Janot entra com ação no STF contra a lei da terceirização

Janot entra com ação no STF contra a lei da terceirização

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Saiba mais:
→ Quais as ameaças da lei da terceirização?
→ Manter a mobilização e intensificar a pressão sobre o Senado. Não à reforma trabalhista!


O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ajuizou na segunda-feira (26), no Supremo Tribunal Federal (STF), uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN) contra a lei que libera a terceirização para atividade fim das empresas.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

A informação foi divulgada durante audiência pública da reforma trabalhista realizada terça-feira (27) na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado que contou com a presença do secretário-geral da Intersindical Central da Classe Trabalhadora, Edson Carneiro Índio.

Durante a reunião na CCJ, o Procurador-Geral do Trabalho, Ronaldo Curado Fleury, argumentou que algumas das mudanças propostas pela reforma trabalhista são inconstitucionais, a exemplo do que, acredita ele, ocorre com a lei da terceirização e disse: “Trago uma informação importante […]: ontem, o Procurador-Geral da República ajuizou a Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 5.735 contra a Lei nº 13.429 (sobre a terceirização) disse ele.

“Se aquela lei é inconstitucional, imaginem agora onde a inconstitucionalidade atinge, inclusive, o serviço público, uma vez que permite a terceirização ilimitada no serviço público, como uma forma de burla ao concurso público e de burla ao impedimento do nepotismo”, afirmou Fleury.

Golpe

A lei da terceirização foi desengavetada de um texto de 15 anos atrás em 22 março deste ano pelo Congresso Nacional e sancionada no dia 31 por Michel Temer (PMDB).

O texto da lei da terceirização havia sido elaborado durante o governo entreguista de Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e encaminhado à Câmara em 1998. Foi aprovado pelo Senado em 2002 e ficado na gaveta.

À época da sanção de Temer, tramitava no Senado um outro projeto para regulamentar as terceirizações –  e que já era combatido pelos movimentos sociais, num claro golpe aos direitos trabalhistas da classe trabalhadora.


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários