Governo Sartori retoma terrorismo com servidores

Governo Sartori retoma terrorismo com servidores

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Passado o carnaval, o governo Sartori/PMDB retoma a política de terrorismo com os servidores públicos e com a população gaúcha. Nesta semana, o governo soltou a informação de que pretende fazer um corte de R$ 1 bilhão no orçamento estadual. Além da reedição do decreto que congela os investimentos no Estado, o governo agora planeja mais um corte no valor de R$ 1 bilhão. As secretarias que contribuirão com o corte ainda não estão definidas, mas, com certeza, os principais prejudicados serão os gaúchos que mais necessitam dos serviços prestados pelo Estado. A “porta-voz oficial” do governo Sartori/PMDB, Rosane Oliveira, já levanta, em sua coluna desta quinta-feira, a possibilidade da não implantação da tabela de subsídios dos servidores da Segurança Pública.

No ano passado, com o intuito de aprovar o aumento dos impostos, o governo Sartori/PMDB e seus aliados vendiam o tarifaço como a única possibilidade de superar a crise financeiro do estado. No entanto, o aumento de impostos foi aprovado e começamos 2016 com queda na arrecadação e com as dificuldades de caixa, de acordo com o governo, ainda maiores do que em 2015. Quando da votação do tarifaço de Sartori/PMDB, a UGEIRM já alertava para a inutilidade da proposta. De acordo com a entidade, um aumento de impostos, em um momento de queda da atividade econômica, só pioraria a arrecadação. Ao invés de atacar os problemas que realmente têm estrangulado as contas públicas, como o pagamento dos juros da dívida pública e a cobrança da dívida ativa dos grandes devedores, que seriam capazes de recuperar a capacidade do Estado em investir na recuperação econômica, o Governo Sartori/PMDB prefere insistir em uma política que já se mostrou equivocada.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

2015 foi um ano catastrófico para as contas públicas

O governo Sartori/PMDB, que passou o ano se dedicando a cortar investimentos em áreas essenciais para os gaúchos, como segurança pública, educação e saúde, foi o responsável por uma queda monstruosa na arrecadação do estado. Para se ter uma ideia, apesar do corte de R$ 2 bilhões nas despesas do estado, o governo arrecadou cerca de R$ 7 bilhões a menos que o previsto no orçamento. O déficit em 2015 foi de R$ 4,9 bilhões.
Esses números mostram que o governo olha para o lado errado. Cortar investimentos do estado em momentos de crise, é aumentar o déficit público. A atuação do estado é fundamental para incrementar a atividade econômica e, dessa forma, aumentar a arrecadação. Indo na direção contrária, o governo Sartori/PMDB reduziu de forma significativa a atuação do Estado. Só para se ter uma ideia, a agricultura que é um dos motores da atividade econômica do RS, teve uma corte de 47% nos investimentos em relação ao orçado para 2015. Várias outras áreas tiveram cortes significativos, como Comércio e Serviços (73%), Habitação (63%) e Indústria (55%).

Mas essa política não é novidade no nosso país. Foi a mesma política que quebrou o estado de Minas Gerais no governo Aécio Neves (PSDB), o Rio de Janeiro no governo Sérgio Cabral (PMDB) e o próprio RS no governo Antônio Britto (PMDB).

Governo levanta a possibilidade de exoneração de concursados

Na sua obsessão em jogar a crise nas costas dos servidores públicos, o governo Sartori levanta, agora, a possibilidade de exoneração de servidores concursados para se enquadrar na Lei de Responsabilidade Fiscal Federal. Ao atingir o limite de gastos com pessoal, o governo aponta suas armas para os serviços prestados à população gaúcha. Levanta a possibilidade de exonerar servidores concursados, deteriorando ainda mais serviços como segurança pública, educação e saúde. De acordo com o presidente da UGEIRM, Isaac Ortiz, “é até vergonhoso o governo Sartori/PMDB levantar essa possibilidade. No momento em que existe um clamor pela contratação de novos policiais para combater a onda de violência que assola o RS, o governo sugere a demissão de servidores. Esse governo ultrapassa todos os limites do bom senso. Certamente não anda nas ruas para ver como a população está acuada pela criminalidade. Para ver como o povo gaúcho sente a falta da presença do poder público e, em particular, da polícia nas ruas”.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários