Estatuto das Estatais pode ser votado nesta terça-feira (21) pelo Senado

Estatuto das Estatais pode ser votado nesta terça-feira (21) pelo Senado

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

O Projeto de Lei (PL) 4.918/16, conhecido como Estatuto das Estatais, pode ser inserido na pauta de votações desta terça-feira (21) no plenário do Senado.

Na semana passada a Câmara dos Deputados aprovou o texto com modificações. Agora, caberá aos senadores decidirem se acatam o projeto todo ou em partes, sem modificações, explica Maria Rita Serrano, coordenadora do Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas e diretora do Sindibancários/ES.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Os avanços obtidos na Câmara referendam algumas modificações já conquistadas no Senado, como a retirada da obrigatoriedade das empresas públicas se tornarem sociedades anônimas; fim da exigência das estatais não terem mais ações preferenciais; e a determinação de que o Estatuto das Estatais só será obrigatório para empresas que tenham mais de R$ 90 milhões de receita operacional bruta (o que deixa de fora a maioria das estatais, com menor porte). Também foi ampliado de 10 para 20 anos o prazo para que sejam colocadas à venda 25% das ações das empresas de sociedade mista.

No caso das restrições para participação nos conselhos das empresas, a determinação de que no mínimo 25% dos membros do conselho de administração das estatais sejam independentes foi reduzida para 20% e, dentro dessa porcentagem, devem estar os representantes dos trabalhadores e acionistas.

Pontos negativos

Entre os pontos negativos do texto final do PL 4918 encaminhado para o Senado (e que voltará com o nome original de PLS 555) está a inclusão da possibilidade de profissionais liberais ocuparem cargos nos conselhos, o que abre margem para a entrada de profissionais do mercado.

Já a mudança no projeto que modifica as regras para a nomeação de representantes sindicais e de partidos, não sendo mais necessário o período de três anos de afastamento, mas apenas um dia até a nomeação, deve ser encarada como uma conquista parcial, de acordo com Rita Lima, “pois facilita o acesso, mas continua impedindo as livres atividades partidárias e sindicais garantidas pela Constituição de 1988”.

Leia mais:
→ Câmara aprova projeto 4918/16, que muda as regras para nomear dirigentes de estatais

Foto: Dida Sampaio

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

PEC 32 da REFORMA ADMINISTRATIVA é adiada, vitória dos trabalhadores
PEC 32 da REFORMA ADMINISTRATIVA é adiada, vitória dos trabalhadores
PEC 32 e o Desmonte do Serviço Público
PEC 32 e o Desmonte do Serviço Público
Intersindical contra a PEC 32 em Brasília
Intersindical contra a PEC 32 em Brasília
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários