Fundo anunciado por mineradora para ajudar vítimas da tragédia em Minas Gerais ainda não saiu do papel

Fundo anunciado por mineradora para ajudar vítimas da tragédia em Minas Gerais ainda não saiu do papel

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

O fundo anunciado pela BHP Billiton, Vale e Samarco Mineração para ajuda às vítimas da tragédia de Mariana, na região Central de Minas Gerais, ainda não saiu do papel e muito menos chegou ao contingente de desabrigados. A denúncia foi feita nesta sexta-feira (13), pelo jornal O Tempo.

O prefeito de Mariana, Duarte Junior, garantiu em entrevista ao jornalque não foi informado da iniciativa. O anúncio foi feito pelas empresas há dois dias, para aplacar a fúria da mídia, mas até agora não há nenhum detalhe sobre a proposta.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

O coordenador de desenvolvimento sócio-institucional da Samarco, Estanislau Klein, não soube precisar quando o fundo sairá do papel à reportagem.

O prefeito de Mariana também disse que há sim uma trinca de três metros, visível a olho nu, na barragem de Germano, contrariando os desmentidosda Samarco, que nega haver trincas nesta terceira barragem.

A informação sobre a trinca foi colhida por meio de drones, uma vez que a empresa tem impedido o acesso de pessoas e jornalistas ao local. O boato já circulava pela região há semanas.

Responsáveis

Na quinta-feira (12), a presidente Dilma Rousseff visitou as áreas afetadas, anunciou que a mineradora Samarco será multada em R$ 250 milhões por danos causados pelo rompimento das barragens de Fundão e Santarém, em Mariana, e afirmou que as empresas têm que ser responsabilizadas, criar uma equipe local para arcar com o atendimento emergencial da população, além da busca por soluções mais estáveis para os problemas gerados pelas barragens e pela reconstrução do que foi destruído.

Os cinco pontos que justificam as multas aplicadas até o momento à Samarco: “Causar poluição de rios, provocando danos à saúde humanos, tornar área urbana imprópria para ocupação humana, causar poluição hídrica que leve à interrupção do abastecimento público de água, lançar resíduos em desacordo com os padrões de qualidade exigidos em lei e provocar emissão de efluentes ou carreamento de materiais que provoquem dano à biodiversidade”, disse.

A lama tóxica segue fazendo estragos ao longo do Rio Doce. A previsão é de que toda a sujeira chegue ao mar na segunda-feira (16). Cinco cidades mineiras já estão sem água: Governador Valadares, Periquito, Galiléia, Tumiritinga e Alpercata.

O Rio Doce nasce em Minas Gerais, nas serras da Mantiqueira e do Espinhaço, e atravessa 17 municípios até desaguar em Regência, um distrito de Linhares, no Espírito Santo. Suas águas abastecem dez cidades.

Leia também: Negligência de duas gigantes da mineração varre cidades mineiras e seus moradores

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários