Gilberto Maringoni: imperialismo do mercado exige luta mais sofisticada

Gilberto Maringoni: imperialismo do mercado exige luta mais sofisticada

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

“O impulso imperialista agora se faz pelo mercado e não mais com canhões. A nossa luta tem que ser mais sofisticada”, afirmou Gilberto Maringoni, professor de Relações Internacionais da Universidade Federal do ABC durante o 1° Congresso da Intersindical Central da Classe Trabalhadora.

Maringoni fez questão de pincelar algumas transformações recentes que vêm ocorrendo em países vizinhos, com o avanço da direita conservadora. Citou o governo de Mauricio Macri na Argentina, que já provocou demissões em massa, retrocessos na dívida externa e na regulação dos meios de comunicação de massa e fim de punição de criminosos da ditadura, entre outros pontos.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Na Venezuela, o professor de Relações Internacionais  citou a crise seríssima vivida pelo governo de Nicolás Maduro – com três quintos do parlamento nas mãos da oposição, já em vias de realizar alterações constitucionais profundas- , e um baque econômico provocado pela queda dos preços do petróleo no mercado internacional.

“Em 2007 o preço do barril de petróleo estava em US$ 148, em 2016 está em US$ 32 e o da Venezuela, por ser de baixa qualidade, está a US$ 24 o barril”, explicou Maringoni. Isso se deve a Arábia Saudita, que começou a vender mais para quebrar a concorrência.

“No governo de Hugo Chávez o barril da Venezuela estava a US$ 66, o assessor dele, Rafael Vargas, me disse: está entrando muito dinheiro e nós estamos fazendo a revolução”, relatou.

Maringoni cita como exemplo desta revolução financeira o fato deque Chávez comprou US$ 5,5 bilhões em bônus da dívida pública da Argentina durante o governo de Cristina Kirchner, depois que o país levou adiante o calote da dívida e ficou sem crédito internacional.

“Mesmo em países em que a esquerda foi mais aguerrida, onde a esquerda confrontou o grande capital, na Argentina onde a Cristina conseguiu a estatização da empresa de petróleo, um retrocesso também está acontecendo. Em todos os países da América Latina as manifestações e denúncias de corrupção ocuparam o centro do noticiário. Na Bolívia a ex de Evo Morales estaria envolvida em negócios obscuros…essa manifestação da crise tem levado à queda dos salários, queda dos empregos, queda da atividade econômica, agravada ainda por causa da China que está comprando menos. Crescia a 10% ao ano e agora deve crescer 6%”, disse o professor.

Outra questão destacada foi a  desindustrialização proposital  que o Brasil vem sofrendo  ao longo dos anos. Em 1955, a produção industrial respondia por 14,55% do PIB, em 1985 chegou a 27%, e hoje equivale apenas a 8% do PIB. “Só estamos vendendo commodities, regredimos em posição no mercado internacional”, afirmou.

A nova política imperialista, segundo Maringoni, está mais sofisticada. Macri assim que eleito foi visitar o presidente americano Barack Obama, Dilma refez o programa militar feito com os EUA no governo Geisel e os EUA reataram com Cuba com a perspectiva de fazer investimentos e tentar, por dentro,  pela economia, fazer uma nova política. “O impulso agora se faz pelo mercado”, alertou Maringoni.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários