Guedes tem dificuldades de obter apoio para mudar a Previdência

Guedes tem dificuldades de obter apoio para mudar a Previdência

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Uma semana após ter faltado ao embate na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, o ministro da Economia, Paulo Guedes, compareceu ao colegiado, nesta quarta-feira (3), para defender sua proposta de reforma da Previdência (PEC 6/19). Na defensiva, Guedes afirmou que a Previdência, no modelo atual, está “condenada”, e por 25 minutos tentou convencer os parlamentares das benesses de seu texto. Nesta quinta (4), a CCJ ouve técnicos sobre a proposta. São 2 contrários, 2 favoráveis e 2 neutros. No portal Vermelho

Dos oradores, poucos foram os que defenderam a proposta. Pequeno grupo, encabeçado pela deputada Carla Zambelli (PSL-SP) e pelo deputado Darcísio Perondi (MDB-RS), aplaudia o ministro de Bolsonaro em momentos “emotivos”, como quando o ministro subia o tom para atacar países vizinhos, como a Venezuela.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Apesar das cenas, o apoio à proposta não foi um destaque, mesmo com a presença do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), à reunião. O fato foi enaltecido pela oposição, que chamou atenção para a falta de articulação na base e para a falta de empenho do Executivo para aprovar a proposta.

“Bolsonaro foi contrário a esta proposta a vida inteira. A base não está defendendo essa reforma. O senhor quer essa reforma para prejudicar a população mais carente”, afirmou o líder do PT, deputado Paulo Pimenta (RS).

“Se eu estou sozinho, vocês aprovam o que quiserem. Vocês são senhores deste destino. O meu papel é muito pequenininho”, rebateu Guedes em sua defesa.

A dificuldade do governo na articulação da matéria somada aos ataques de Bolsonaro ao que chama de “velha política” já colocam em xeque o avanço do texto no Parlamento. Na última semana, além da união de partidos de esquerda contra a reforma da Previdência de Bolsonaro, partidos ligados ao chamado Centrão divulgaram nota anunciando oposição aos pontos do texto que tratam da aposentadoria dos trabalhadores rurais e do Benefício da Prestação Continuada (BPC).

Após o anúncio, o governo chegou a anunciar a possibilidade de flexibilizar o texto – fato reforçado por Guedes durante a reunião na CCJ.

Capitalização

Nas mais de 6 horas de debate, Guedes preferiu deixar de lado dados técnicos que endossam a PEC para apelar para jargões em defesa da capitalização do sistema previdenciário.

Segundo ele, o sistema de repartição está condenado, pois tem “várias bombas”. “A demografia é um deles, a forma perversa como o sistema é financiado (cobrar encargos trabalhistas sobre a folha é uma condenação. É um sistema perverso); a sociedade não leva nada para o futuro, pois o jovem contribui e o idoso gasta; o sistema de tributação progressivo. O nosso sistema já está condenado antes da população brasileira envelhecer”, afirmou Guedes.

Para o ministro, a saída é a capitalização, que, segundo ele, não traz as tais “bombas”. “Num sistema de capitalização você pode sempre recuar e criar um sistema de repartição. O inverso não é possível”, disse.

No entanto, para a vice-líder da Minoria, deputada Alice Portugal (PCdoB-BA), o sistema de capitalização da reforma defendida pelo ministro Guedes “irá promover desordem e desigualdade social no país”.

“Neste sistema de capitalização quem ganha vai capitalizar e quem não ganha, não vai. A reforma de Bolsonaro só beneficiará o mercado financeiro – bancos e fundos privados, que serão os principais gestores das aposentadorias da população”, denunciou a parlamentar.

Parlamentares lembraram ainda que o modelo defendido por Guedes tem prejudicado idosos no Chile — país modelo do economista. Paulo Guedes é um dos principais admiradores da Escola de Chicago e das reformas ultraliberais traçadas durante a ditadura Pinochet. Naquele país, a privatização da Previdência Social está exigindo esforços cada vez maiores de quem já trabalhou a vida inteira e a redução no valor das pensões tem provocando uma onda crescente de suicídios de idosos.

O deputado Renildo Calheiros (PCdoB-PE), no entanto, alertou que o modelo de capitalização demonstra o interesse em atender os desejos do mercado e de empregadores que querem uma mão de obra mais barata, se livrando de encargos.

“Esse modelo coloca em risco, inclusive, as garantias até mesmo para quem já está aposentado. É um crime contra o povo brasileiro”, alertou.

Reforma perversa
Para a líder da Minoria na Câmara, deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), o governo apresenta uma reforma cruel, que atingirá 83,4% dos trabalhadores que ganham até dois salários mínimos. “Essa proposta não atinge privilégios. Essa proposta arrebenta com a Previdência dos trabalhadores mais pobres desse país. Paulo Guedes diz que quem ganha menos pagará menos à Previdência. Só não explicou que, na verdade, quem ganha menos pagará ‘centavos’ menos e por muitos anos a mais”, afirmou.

A parlamentar criticou ainda a postura do ministro de Bolsonaro. Segundo ela, Guedes mentiu no Parlamento e teve uma postura cínica na comissão.

“Ele tenta enganar o colegiado, dizendo que o regime de capitalização é uma solução no mundo. Mas não é. É a destruição do sistema previdenciário. Não há nenhum debate macroeconômico sobre a situação desesperadora da população brasileira. Não há saídas para a geração de empregos, para o crescimento econômico. A única saída é tirar da Constituição os direitos previdenciários”, condenou.

Bate-boca

A reunião foi permeada por momentos de tensão entre o ministro e parlamentares.

No último deles, às 20h27, o presidente do colegiado, deputado Felipe Francischini (PSL-PR), encerrou os trabalhos da comissão, após embate entre o deputado Zeca Dirceu (PT-PR) e o ministro Paulo Guedes.

Votação na CCJ

Durante a reunião, o relator da matéria na CCJ, Delegado Marcelo Freitas (PSL-MG), informou que deve apresentar o texto na próxima terça-feira (9), e que pretende votar a proposta no dia 16 ou 17 de abril, após pedido de vista do colegiado.

Se aprovada, a reforma seguirá para comissão especial, responsável por analisar o mérito (conteúdo) do texto. Em seguida, a proposta será votada no plenário da Câmara, onde precisará dos votos de pelo menos 308 dos 513 deputados, em 2 turnos de votação.

Fonte: DIAP


CLIQUE E ACOMPANHE A INTERSINDICAL NAS REDES

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários