Grito dos excluídos: capixabas vão às ruas pedir justiça contra crime ambiental cometido pela Samarco

Grito dos excluídos: capixabas vão às ruas pedir justiça contra crime ambiental cometido pela Samarco

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

A concentração será a partir das 8h30, no Quiosque I, localizado na Praia de Camburi.

O Grito dos Excluídos chega a sua 22ª edição na próxima quarta-feira, 07. A concentração será a partir das 8h30, no Quiosque I, localizado na Praia de Camburi. Com o tema “A vida em primeiro lugar”, e lema, “Este sistema é insuportável: exclui, degrada e mata!”, o ato deste ano traz a reflexão sobre as desigualdades, injustiças sociais e outras mazelas que o atual sistema econômico impõe. Diante disso, a sociedade civil irá às ruas exigir justiça perante o crime socioambiental cometido pela Samarco, Vale e BHP Billiton com o rompimento da barragem de Fundão, em Mariana, Minas Gerais, no dia 5 de novembro de 2015.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

A escolha da Praia de Camburi se deu pelo fato da Vale estar situada no local e também por ser essa localidade e adjacências constantemente atingidas pelo pó preto da mineradora, emitido por décadas. Os organizadores do ato são a Comissão de Justiça e Paz da Arquidiocese de Vitória (CJP), o Fórum Capixaba das Entidades em Defesa da Bacia do Rio Doce, pastorais sociais, Igrejas, movimentos sociais, associações, sindicatos, entre eles o Sindicato dos Bancários/ES, além dos atingidos e atingidas pelo rompimento da Barragem de Fundão, em Mariana, Minas Gerais, de vários municípios capixabas.

“Tratar da questão do crime ambiental cometido pelas mineradoras Vale, Samarco e BHP Billiton tem tudo a ver com o lema do Grito dos Excluídos deste ano, pois esse crime está ligado ao modelo econômico que nossa sociedade vive. E esse modelo, que de fato exclui, degrada e mata, não está presente somente na extração mineral, mas no cotidiano de toda a classe trabalhadora. Ele nos agride ao atacar a democracia, como acontece por meio do golpe de Estado que colocou Michel Temer na presidência da república, e ao tentar retirar os nossos direitos, a exemplo de projetos que estão tramitando, como os da Reforma Trabalhista, Reforma da Previdência e o PL 257”, diz o diretor do Sindicato dos Bancários/ES, Fabrício Coelho.

A Reforma Trabalhista prevê, entre outros retrocessos, a liberação da terceirização irrestrita. A da Previdência aumenta a idade mínima da aposentadoria, reduz a diferença da idade mínina de aposentadoria entre homens e mulheres, desconsiderando que as trabalhadoras cumprem uma dupla ou até mesmo tripla jornada de trabalho, entre outros. O PL 257 adota uma política de ajuste fiscal que reduz o papel do Estado, estimula a privatização e promove cortes de direitos dos servidores públicos.

Fonte: Sindicato dos Bancários do Espírito Santo

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários