Japão: berço da terceirização, país critica tipo de contratação

Japão: berço da terceirização, país critica tipo de contratação

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

A terceirização surgiu na Toyota, no Japão, após a Segunda Guerra Mundial. O modelo de contratar empresas terceirizadas foi rapidamente exportado para todos os cantos do mundo. As consequências foram ruins em todas as experiências.

Enquanto no Brasil, os empresários querem generalizar a terceirização como única forma de contratação de trabalho, alguns países estão revendo esse processo, como é o caso do Equador, Venezuela e até o Japão, berço da terceirização, que está rediscutindo o sistema da terceirização, por conta das consequências nefastas para a sociedade.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Governo critica sistema de mão de obra terceirizada

Emprego vitalício deveria voltar para garantir estabilidade econômica, diz estudo

A desregulamentação do setor de trabalho no Japão resultou no aumento de mão de obra terceirizada e de desigualdade social. A conclusão é do Relatório da Economia Trabalhista do ano fiscal de 2010 divulgado dia 3 pelo Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar Social. Para garantir salários maiores e estabilidade, seria importante efetivar esses trabalhadores, diz o estudo.

O documento aponta o aumento da proporção dos empregados que ganham entre 1 milhão (R$ 20.590) e 2,5 milhões de ienes (R$ 51.475) por ano entre 1997 e 2007. Segundo estimativa feita pela Agência Nacional de Tributação do Japão (equivalente no Brasil à Secretaria da Receita Federal), entre os 45,43 milhões de trabalhadores assalariados do Japão, o número dos que tiveram renda anual de até 2 milhões de ienes (R$ 41.180) em 2007 foi de 10,32 milhões. Desse grupo, 3,66 milhões de pessoas ganharam menos de 1 milhão de ienes (R$ 20.590).

Em comparação com o resultado do ano anterior, o número dos trabalhadores com renda anual de até 2 milhões (R$ 41.180) aumentou cerca de 100 mil. Por outro lado, 2,33 milhões de pessoas ganharam mais de 10 milhões de ienes (R$ 205.900) em 2007, ou 84 mil pessoas a mais ante o resultado do ano anterior.

Mais terceirizados

Uma das principais causas do aumento da desigualdade salarial indicada pelo relatório é o aumento da mão de obra terceirizada no Japão. Com a política de desregulamentação adotada pelo governo na década de 2000, as grandes empresas elevaram o número de empregados não efetivos no quadro funcional a fim de conter custos. Hoje eles representam cerca de 30% dos trabalhadores no país. O relatório critica a indústria por ter aumentado a proporção de terceirizados, que são os primeiros a ser cortados na hora da crise, contribuindo com a aceleração da desigualdade salarial e a redução do consumo. Para reverter essa situação, o estudo ressalta a importância da atuação do governo central em estabilizar a economia. Assim as empresas começariam a investir mais na capacitação dos empregados e a contratar de forma planejada funcionários efetivos.

Emprego permanente

Ainda de acordo com o relatório, será necessário focalizar o investimento nas áreas promissoras para gerar empregos no país. Os setores com grande potencial de crescimento citados no estudo são os de energia renovável, biotecnologia, ecologia, saúde e assistência social. Além disso, o estudo defende a retomada do sistema de trabalho anterior, baseado no emprego vitalício, e o aumento salarial conforme o tempo de serviço, para qualificar os recursos humanos no longo prazo.

Boa parte dos empregadores concorda com a ideia. Segundo uma pesquisa feita em janeiro com cerca de 3 mil empresas, 49,7% delas reconhecem que o sistema de emprego permanente trará mais benefícios.

O estudo apontou também a mudança da postura das companhias em relação à estratégia de recrutamento, citando que agora há mais interesse em funcionários com potencial de crescimento para serem treinados após a contratação, em detrimento dos profissionais qualificados e experientes que vinham sendo preferidos nos últimos anos.

Fonte: Portal NippoBrasil

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários