Governo acelera projeto de terceirização irrestrita no Senado Federal

Governo acelera projeto de terceirização irrestrita no Senado Federal

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

O governo Michel Temer vai apoiar a proposta de terceirização irrestrita, para qualquer tipo de atividade, voltando aos moldes propostos pelo projeto aprovado pela Câmara dos Deputados, no início de 2015, e que está à espera da votação no Senado Federal. A informação foi publicada na edição desta segunda-feira (5) do jornal O Estado de S.Paulo e reproduzida por agências de notícias em todo o país.

Diz o texto: “A reforma trabalhista deve permitir que as convenções coletivas prevaleçam sobre as normas legais. Sob essa premissa, além dos itens que a própria Constituição permite flexibilizar – como jornada de trabalho, banco de horas, redução de salário, participação nos lucros e resultados – outros benefícios, como férias e 13.º salário, adicionais noturno e de insalubridade, salário mínimo, licenças e FGTS, também serão negociados”.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

O Palácio do Planalto quer que o negociado sobre o legislado seja aprovado ainda este ano, concomitantemente ao andamento da reforma da Previdência, pois sabe que esse pequeno dispositivo é a essência de toda a reforma trabalhista, uma vez que acaba com a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Direitos Básicos

O senador Paulo Paim (PT-RS), relator do projeto na comissão especial no Senado, disse à reportagem que vai apresentar um novo texto para garantir os direitos básicos trabalhistas aos 13 milhões de brasileiros que são terceirizados.

“O projeto da Câmara não coloca limite para a terceirização. Dessa forma, não passará aqui no Senado”, afirmou Paim. O senador destacou que disse que visitou todas as capitais brasileiras e que a opinião de que o texto aprovado pelos deputados tem de ser rejeitado foi “unânime”.

A equipe de Temer também quer criar duas novas modalidades de contrato de trabalho: o parcial e o intermitente, com jornada inferior a 44 horas semanais. O salário e os direitos trabalhistas, como férias e 13.º salário, seriam calculados de forma proporcional. A diferença entre os dois contratos é a regularidade com que o trabalho ocorre.

INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários