fbpx

FGTS passa ser usado como garantia de dívida para trabalhadores tomarem empréstimos

Mais uma medida para beneficiar os rentistas acaba de ser publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira (15): a Lei 13.313, que autoriza o trabalhador do setor privado a usar o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) como garantia ao tomar empréstimo consignado.

Além de criar uma nova opção para o consumidor se endividar, a mudança compromete parte do valor de uma reserva financeira importante para quando o trabalhador for comprar um imóvel ou para se manter em caso de desemprego.

Em entrevista para a revista Exame, Ione Amorim, economista do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), diz que a medida só beneficia os rentistas. “Não traz nenhum benefício imediato ao trabalhador, pois o saldo do FGTS já é um direito dele. Por que pagar juros para utilizar algo que já lhe pertence?”, questiona.

“Uma pessoa que tenha R$ 100 mil de saldo do FGTS poderá comprometer até R$ 10 mil em um consignado, como garantia. Se precisar fazer um financiamento de imóvel enquanto paga a dívida do consignado, só poderá utilizar R$ 90 mil para abater o valor do bem. E, se ela perder o emprego no meio do caminho, toda a multa rescisória poderá ficar com o banco, ou seja, ela terá pouco dinheiro para se sustentar em um momento difícil”, enfatiza Ione.

A economista lembra que o número de desempregados no Brasil chegou a 11,4 milhões de pessoas em abril deste ano, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). “É uma cidade de São Paulo inteira, e pode crescer mais”, diz.

Tramitação acelerada

Na última quarta-feira (13), o plenário do Senado aprovou a Medida Provisória 719, que permite que trabalhadores do setor privado contratem crédito consignado utilizando até 10% do saldo do FGTS como garantia.

O texto que virou lei permite a contratação de empréstimo dando como garantia até 100% do valor da multa rescisória, no caso de dispensa sem justa causa.

As taxas de juros médias do crédito consignado estão entre 25% e 30% ao ano no setor público e para os aposentados. No setor privado, no entanto, por causa da alta rotatividade, as taxas estão em torno de 41%.

Além disso, o baixo nível de educação financeira dos brasileiros torna perigosa a possibilidade de utilização de parte do FGTS como garantia de crédito consignado.

ACHOU ESSA INFORMAÇÃO IMPORTANTE?Inscreva-se para receber nossas atualizações em seu e-mail

*

Top