Manifesto do Fórum Sindical, Popular e de Juventudes de Luta pelos Direitos e pelas Liberdades Democráticas

Manifesto do Fórum Sindical, Popular e de Juventudes de Luta pelos Direitos e pelas Liberdades Democráticas

Manifesto do Fórum Sindical, Popular e de Juventudes de Luta pelos Direitos e pelas Liberdades Democráticas

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Diante do agravamento da crise nacional e internacional do capital, as classes dominantes vêm realizando uma ofensiva generalizada contra os direitos, garantias e salários dos(as) trabalhadores(as), pensionistas e  da  juventude,  visando liquidar as conquistas sociais e trabalhistas realizadas ao longo de várias gerações, bem como recrudescer o conservadorismo expresso nos costumes e na vida cotidiana, fatos que se tornaram mais explícitos com as eleições de governos e personalidades de extrema-direita, tanto em nível nacional quanto estadual, bem como no Parlamento. Os ataques aos direitos sociais historicamente conquistados com muita luta, como saúde, educação, previdência social e às liberdades democráticas, têm se intensificado no último período com o anúncio da implementação da agenda neoliberal de forma intensiva, através do desmonte do Estado via privatizações e da ampliação da parceria público-privada em todas as áreas. Nem mesmo setores estratégicos para a autonomia e a independência do país, como aviação, telecomunicações, energia, petróleo e gás, estão sendo poupados. O grande capital e seu governo incrementam o processo de mercantilização e a busca do lucro nas áreas da educação, saúde e previdência social, buscando transformar esses bens sociais em mercadorias, ao mesmo tempo em que praticamente relega a segundo plano o investimento em moradias populares e abandona a reforma agrária.

Aliado a esse pacote de uma agenda liberal de extrema-direita e entreguista, se junta um conjunto de medidas conservadoras que atingem os direitos duramente conquista- dos por mulheres, indígenas, negros e negras, quilombolas e LGBTTi. Medidas que, estando diretamente ligadas aos interesses do capital, de manter subalternizados segmentos majoritários da população como mulheres e negros e negras, contribuem para o rebaixamento dos salários e a intensificação da exploração. Por outro lado, sob o discurso do desenvolvimento, retira direitos das comunidades indígenas e quilombo- las, abrindo ainda mais espaço para a exploração do capital sobre o patrimônio natural. A esse conjunto de medidas, se soma a propagação do ódio, a perseguição política e ideológica, a criminalização dos que lutam e o uso da força como resposta à crise social. Assim, o governo Bolsonaro e seus seguidores imprimem um ritmo de retrocesso ao país, ao mesmo tempo em que vai se evidenciando também seu caráter falacioso no que se refere a temas como o da corrupção, assumido como bandeira prioritária no período eleitoral.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Apesar dos inúmeros ataques, a classe trabalhadora não está passiva. No último período foram inúmeras as ações de resistência e de luta protagonizadas por trabalhadores(as), mulheres, indígenas, quilombolas e negros e negras das periferias do Brasil. A reação e a resistência se expressaram nas ruas, com greves, marchas à Brasília, paralisações, atos e manifestações que demonstram o potencial de mobilização de nossa classe, no campo e na cidade.

Diante dessa conjuntura avaliamos que seja necessária a busca da construção da mais ampla unidade de nossa classe e todas as suas organizações pra lutar contra os ataques. Nesse marco, e a serviço desse objetivo, estamos criando o Fórum Sindical, Popular e de Juventudes, por direitos e liberdades democráticas, que reúne entidades, movimentos e organizações políticas da cidade e do campo visando combater os retrocessos em curso e lutar pelos direitos sociais, conforme segue nos eixos abaixo:

  • Defesa dos direitos trabalhistas e contra o fim do Ministério do Trabalho;
  • Defesa da Previdência Pública e universal. Contra a Reforma da Previdência;
  • Defesa da Educação e da Saúde Públicas, gratuitas e de qualidade;
  • Defesa da política de igualdade racial, de gênero e respeito às diversidades sexuais;
  • Defesa das Liberdades Democráticas;
  • Defesa de Reforma Urbana e Agrária;
  • Contra a criminalização dos movimentos sociais;
  • Pela revogação da EC/95;
  • Em defesa do emprego, salário e moradia;
  • Em defesa do setor público estatal e contra as privatizações;
  • Pela liberdade de ensinar e de aprender, em defesa da autonomia das instituições de ensino públicas.

Agora é a hora de construirmos unidade de ação para combater os retrocessos e garantir direitos e avançar na construção de um poderoso movimento de massas para realizar as transformações sociais que o Brasil necessita. Nosso foco central deve estar na construção de ações unitárias, articulado de forma ampla a diferentes setores da classe trabalhadora, da juventude e do povo pobre das periferias, atuando em dois movimentos simultâneos.

O primeiro no sentido de incidir junto ao movimento sindical e movimentos populares e da juventude, como a Plenária Nacional das Centrais Sindicais e em outros espaços que se constituam nacionalmente com plataforma semelhante, contribuindo para o fortalecimento da luta em unidade de ação em âmbito nacional e também nos estados. Ao mesmo tempo, o Fórum Sindical, Popular e de Juventudes, por direitos e liberdades democráticas terá como tarefa se constituir como espaço unitário que aglutine entidades, movimentos e organizações na construção de uma agenda classista e independente, sendo esse, uma das expressões do processo de reorganização da classe trabalhadora brasileira.

Por isso conclamamos as entidades e organizações dos(as) trabalhadores(as) e da juventude do campo e da cidade e dos movimentos populares, a construir o FÓRUM SINDICAL, POPULAR E DE JUVENTUDES, POR DIREITOS E LIBERDADES DEMOCRÁTICAS.

Nenhum direito a menos!

Pelas transformações sociais e econômicas!

Em defesa dos direitos e das liberdades democráticas!

Construir a GREVE GERAL para derrotar a Contrarreforma da Previdência!

FÓRUM SINDICAL, POPULAR E DE JUVENTUDES, POR DIREITOS E LIBERDADES DEMOCRÁTICAS

CLIQUE E ACOMPANHE A INTERSINDICAL NAS REDES

 

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários