Janot entra com ação no STF contra a lei da terceirização

Janot entra com ação no STF contra a lei da terceirização

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Saiba mais:
→ Quais as ameaças da lei da terceirização?
→ Manter a mobilização e intensificar a pressão sobre o Senado. Não à reforma trabalhista!


O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ajuizou na segunda-feira (26), no Supremo Tribunal Federal (STF), uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN) contra a lei que libera a terceirização para atividade fim das empresas.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

A informação foi divulgada durante audiência pública da reforma trabalhista realizada terça-feira (27) na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado que contou com a presença do secretário-geral da Intersindical Central da Classe Trabalhadora, Edson Carneiro Índio.

Durante a reunião na CCJ, o Procurador-Geral do Trabalho, Ronaldo Curado Fleury, argumentou que algumas das mudanças propostas pela reforma trabalhista são inconstitucionais, a exemplo do que, acredita ele, ocorre com a lei da terceirização e disse: “Trago uma informação importante […]: ontem, o Procurador-Geral da República ajuizou a Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 5.735 contra a Lei nº 13.429 (sobre a terceirização) disse ele.

“Se aquela lei é inconstitucional, imaginem agora onde a inconstitucionalidade atinge, inclusive, o serviço público, uma vez que permite a terceirização ilimitada no serviço público, como uma forma de burla ao concurso público e de burla ao impedimento do nepotismo”, afirmou Fleury.

Golpe

A lei da terceirização foi desengavetada de um texto de 15 anos atrás em 22 março deste ano pelo Congresso Nacional e sancionada no dia 31 por Michel Temer (PMDB).

O texto da lei da terceirização havia sido elaborado durante o governo entreguista de Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e encaminhado à Câmara em 1998. Foi aprovado pelo Senado em 2002 e ficado na gaveta.

À época da sanção de Temer, tramitava no Senado um outro projeto para regulamentar as terceirizações –  e que já era combatido pelos movimentos sociais, num claro golpe aos direitos trabalhistas da classe trabalhadora.


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários