Ex-presidente da UDR é condenado a 34 anos de prisão no Paraná

Ex-presidente da UDR é condenado a 34 anos de prisão no Paraná

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Saiba mais:
→ Julgado pela segunda vez, Marcos Prochet é condenado a mais de 15 anos de prisão


Alessandro Meneghel foi apresentado pela promotoria do julgamento como um homem impulsivo e com grande histórico policial.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Desde a última terça-feira (21) se desenrolou no Tribunal do Júri em Curitiba, Paraná, o julgamento do ruralista Alessandro Meneghel, acusado de ter matado o Policial Federal Alexandre Drummond, em 2012. A sessão terminou na madrugada desta quinta-feira (23).

O ruralista foi condenado a 34 anos e seis meses de reclusão pelo assassinato de Alexandre em frente a uma casa noturna de Cascavel, região Oeste do estado. Testemunhas contaram que o Policial Federal foi morto por vários disparos de arma de fogo.

A defesa de Meneghel se utilizou do argumento de que ele havia agido em legítima defesa, porém a câmera de segurança, que ficava em frente a boate, mostra os momentos dos disparos e desqualificou o álibi do réu.

Histórico de violência

Alessandro Meneghel foi apresentado pela promotoria do julgamento como um homem impulsivo e com grande histórico no setor policial.

Em 2006, ele liderou um grupo de fazendeiros para trancar a BR 277, onde integrantes do MST participavam de uma marcha. Ao final da ação, cerca de 10 trabalhadores ficaram feridos, inclusive o Keno, que foi agredido com pedaços de pau.

As lideranças do MST e da Via Campesina na região vinham sendo ameaçadas de morte constantemente. Em março de 2007, uma pessoa telefonou anonimamente (fato registrado em boletim de ocorrência) à secretaria do MST em Cascavel, afirmando que “era para eles, do movimento, tomarem cuidado, principalmente o Valmir Mota de Oliveira (Keno), porque a UDR (União Democrática Rualista) estava preparando uma armadilha”.

Em 2007, um grupo de ruralistas da região oeste do Paraná liderados por Alessandro Meneghel, criou o Movimento dos Produtores Rurais (MPR). De acordo com várias declarações à imprensa, o MPR teria o objetivo de articular e financiar milícias privadas contra os trabalhadores rurais Sem Terra e promover ações de despejo em áreas ocupadas pelos trabalhadores.

Em outubro, deste mesmo ano, na ocupação da Syngenta, um grupo de seguranças identificados como NF, invadiram a guarita da fazenda alvejando vários disparos de arma de fogo contra integrantes do MST, assassinando o trabalhador rural Valmir Mota de Oliveira, o Keno.

Fonte: Página do MST / Geani Paula e editado por Rafael Soriano

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários