arfoc-SP.

Polícia da ditadura

Outra medida aprovada é buscar diálogo com o Ministério Público do Estado de São Paulo. Por meio de processo judicial em andamento, o objetivo é coibir a violência contra os jornalistas, com a adoção de um protocolo pela PM.

O presidente do SJSP, Paulo Zocchi, explicou que o Sindicato concorda com a adoção de um protocolo, mas considera a medida um paliativo de curto prazo, pois o que a entidade defende é um modelo de polícia desmilitarizada, que proteja os cidadãos e promova a segurança pública.

“A solução de longo prazo é acabar com essa polícia militarizada, forjada na ditadura, que vê os manifestantes como inimigos, em que o jornalista é visto como se estivesse no meio de tropas inimigas”, critica.

Entre outros encaminhamentos, os participantes da reunião aprovaram, ainda, a realização de debates para discutir proteção física, apoio psicológico e orientações jurídicas aos jornalistas.

Orientação do Sindicato dos Jornalistas:

– os profissionais de comunicação vítimas de violência da PM devem registrar Boletim de Ocorrência por crime de abuso de autoridade policial e lesão corporal, informando a identificação do agressor e apresentando testemunhas ou provas;

– informar o registro do Boletim de Ocorrência ao Sindicato pelo e-mail;

– é uma obrigação da polícia registrar o Boletim de Ocorrência.

INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários