fbpx

Inquérito sobre cartel do metrô de São Paulo está parado há um ano

A Polícia Federal já concluiu a investigação sobre o esquema que fraudou licitações de trens da capital paulista, em sucessivos governos do PSDB, mas o Ministério Público não formalizou denuncia

O principal inquérito criminal que investigou o cartel do metrô em São Paulo está fazendo aniversário de um ano. Concluído pela Polícia Federal em novembro do ano passado, a investigação sobre o esquema que fraudou licitações para compras de trens entre 1998 e 2008, em sucessivos governos do PSDB, está parado no Ministério Público Federal.

Segundo reportagem, o procurador da República responsável pelo caso, Rodrigo de Grandis, ainda não decidiu se apresentará a Justiça denúncia criminal contra os suspeitos, o que resultaria em ação penal contra as 33 pessoas indiciadas pela Polícia Federal. Segundo o procurador, ele ainda aguarda, para a formalização das denúncias, envio de extratos bancários por autoridades estrangeiras que podem comprovar crimes de lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

O ex-presidente da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) Mario Bandeira, o ex-gerente de operações José Luiz Lavorente, e os ex-diretores da estatal João Roberto Zaniboni e Ademir Venâncio de Araújo estão entre os indiciados.

Entre os executivos das empresas supostamente envolvidas, ainda estão os ex-diretores da Siemens, Alstom, CAF, Bombardier, Daimler-Chrysler, Mitsui e TTrans. Na lista, também está o consultor Arthur Gomes de Teixeira, apontado como intermediário de suborno.

O recorte temporal da investigação compreende os governos de Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin. Na conclusão do inquérito, os indiciados negaram as práticas criminosas.

Trensalao 002

Fonte: Congresso em Foco

ACHOU ESSA INFORMAÇÃO IMPORTANTE?Inscreva-se para receber nossas atualizações em seu e-mail
Tags

*

Top