Sartori faz convocação extraordinária para cassar direitos dos trabalhadores

Sartori faz convocação extraordinária para cassar direitos dos trabalhadores

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Os projetos mais polêmicos e mais ofensivos aos trabalhadores e servidores do Rio Grande do Sul serão apreciados em convocação extraordinária pela Assembleia Legislativa do Estado nestes próximos dias 28, 29 e 30 de dezembro.

O governador do Rio Grande do Sul, Ivo Sartori (PMDB), pretende, entre outras medidas, acabar com a licença-prêmio dos servidores e reduzir o número de funcionários cedidos para sindicatos. Além disso, pretende votar a Lei de Responsabilidade Estadual que congela e reduz o salário dos servidores, a liberação das privatizações por meio das parcerias público-privadas,a venda da folha de pagamento do funcionalismo e a extinção da Fundação de Esporte e Lazer do Rio Grande do Sul (Fundergs).

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Neiva Lazzarotto, da Direção Nacional da Intersindical Central da Classe Trabalhadora, lembra que o “Governo Sartori usa o argumento do desequilíbrio das finanças do Estado, mas não combate a sonegação de impostos, que só em 2015 está chegando a R$ 7 bilhões”. “Ou mais grave, não enfrenta o problema da Dívida com a União, que está na casa dos R$ 50 bilhões – impagável!”.

“Nós, da Intersindical, temos chamado atenção para os ataques do governo Sartori que se repetem pelo país: ataque à eleição direta das Direções de Escolas, ou seja, à gestão democrática; o pagamento do 13° salário em parcelas no segundo semestre de 2016 e a aprovação da Lei de Responsabilidade Fiscal Estadual que reforçará a já existente Lei de Responsabilidade Fiscal – herança de FHC – e permite a demissão de servidores estáveis se houver excesso de gasto com pessoal”, denuncia Lazzarotto.

A Lei de Responsabilidade Fiscal Estadual defendida por Sartori estabelece limites para a concessão de reajustes ao funcionalismo e determina que 75% da receita a mais seja aplicada em investimentos e só 25% em salários.

A sessão extraordinária foi marcada para às 14h desta segunda-feira (28). O governo Sartori diz que a sessão só será encerrada após o parlamento examinar todos os 30 textos. Se os deputados não votarem os projetos até o fim do dia, a reunião prosseguirá na terça-feira e, se necessário, na quarta-feira.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários