Greve continua no Hospital de Caridade de Florianópolis

Greve continua no Hospital de Caridade de Florianópolis

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Desde o dia 20 de dezembro, as trabalhadoras e os trabalhadores do Hospital de Caridade, de Florianópolis, estão em greve. Reivindicam o recebimento do 13° salário, que deveria ter sido pago até o dia 6 deste mesmo mês.

Vale registrar que o Hospital de Caridade é uma instituição privada, administrada por uma “irmandade” que, recentemente, deixou até mesmo de atender pelo Sistema Único de Saúde – SUS.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Este patronato, pouco conhecido mas bastante influente na cidade e na região, tentou desmobilizar a greve, pagando o 13° para uma parte da categoria. Esta artimanha, ao invés de esvaziar a greve, a intensificou.

Aliás, fazer provocação é algo corriqueiro pela administração do Hospital de Caridade, ao ponto de, numa tentativa de negociação, um dos gestores chegar a afirmar que “os funcionários ‘fugiram’ do hospital”. A frase expressa uma mentalidade escravocrata indisfarçável. Até porque trabalhadoras e trabalhadores em greve tinham deixado legalmente o local de trabalho e estavam justamente no portão de acesso ao hospital.

Os patrões, administradores privados do Hospital de Caridade, perderam todas as ações na justiça. Já receberam o prazo judicial de 48 horas pra pagar integralmente o 13°, mas não cumpriram o prazo. Por isso, desde hoje cedo, as contas do hospital estão bloqueadas, e o pagamento será feito pela justiça.

Ao mesmo tempo, alguns administradores têm ido para as redes sociais fazer apelações melodramáticas, tentando convencer a sociedade a fazer movimento de doação para o hospital.

Em primeiro lugar, é bom esclarecer que o problema do Hospital de Caridade é justamente a sua gestão, feita por essa irmandade. Agora fingem chorar, mas acabaram de construir uma ala nova e moderna no hospital, tão nova e tão moderna que sequer foi aberta totalmente, pois falta “cliente” com poder aquisitivo (dinheiro) para usar tão luxuoso espaço. Construir ala nova e não ter dinheiro para pagar o 13° seria incompetência, ou descaso e má fé?

É preciso registrar também que tal gestor, assim como maioria da tal irmandade, não são pessoas pobres e voluntárias da sociedade. Pelo contrário, tem ali portadores dos mais altos salários, bem acima do teto legal, cujo 13° foi pago em dia.

Passamos o Natal em greve, com o hospital esvaziado.

Neste dia 26, trabalhadoras e trabalhadores estão novamente nos portões de acesso, firmes na greve, e, como sempre, à disposição da Justiça do Trabalho e dá administração do Hospital de Caridade para negociar os direitos da categoria em greve e a retomada dos serviços. Enquanto isso, permanecem firmes na luta para garantir, na prática, um direito que a letra fria da lei traz há muito tempo.

Agradecemos a solidariedade das entidades , das diversas pessoas que todos os dias passam por aqui, que mandam notas , que entendem esse movimento legítimo.

Viva a luta dos trabalhadores e trabalhadoras do Hospital de Caridade!!!

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Intersindical no #19JForaBolsonaro na Av. Paulista
Intersindical no #19JForaBolsonaro na Av. Paulista
ELEIÇÕES PERUANAS [Intersindical Debate #34]
ELEIÇÕES PERUANAS [Intersindical Debate #34]
POR QUE IR ÀS RUAS NO 19J? [Intersindical Debate #33]
POR QUE IR ÀS RUAS NO 19J? [Intersindical Debate #33]
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários