A Intersindical repudia mais uma tentativa de implementação de O.S. no SUS

A Intersindical repudia mais uma tentativa de implementação de O.S. no SUS

Em defesa do SUS de Florianópolis

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

A INTERSINDICAL Central da Classe Trabalhadora repudia mais uma tentativa de implementação de O.S. (Organização Social – um tipo de associação privada) no Serviço Único de Saúde (SUS) de Florianópolis.

Ocorre que, no último dia 06 de abril o prefeito Gean Loureiro (PMDB) apresentou um projeto que visa permitir o funcionamento de OS no serviço público municipal.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Trata-se de uma clara campanha para a privatização do serviço público.

O Prefeito deu entrada do projeto na Câmara Municipal da cidade depois do expediente, em uma sexta-feira.

O mesmo projeto, antes mesmo de começar tramitar, já era alvo de uma campanha de mídia que custou mais de 9 milhões de reais aos cofres públicos, onde a prefeitura afirma que NÃO poderá abrir uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e 10 creches que estão em construção.

O prefeito mente ao falar dos dados da arrecadação do município e usa a Lei de Responsabilidade Fiscal para tentar justificar a terceirização do serviço.

A turística cidade de Florianópolis acaba de encerrar a temporada de verão, além haver aumentado sua arrecadação de IPTU e outros impostos.

No ano de 2017 os servidores tiveram ajuste de salário de apenas 1%, o plano de carreira está congelado e não houve contração de novos concursados.

Gean Loureiro também mente ao apresentar o projeto como se ele fosse dirigido às novas creches e UPA, enquanto o projeto abre as portas para privatização de todo serviço público, livrando apenas as forças policiais.

O Sintrasem, sindicato dos trabalhadores municipais, debatia a pauta de data base com a categoria quando veio o golpe do prefeito contra a cidade.

A categoria imediatamente respondeu aos ataques mobilizando e deflagrando greve.

Por conta de tamanha irresponsabilidade, o movimento cresceu rapidamente na categoria e nas comumidades da cidade.

São vários sindicatos, associações comunitárias, movimentos em defesa do SUS e do serviço público, aos quais a INTERSINDICAL se soma.

A reação dos privatistas é perseguir e criminalizar o movimento sindical.

Por iniciativa do vereador Bruno Souza (PSB), conhecido liderança do MBL, abriu-se pedido de CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar o sindicato, com a acusação de que professores estão enviando panfletos nas agendas de alunos da educação infantil.

A pedido do prefeito, o judiciário lançou interdito proibitório contra todos os trabalhadores em greve, proibindo-os de fazer manifestação a distância menor que 450 metros da Câmara de Vereadores.

A INTERSINDICAL está articulando com diversos sindicatos e centrais sindicais em uma campanha de solidariedade para com o Sintrasem e o povo de Florianópolis, na luta em defesa dos direitos e do serviço público.

13 de abril de 2018
INTERSINDICAL Central da Classe Trabalhadora


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Siga-nos no INSTAGRAM
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
1 Comentário
Mais antigos
Mais recentes
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Julo E.Paiva
Julo E.Paiva
3 anos atrás

O governo golpista de Michel ja articula privatizar o SUS com o argumento de que: “A Providencia Social é onerosa ao Brasil ” é que a solução definitiva é fazer com que as” OS” gerenciem o SUS e que apenas metade desta população que faz uso teriam um atendimento selecionado “conforme o caso ” está solução traria um atendimento mais eficiente pelo novo modelo de atendimento a população…
Sendo que esses planos seriam irrisórios e de alta qualidade e resolveriam o prejuizo “gigantesco que o SUS da as contas do governo ” é também prometeu fazer uma revisão no modelo de aposentadoria no campo.Segundo o governo os trabalhadores pagariam um plano privado para futuras aposentadorias.
Está proposta ganhando corpo nos Estados e nas cidades em todo o Brasil…Ordem dos países do CONSENSSO DE WUOSCHITON …isto é se o país quiser tirar seu nome dãs Agências de piores devedores e sem confiança dos investidores internacionais !