Grandes empresários falam em cortes de 5 milhões de empregos no mundo

Grandes empresários falam em cortes de 5 milhões de empregos no mundo

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

O processo que alguns chamam de Quarta Revolução Industrial é o tema principal do Fórum Econômico Mundial, que começou quarta-feira (20) em Davos, Suíça, e termina no próximo sábado (23).

Além da perda de 5 milhões de empregos nos próximos cinco anos em todo o mundo, a Quarta Revolução Industrial provocará “grandes perturbações não só no modelo dos negócios, mas também no mercado de trabalho nos próximos cinco anos”, indica um estudo da entidade que organiza o Fórum de Davos.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Depois da Primeira revolução (com o aparecimento da máquina a vapor, da Segunda (eletricidade, cadeia de montagem) e da Terceira (eletrônica, robótica), surge a Quarta Revolução Industrial que combinará numerosos fatores como a internet dos objetos ou a “big data” para transformar a economia.

“Sem uma atuação urgente e focada a partir de agora para gerir esta transição a médio prazo e criar uma mão de obra com competências para o futuro, os governos vão enfrentar desemprego crescente constante e desigualdades”, alerta o presidente e fundador do Fórum de Davos, Klaus Schwab, citado num comunicado.

Esta 46ª edição do Fórum de Davos ocorre num momento em que o medo da ameaça terrorista e a falta de respostas coerentes para a crise de refugiados na Europa se juntam às dificuldades que a economia mundial encontra para voltar a crescer e à forte desaceleração das economias emergentes.

Fundado em 1971, o Fórum de Davos apresenta-se como um “laboratório de ideias neoliberais” para debater grandes temas relevantes do mundo no curto e médio prazos.

A crise internacional e as saídas que o grande capital e os círculos neoliberais buscam para sua superação demonstram o caráter absolutamente regressivo do capitalismo. A classe trabalhadora e suas organizações devem lutar e apresentar um modelo globalmente alternativo a esse processo. O avanço da tecnologia deve estar a serviço do povo e não da acumulação de riqueza pela minoria rica.

Fonte: Agência Brasil

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários