Greve em Florianópolis: Prefeito de Florianópolis pede a prisão da direção do sindicato

Compartilhe

O movimento iniciou no dia 09 de fevereiro e unifica os servidores públicos da educação, saúde, assistência social e demais secretarias com os garis e operacionais da COMCAP. A greve está centrada na defesa do serviço público que vem sendo terceirizado através de ONGs, Organizações Sociais e entrega direta à empresas privadas, no caso dos serviços da coleta de lixo e limpeza pública. O prefeito Gean Loureiro (DEM) aproveitou a pandemia para acelerar os ataques contra os trabalhadores e o povo da cidade. Contratos e licitações corroem o orçamento do município enquanto escolas, centros de saúde, CRAS e UPA se deterioram sem investimentos e reformas. Seguindo o receituário tradicional da direita brasileira a prefeitura não convoca os aprovados em concursos abertos e não realiza concursos em setores centrais. Além disso, mantém os servidores sob um regime de perda salarial ao descumprir acordos, reajustar salários abaixo da inflação e não pagar planos de carreiras.

A pandemia e o árduo enfrentamento do SUS para controlar e reduzir as contaminações e mortes na capital de SC não mudaram a postura do prefeito. Os salários da capital são os mais baixos da região e o combate à pandemia foi abandonado para que a temporada de verão pudesse acontecer com hotéis, baladas e shows lotados. O resultado foi um novo surto de Covid na cidade, com superlotação nas unidades de saúde, adoecimento e centros de saúde fechados por falta de profissionais.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Outro setor sobrecarregado é assistência social. Durante a pandemia o número de inscritos no Cadastro Único subiu para quase 95 mil, o que corresponde a 19% da população – se considerarmos a quantidade de pessoas registradas no sistema próprio do município chega a 30% o percentual da população em situação de vulnerabilidade social. Nesse cenário de crescimento da demanda a prefeitura não efetiva novos técnicos há 6 anos, mesmo com um concurso aberto desde 2019.

O que cresce no governo Gean é o retrocesso do “primeiro damismo”. A prefeitura criou uma entidade fantasma chamada Somar Floripa, que utilizava estrutura da prefeitura para serviços “voluntários” e chegou a lançar, em nome da prefeitura, campanha de arrecadação financeira com contas bancária de empresa privada. As inúmeras denúncias da categoria fizeram com que o Ministério Público cobrasse explicações. A solução do governo foi criar uma “Fundação Somar Floripa”. A primeira dama, Cintia Loureiro, virou presidente da entidade e agora conta oficialmente com instalações e com orçamento municipal.

A educação municipal enfrentou uma grande batalha no ano passado para impedir que as escolas retornassem no modelo presencial sem esquema de vacinação de professores e iniciou o ano de 2022 com reformas inacabadas, sem EPIs adequados, sem receber o piso do magistério e sob ameaça de perder unidades para organizações sociais.

Nos serviços de coleta de lixo, limpeza urbana e manutenção da cidade o descaso com o serviço público e os trabalhadores fica ainda mais evidente. Buscando votos para reeleição, Gean afirmou publicamente que não cortaria salários e não privatizaria a COMCAP, mas depois das eleições vem preparando o fim da empresa e a demissão de mais de mil funcionários. A COMCAP é elogiada por toda a cidade por prestar um serviço de excelência há 50 anos. Seus trabalhadores prestam mais de 19 serviços, mas um deles sempre foi alvo dos empresários, a coleta de lixo.

Devido às dinâmicas da produção capitalista o lixo é uma grande fonte de lucro, uma verdadeira mina de ouro, mas diferente do minério, o lixo nas grandes cidades nunca esgota. Para conseguir privatizar a coleta o governo Gean chegou a aprovar uma lei que passa por cima do acordo coletivo homologado na justiça do trabalho, a manobra levou os trabalhadores à greve em 2021 e foi alvo de processo justiça do trabalho. A manobra do governo foi considerada inconstitucional, a mesma decisão judicial determinou a proibição de terceirizações e que os direitos do Acordo Coletivo deveriam ser cumpridos na integralidade. A prefeitura ignora a decisão e busca acelerar a destruição da COMCAP para que a decisão da justiça se torne inócua.

A greve unificada estragou os planos do prefeito que deseja se tornar governador nas eleições desse ano. Com dinheiro em caixa e mesmo longe dos limites da lei de responsabilidade fiscal Gean pretendia dar mais um calote na cidade. Para manter o cronograma de campanha e os acordos com os seus financiadores, o prefeito está pedindo na justiça a prisão da direção do sindicato.
O Sintrasem lançou uma campanha de solidariedade para exigir o respeito ao direito de greve, de livre organização sindical e forçar a abertura de negociações.

Acesse o link e participe da campanha de solidaredade pelo direito de greve

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Intersindical no 18° Congresso Sindical. Mundial, em Roma (Itália)
Intersindical no 18° Congresso Sindical. Mundial, em Roma (Itália)
SindSaúde-SC na luta pelo Piso Nacional da Enfermagem
SindSaúde-SC na luta pelo Piso Nacional da Enfermagem
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, no 1º de Maio em SP
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, no 1º de Maio em SP
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários