Fortaleza: matéria de plano de cargos, carreiras e salários começa a ser votada na Câmara Municipal

Fortaleza: matéria de plano de cargos, carreiras e salários começa a ser votada na Câmara Municipal

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Com divergência nas categorias dos agentes comunitários de saúde e agentes de combate às endemias, começa a tramitar hoje, na Câmara Municipal de Fortaleza, o projeto de lei complementar que institui o Plano de Cargos, Carreiras e Salários de Fortaleza para as categorias, enviado pelo prefeito Roberto Cláudio. A matéria deve ser enviada para análise da Comissão Conjunta de Constituição e Orçamento.

Desde 2014, agentes pressionam para validação do piso salarial nacional de R$ 1.014, sancionado por Dilma Rousseff. A medida aponta que, além da implantação do PCCS com piso, será feita a incorporação ao vencimento base da Indenização de Campo e a manutenção das demais vantagens atualização do Piso salarial, e com a implantação do Plano, o valor da primeira referência, será reajustado anualmente na mesma data e pelo mesmo índice de revisão geral dos servidores públicos do Município de Fortaleza.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

A proposta salienta que a Lei Federal n° 12.994/2014, além de fixar o referido piso salarial, deu determinações como a obrigatoriedade da União custear o equivalente a 95% do valor fixado para o piso, autorizando-lhe a regulamentar a citada Lei, bem como estabelecer um número máximo de Agentes Comunitários de Saúde (ACS) e os Agentes de Combate às Endemias (ACE).

No documento, o prefeito explica que a regulamentação não colaborou com a ausência de recursos financeiros necessários para a cobertura do custo com a implantação do piso, como no caso da contratação dos agentes que foi autorizado para apenas 911 quando o município já possui 1.524. Segundo o texto, o custo de cada agente para o Município é superior a R$ 1.700. “Deve-se ressaltar, por oportuno, que não obstante o piso salarial ter sido fixado em R$ 1.014,00 e a Lei Federal n° 12.994/2014 determinar que o repasse da União, nos limites anteriormente expostos, equivale a 95% desse valor por agente, ou seja, R$ 963,30, o custo de cada Agente de Combate às Endemias para o Município equivale à R$ 1.738,35 atualmente, sem levar em consideração os impactos decorrentes da implantação do Plano de Cargos, Carreiras e Salários”, destaca.

Em reunião na manhã de ontem, o presidente Salmito Filho (PDT) e os vereadores Didi Mangueira (PDT), Eulógio Neto (PSC) e Ronivaldo Maia (PT) apontaram não ser possível acolher a reivindicação dos representantes do Sindicato dos Servidores de Fortaleza que não aceitam que a Indenização de Campo seja incorporada ao vencimento base da categoria.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários