Fórum de trabalhadores promove ato por memória, justiça e reparação

Fórum de trabalhadores promove ato por memória, justiça e reparação

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Fórum de Trabalhadores por Verdade, Justiça e Reparação

Há cerca de alguns anos, a criação e a atuação da Comissão Nacional da Verdade e das Comissões Estaduais e Municipais fomentou um espaço político de aglutinação entre diversos setores da sociedade brasileira e de movimentos sociais prioritariamente em torno da luta por memória e verdade.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Os trabalhos das Comissões foram responsáveis pelo levantamento de dados, arquivos e registros nunca antes levados a público, pelas sistematizações de informações antes dispersas e fragmentadas, e por um desenho muito mais nítido dos processos constituídos durante a ditadura civil-militar.

Mesmo após a extinção de algumas dessas Comissões, entre elas, a própria Comissão Nacional da Verdade, persiste a organização da classe trabalhadora e dos movimentos sociais na caminhada da luta por memória e verdade. Algumas das Comissões da Verdade permanecem em atividade, mas não é claro o encaminhamento aos trabalhos e dos materiais por elas feitos quando do momento da sua finalização, sendo este um outro ponto de dúvida que precisa de proposições nesse campo.

É inegável o fato de que houve um avanço qualitativo no sentido dessas duas bandeiras após anos de trabalho. Ocorre que a justiça e a reparação ainda são duas palavras de ordem frágeis do ponto de vista da pressão política sobre as instituições. A CNV inseriu, diante dessa preocupação, como recomendação geral na conclusão dos trabalhos, a partir do consenso entre os diversos setores que a compuseram, a criação de um organismo permanente que desse continuidade à pesquisa e à apuração das denúncias de graves violações de direitos humanos relacionadas ao período.

A apuração da responsabilidade de setores empresariais na repressão à classe trabalhadora durante a ditadura, a criação de um organismo que possa dar continuidade aos trabalhos impulsionados pela CNV, a elaboração de políticas públicas que tragam à tona a preocupação com a memória e seu sentido educativo, são apenas algumas das ideias que foram traduzidas como recomendações dos movimentos sociais e da própria CNV que ainda parecem distantes de se tornarem realidade.

OBJETIVO DO ATO

É diante desse desafio que o Fórum de Trabalhadores e Trabalhadoras por Verdade, Justiça e Reparação se lança na iniciativa de promover um ato público no dia 11 de junho de 2015, que aglutine movimentos, entidades, comitês, centrais sindicais e sindicatos que tenham participado dos trabalhos feitos no Brasil sobre memória, verdade, justiça e reparação e demais setores em movimento que possam se somar a essa luta.

O objetivo central é expor que a conjuntura nacional atual ainda tem heranças significativas do contexto de ataques que a classe trabalhadora sofreu ao longo do período ditatorial. Para resistir a essas ofensivas, é necessário constituir uma consciência coletiva dos lutadores a respeito do processo histórico da luta de classes das últimas décadas. Isso não significa apenas expor e disseminar publicamente informações sobre os episódios de violações aos direitos dos trabalhadores e de demais setores que ocorrem durante o regime, mas de apontar e imputar quem foi responsável por essas violações e está em plena atuação até nos dias “democráticos” de hoje sem pagar pelos próprios feitos.

Nesse sentido, é urgente a unificação em torno da bandeira pela criação de um órgão público, com participação efetiva dos movimentos sociais e das entidades da classe trabalhadora, que dê continuidade aos trabalhos iniciados em comissões e comitês da verdade e sirva como suporte para o avanço dessa batalha, de modo que a justiça e a reparação sejam desafios concretos, inseridos nas agendas de governos, do Judiciário, do Ministério Público e demais entes, responsáveis por decretar oficialmente o conhecimento dos violadores de direitos do passado e a punição destes mesmos no nosso presente.

Sabemos que as Comissões se tornaram polos aglutinadores de movimentos com variadas demandas – muitas vezes fragmentadas entre si. Por isso, o ato público tem o intuito de unificar as bandeiras que orbitam nos temas da justiça e da reparação, encaradas aqui como próximos passos dos trabalhos iniciados, a fim de que haja a criação de políticas com essa inspiração.

Serviço:

Ato público por memória, justiça e reparação

11 de junho, às 9h, no Arquivo Histórico de São Paulo (Praça Coronel Fernando Prestes, 152 – Estação Tiradentes do Metrô)

divulga_fb

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários