Golpistas aprovam urgência na tramitação da reforma trabalhista

Compartilhe

Derrotado na terça-feira (18) à noite, o governo Temer rapidamente se recompôs e aprovou na noite de quarta-feira (19), por 287 votos a 144, o regime de urgência para a tramitação do projeto de lei da reforma trabalhista (PL 6.787/16). Na noite anterior, o plenário havia rejeitado o regime de urgência, pois o pedido obteve o apoio de apenas 230 deputados, quando o necessário seria 257.

Logo depois de anunciar a votação, o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), foi cercado por oposicionistas aos gritos de “golpe, golpe, golpe”.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Com a aprovação do regime de urgência, não será possível pedir vista ou emendar a matéria na comissão especial que analisa o texto substitutivo do deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), que nada mais é do que uma nova redação do projeto, bem mais prejudicial aos trabalhadores.

Emendas

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) anunciou, após a aprovação do requerimento, que o prazo para emendas ao texto da reforma trabalhista ficará aberto até segunda-feira (24) à tarde. A votação na comissão especial, segundo ele, deve ocorrer na terça-feira (25). Já a votação em plenário terá início na quarta-feira (26).

O governo orientou sua bancada de apoio na Câmara a inverter a prioridade e votar a “reforma”  trabalhista antes da “reforma” da Previdência.

A principal mudança nas atuais regras é permitir a chantagem do patronato, uma vez que os acordos coletivos assinados entre empregados e empresas vão se sobrepor às leis, em todas as áreas econômicas e envolvendo todas as categorias profissionais.

Absurdos da proposta

1) permissão de trabalho insalubre para gestantes (a não ser que disponha de laudo médico indicando o contrário)

2) almoço de 30 minutos

3) férias poderão ser divididas em 3 períodos

4) Trabalho intermitente: serão permitidos “contratos móveis”, onde pessoas ficam à disposição do patrão e são remuneradas apenas pelas horas ou dias da semana trabalhados

5) Jornada de 12h por 36h

6) Obstáculos ao acesso à jurisdição trabalhista, com tabelamento de indenizações e segurança jurídica aos patrões

7) Enfraquecimento e eliminação da fonte de custeio das entidades sindicais, com o fim do imposto sindical

8) Fim da obrigação de empregadores pagarem pelo tempo de deslocamento dos funcionários.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Edson Índio, na Conferência Nacional dos Bancários
Edson Índio, na Conferência Nacional dos Bancários
Mané Gabeira, na Conferência Nacional dos Bancários
Mané Gabeira, na Conferência Nacional dos Bancários
Rita Lima, na Abertura dos Congressos dos Bancos Públicos
Rita Lima, na Abertura dos Congressos dos Bancos Públicos
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários