Governador do Rio Grande do Sul manda sitiar Assembleia Legislativa para aprovar Ajuste Fiscal

Governador do Rio Grande do Sul manda sitiar Assembleia Legislativa para aprovar Ajuste Fiscal

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora

Com a Assembleia Legislativa isolada por um contingente de 250 policiais militares do Batalhão de Operações Especiais (BOE) desde a madrugada de quarta-feira (16/09) e as galerias vazias, os deputados estaduais do Rio Grande do Sul aprovaram na sessão plenária de ontem seis projetos de lei que, entre outras medidas, alteram o regime de Previdência para novos servidores públicos no Rio Grande do Sul e limitam os benefícios ao teto do INSS.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

No dia anterior, uma forte mobilização da sociedade civil contra as medidas de Ajuste Fiscal no estado culminou com a suspensão da sessão plenária.

“Vivemos uma situação de imposição do ajuste no Rio Grande do Sul, com forte aparato militar para impedir o acesso dos servidores, do Povo. Está sendo assim, austeridade para os trabalhadores com retirada de direitos dos servidores e ataque aos serviços públicos à base da força, como vimos na Europa ( Grécia, Espanha, Portugal, Itália), para manter intocados os lucros dos banqueiros beneficiados pelo sistema da dívida que expropria 13% das receitas do Rio Grande do Sul”, afirma Neiva Lazzarotto, da Direção Nacional da Intersindical.

O mais importante projeto do pacote em votação da última quarta-feira foi o novo regime de Previdência foi aprovado por 35 votos contra 5. A nova regra estabelece que, quem quiser receber mais ao se aposentar, deverá contribuir para um fundo específico criado e mantido pelo Estado, ou optar por um plano privado.

Leia também: Em dia histórico, servidores impedem votação de Projetos do Ajuste Fiscal no Rio Grande do Sul

Além de limitar as aposentadorias ao teto do INSS, atualmente em cerca de R$ 4,6 mil, o projeto também impede que os servidores públicos incorporem funções gratificadas no benefício, quando exercidas em outro poder.

Também foram aprovadas a criação de uma Câmara de Conciliação de Precatórios, que terá negociar a negociação entre governo e credores de descontos no valor das dívidas, e a ampliação das funções do corpo voluntários de militares estaduais, que poderão fazer ações de patrulhamento em prédios públicos mediante ressarcimento.

Além disso, a Assembleia também aprovou aumento no Imposto Sobre Doações ou Transmissão Causa Mortis (ITCD), que incide sobre heranças em caso de morte do contribuinte. Com a elevação da alíquota de 4% para 6%, o governo espera arrecadar cerca de R$ 45 milhões a mais por ano.

Mobilização no dia 22/09

As propostas de extinção de duas fundações públicas foram retiradas da pauta porque o governo avaliou que corria o risco de ser derrotado em plenário, segundo Neiva Lazzarotto.

Do lado de fora, centenas de servidores públicos e sindicalistas protestaram contra a restrição de acesso ao plenário da Assembleia.

Na próxima terça-feira (22), quando o governo do Rio Grande do Sul promete quitar a folha de pagamentos de agosto, haverá nova paralisação dos serviços públicos, seguida de uma concentração em frente à sede do governo. Os organizadores do ato esperam reunir 50 mil manifestantes.

Foto: CPERS Sindicato

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários