Greve Geral: o vandalismo da mídia e o atentado à liberdade de expressão

Greve Geral: o vandalismo da mídia e o atentado à liberdade de expressão

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Deu na Globo: “Greve geral paralisa transportes e cancela voos.” (Na Argentina, dia 6 de abril.) “Manifestações contra o governo”. (De Nicolas Maduro, na Venezuela, em 19 de abril.)

Não deu na Globo: uma única menção, que fosse, às paralisações convocadas para a última sexta, em plena véspera do movimento que levou 35 milhões de brasileiros a cruzarem os braços.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Pegou bem mal, claro. E a emissora tentou limpar a barra no dia seguinte, com flashes ao longo do dia e uma “atenção especial” nos programas matinais, não apenas nos telejornais. O mea culpa foi tão explícito que o JN dedicou uma de suas reportagens à própria cobertura da greve geral, Brasil afora.

O 28A ocupou cerca de 20 minutos do JN –metade do tempo total do telejornal, no dia em que o Brasil parou.

No 13 de março de 2016, um domingo, a “maior manifestação que o país já viu”, contra Dilma (com transporte funcionando e catracas do metrô liberadas em SP, não custa lembrar), os protestos mereceram 15 minutos no Fantástico. Naquele day after, o JN dedicou pouco mais de dois minutos ao tema. E abriu falando em “atos em 337 cidades.”

O dia seguinte, desta vez, somou quatro minutos de reportagens e circunscreveu a abrangência dos protestos a “26 capitais e Distrito Federal”, sem qualquer tentativa de estimar o número de cidades –que a Mídia Ninja contabilizou (e cobriu!) em 273.

O recuo da Globo é sintomático. Mas não pode iludir. O tempo dedicado à cobertura, agora, é só mais uma cortina de fumaça. Não mais que um passo adiante na tática de ilusionismo que ela tem operado, em seus atentados sistemáticos contra a liberdade de expressão.

Em seu teor a cobertura foi inócua, do ponto de vista do que está de fato em jogo: o incômodo com um governo ilegítimo (e corrupto), que tratora direitos na reforma demolição trabalhista, previdenciária e no projeto de terceirização –mas não só.

O JN de sexta abriu falando em “greve geral” e em protestos “na maioria pacíficos”, já na escalada. Mas o terrorismo psicológico dominou as reportagens, Brasil afora. Vandalismo, depredação, violência.

Ou pior: “A polícia respondeu aos ataques com bombas de efeito moral e de gás”, como se ela estivesse sempre em condição de vítima, apenas se defendendo –e quem acompanhou os protestos no RJ e SP sabe que não foi bem assim. Tudo sob medida, claro, para manter as pessoas em casa da próxima vez e inibir o crescimento das manifestações.

Nenhuma liderança política do campo progressista ou de movimentos de base social foi entrevistada, com exceção dos sindicalistas. Nas falas deles, apenas o protocolar: não às reformas; na do governo, uma tentativa de desqualificar o movimento (na lenga-lenga do “direito de ir e vir”) e reduzir o seu impacto –troféu Oléo de Peroba para o ministro Osmar Serraglio, da Justiça, que classificou as manifestações como “pífias” e “quase inexistentes”…

A Globo controla, sozinha, 50% do mercado de comunicação no Brasil. Mas no país em que explora a concessão pública de um patrimônio da nação, se acha no direito de esconder uma greve geral –que afeta a vida de milhões e milhões de cidadãos.

Depois de decretar a morte do jornalismo em seu telejornal de quinta (com o perdão pelo duplo sentido, bastante aplicável aqui), a emissora reduziu a insatisfação dos brasileiros contra o governo mais impopular de todos os tempos a uma “paralisação geral” (porque o termo greve geral estava vetado de início), com foco nas votações em curso no Congresso Regresso Nacional.

A narrativa construída pelas centrais sindicais apontou neste caminho, é verdade. O que não deixa de fazer sentido, como forma de catalisar a insatisfação generalizada e quebrar as resistências de quem foi pra rua de camisa da CBF e se tocou tardiamente de que o tiro do golpe saiu pela culatra, como era de se esperar.

Mas o grito nas ruas era um só: Fora Temer! E ele foi rigorosamente suprimido da cobertura. Nenhuma faixa ou cartaz.

E uma única única menção, de contrabando, no texto da reportagem de Recife, a protestos “contra as reformas e contra o presidente Michel Temer”. Isso em 20 minutos de reportagens –o que, para uma televisão, é uma vida. Exatamente o avesso do que se passou nas manifestações contra Dilma –já que o objetivo final não era combater a corrupção ou reivindicar direitos, mas alimentar e avalizar o golpe.

Insistindo em remeter a responsabilidade das paralisações às centrais sindicais como forma de atribuir a eles eventuais “transtornos” e “prejuízos” e de referendar o fim da contribuição compulsória anual, a Globo pode ter conseguido exatamente o contrário do que queria, encorajando sindicatos e sindicalistas (que saem da greve geral maiores do que entraram) a resglutinarem a resistência.

Duplamente ruim pra ela, na medida em que dá argumentos cada vez mais sólidos para o que já é incontornável: a importância de avançar no debate sobre a regulação a mídia e implementar sistemas de controle social capazes de resguardar o interesse público no funcionamento das concessionárias de rádio e TV –em favor do cidadão, e não apenas do próprio bolso.

Fonte: Previdência: Mitos e Verdades / Por Israel do Vale, na Mídia Ninja

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários