Greve dos Petroleiros continua

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Mesmo após a decisão autoritária de ministro do TST (Tribunal Superior do Trabalho), sindicatos decidem manter a greve na Petrobras e exigir o cumprimento do Acordo Coletivo.

Gandra criminaliza a greve

Ives Gandra, ministro do TST (Tribunal Superior do Trabalho), em uma decisão monocrática (julgamento individual) tomada nesta segunda-feira (17/02) decreta a GREVE DOS PETROLEIROS ILEGAL.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Gandra decidiu isoladamente porque teme que uma  decisão colegiada (compostas por mais ministros do TST) na Seção de Dissídio Coletivo (SDC) marcada para o dia 09 de março entenda a greve como legitima. Logo Gandra se antecipou, para tentar desmobilizar a greve antes do julgamento do SDC.

A decisão de Gandra é uma ação de contenção. A greve, apesar de todo o bloqueio midiático, se nacionalizou e tem ganhado força na sociedade. O governo e os acionistas privados da Petrobras teme que o movimento grevistas se alastre por categorias também em luta de outras empresas estatais e no servidores públicos também sob ataque. Uma greve desta magnitude poderia impor uma grande derrota ao projeto de privatização de Guedes e Bolsonaro.

A greve dos petroleiros ganha a simpatia da população. Com ações de conscientização, sindicatos de petroleiros realizam a venda de botijões de gás à população a R$ 40,00, o preço real do produto se não houvesse a atual política de preço dos combustíveis.

“A Greve dos petroleiros é para aumentar a produção”, afirma Cibele Vieira, Diretora da FUP (Federação Única dos Petroleiros) e uma das participantes da comissão de negociação e hoje se encontra acampada dentro do prédio da Petrobras no Rio de Janeiro. O movimento grevista defende preços mais justos para os combustíveis, e a defesa da soberania do país sobre o petróleo.

O que querem os petroleiros?

O estopim da greve foi o descumprimento por parte da diretoria da Petrobras, do Acordo Coletivo de Trabalho, firmado em novembro passado. Neste acordo fica proibida a demissão em massa, em qualquer empresa ligada à Petrobras, sem discussão prévia com as entidades sindicais.  Porém, em janeiro a ANSA (Araucária Nitrogenados) empresa de propriedade da Petrobras, anunciou a demissão de 1000 trabalhadores na Fábrica de Fertilizantes (Fafen-PR).

As demissões rompem com o acordo firmado entre sindicatos e a direção da Petrobras, inclusive com mediação do TST. O Acordo diz “A Companhia não promoverá despedida coletiva ou plúrima, motivada ou imotivada, nem rotatividade de pessoal (turnover), sem prévia discussão com o Sindicato”, garante a Cláusula 26 do Acordo Coletivo da Araucária Nitrogenados, cuja redação é a mesma da cláusula 41 do Acordo pactuado com a Petrobrás, sobre dispensa coletiva. Logo, é a direção da Petrobras que deve ser responsabilizada, não os sindicatos e o movimento grevista.

Continuidade da greve e solidariedade

O movimento grevista continua em todo o país. Os sindicatos decidiram manter a greve mesmo depois da decisão autoritária de Ives Gandra. O movimento reafirma a necessidade de negociação recusada pela empresa e o cumprimento do Acordo Coletivo.

Neste sentido ocorreu nesta segunda-feira em São Paulo a Plenária Conjunta das Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo com o objetivo de organizar ações de apoio aos grevistas. A Intersindical Central da Classe Trabalhadora este presente, prestando sua solidariedade ao movimento grevista.

Ficou definido nesta Plenária:

  1. Articulação Local com os sindicatos de petroleiros: Todos os movimentos sociais e sindicais devem contribuir no reforço das atividades nas portas das unidades da Petrobras. Para isso, devem procurar o sindicato dos petroleiros da região e combinar o tipo de atividade de solidariedade que deve ser realizado.
  2. Romper com o bloqueio midiático: A grande imprensa não noticia a greve. Cabe as organizações da sociedade civil utilizarem os canais disponíveis para divulgar a greve, sua situações e seus propósitos. É fundamental que todos os meios de comunicação das entidades estejam contribuindo na divulgação da greve.
  3. Campanha Financeira: Será instituído um fundo de greve para apoiar as ações da greve.
  4. Ações junto à população: É necessário estimular ações de contato com a população para que a greve tenha adesão da maior parte do povo. Neste sentido, ações como panfletagem, venda de botijão de gás a 40 reais em bairros de periferia e outras ações deve ser desenvolvidas.
  5. Mobilização nos estados: É necessário estimular a realização de Plenárias de unidade dos movimentos sociais e sindicais nos estados para desenvolver as atividades de solidariedade.

Próximas agendas

18/02 –  Grande Ato na sede da Petrobras no Rio de Janeiro em apoio à greve.

20/02 – Ato em São Paulo em apoio a greve.

Todos os dias – Piquetes na porta das unidades da Petrobras em todo o país. 

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários