Herbert Anjos | Em Defesa da Segunda Abolição no Brasil

Herbert Anjos | Em Defesa da Segunda Abolição no Brasil

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Tive a honra de representar a Intersindical – Central da Classe Trabalhadora na audiência pública sobre Trabalho Escravo, conduzida pelo Senador Paulo Paim (PT/RS), na última terça-feira (02/02). Além da presença de parlamentares, de representantes dos poderes públicos responsáveis por coibir o trabalho escravo, de lideranças da sociedade civil organizada e de sindicalistas, a audiência foi prestigiada pelo ativista indiano Kailash Satyarthi, prêmio Nobel da Paz em 2014, responsável pela libertação de milhares de crianças vítimas de trabalho infantil na Índia.

Infelizmente, devido a um pequeno equivoco da organização do evento, não pude compor a mesa de apresentação. Nem expressar a visão da Intersindical – Central da Classe Trabalhadora sobre o tema. Paciência: minha participação ficará para uma próxima vez. Enquanto esse novo momento não chega, utilizo esse pequeno artigo para expressar algumas impressões sobre a audiência. E sobre o atual panorama da luta contra o trabalho escravo no Brasil.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Em uma legislatura conservadora – a mais reacionária desde o Golpe Civil-Militar de 1964 – como a que se iniciou ano passado, os direitos sociais e trabalhistas estão em constante ameaça de retrocesso.E neste início de 2016,a perspectiva permanece pouco positiva para a classe trabalhadora. Para ficar em poucos exemplos, teremos em pauta o PLC 30/2015 que levará a discussão da terceirização ao Senado, a PEC 171/2003 que retomará a discussão da redução da maioridade penal e o PLS 555/2015 chamado pelo movimento sindical e popular de privatização das estatais e até uma possível contrarreforma da previdência, ainda no primeiro semestre, bancada pelo Governo Dilma e por seu novo ministro da fazenda, Nelson Barbosa. Como podemos notar, o ano não será fácil e a mobilização com certeza não será pequena.

Há retrocessos também no âmbito do combate ao trabalho escravo. O PLS 432/2015, fortemente apoiado pela bancada ruralista do Congresso, pretende modificar o conceito de trabalho escravo aprovado na PEC 438. Na verdade, alegando “insegurança jurídica” e/ou “imprecisão conceitual”, os ruralistas querem retirar do conceito de trabalho escravo as noções de “jornada exaustiva” e “condições degradantes de trabalho.” Ou seja, seria excluída da definição de trabalho escravo a relação de trabalho caracteriza pelo esforço laboral, repetitivo e sistemático, que impede o trabalhador se recuperar fisicamente, como é o caso de muitos boias frias que trabalham em plantações de cana de açúcar. Ou a relação de trabalho caracterizada por péssimas condições de alojamento, segurança e alimentação, como ocorre nas carvoarias no interior do Pará ou nas oficinas de costura em São Paulo.

De fato, é inaceitável que um conceito tão claro e preciso seja relativizado devido à ganancia de empresários que se utilizam de relações de trabalho vis para lucrar por meio de concorrência desleal. Para coibir a impunidade empresarial, só há uma saída: garantir, de verdade, a expropriação das propriedades rurais e urbanas onde ocorram relações de trabalho escravo e destiná-lasà reforma agrária e à construção de habitações populares.

A terceirização, que volta à discussão no senado, caminha lado a lado com o trabalho escravo. Afinal, nos últimos anos, segundo o Ministério do Trabalho, pelo menos 90% dos trabalhadores resgatados de relações de trabalho análogas à escravidão eram, também, trabalhadores terceirizados. Essa estatística evidencia como a terceirização propicia a máxima exploração do trabalho e o despotismo patronal sem limites.

Ainda mais com a significativa ausência de fiscalização das relações laborais em nosso país, pois é conhecido que o número de auditores fiscais do trabalho está aquém da demanda de inspeção do trabalho e que há a necessidade de contratação urgente. Necessidade de contratação esta que, em tempos de ajuste fiscal recessivo e de corte de orçamentos de serviços e políticas públicas fundamentais, é relegada a um plano secundário, sem prazo tangível para ser sanada.

Entre os vários representantes dos poderes públicos e setores da sociedade civil organizada presentes na audiência pública ficou firmado o compromisso de barrar, por meio de todas as formas de luta possíveis, a mudança no conceito e de impulsionar que o cumprimento da EC 81/2015 que garante a expropriação das propriedades dos escravocratas modernos.Quanto a nós, estaremos nos locais de trabalho e nas ruas combatendo o retrocesso. Afinal, como disse Kailash Satyarthi em sua apresentação “há sempre luz no fim do túnel”. No Brasil, é na chama das lutas sociais que a esperança continuará a brilhar.

*Herbert Anjos é mestre em história pela UnB, professor e militante da Intersindical – Central da Classe Trabalhadora

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários