Estatais são lucrativas. Por que Bolsonaro quer vendê-las?

Estatais são lucrativas. Por que Bolsonaro quer vendê-las?

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

As estatais foram criadas para prestar um serviço à nação. Mesmo assim tiveram, em 2019, um lucro recorde de R$ 109,1 bilhões, um aumento de 53% em relação ao ano anterior. Então, por que o governo Bolsonaro está tão interessado em desmontar e privatizar as empresas públicas, como o Banco do Brasil, a Caixa Econômica Federal, a Petrobras e a Eletrobras?

As estatais foram criadas para atender às necessidades da população e ajudar a desenvolver social e economicamente o país e não com o objetivo de lucrar, mas prestar um serviço à nação. Mesmo assim, estas empresas dão lucro. Muito lucro. Então, se é assim, por que o governo Bolsonaro está tão interessado em desmontar e privatizar as empresas públicas, como o Banco do Brasil, a Caixa Econômica Federal, a Petrobras e a Eletrobras?

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail em nossa newsletter.

A resposta é simples: quer vendê-las para que o lucro passe para o setor privado nacional e estrangeiro. Ou seja, com o apoio da imprensa empresarial, o governo mente ao dizer que as estatais desequilibram as contas públicas porque são deficitárias, gerando um rombo bilionário que tem que ser coberto pelo Tesouro Nacional. E que, então, é preciso privatizá-las para reduzir gastos.

O que acontece é exatamente o contrário. Segundo os dados da 13ª edição do Boletim das Empresas Estatais Federais, publicado pelo Ministério da Economia em 9 de julho de 2020, as estatais tiveram, em 2019, um lucro recorde de R$ 109, 1 bilhões, um aumento de 53% em relação ao ano anterior. Foi o melhor resultado desde 2008. Do total de mais de 200 empresas, apenas 16 apresentaram prejuízo: R$ 1,9 bilhão, em 2019.

O Secretário de Coordenação e Governança das Empresas Estatais, Amaro Gomes, avaliou o resultado, puxado pelo lucro líquido de R$ 59 bilhões do setor financeiro (BB, CEF, BNDES entre outros), como evolutivo. “No setor produtivo o lucro foi de R$ 51,9 bi e o destaque nesse setor é a Petrobras”, observou.

Ou seja, vender estas empresas é um grande negócio apenas para os compradores, já que se desfazer deste patrimônio descapitaliza o Tesouro e a União, ajudando a desequilibrar as contas públicas e reduzir a capacidade de investimentos do Estado, gerando prejuízos econômicos e sociais para todo o país. Com as privatizações o Brasil deixa de contar com empresas importantes para a retomada do crescimento econômico e geração de empregos, agravando a crise econômica e social.

Estatais ajudam a equilibrar as contas 

Ainda segundo o Boletim das Empresas Estatais Federais do Ministério da Economia, o número de empresas públicas caiu, com as privatizações, de 209, em 2018, para 200 no fim de 2019. A diferença se deve a empresas incorporadas ou vendidas pela Eletrobras e pela Petrobras. O número de estatais controladas diretamente, no entanto, ficou no mesmo patamar, de 46 empresas.

O valor das participações da União nas 46 empresas com controle direto cresceu 29% entre 2018 e 2019, passando de R$ 318 bilhões para R$ 410 bilhões. De acordo com o Tesouro, Banco do Brasil, BNDES, Caixa, Eletrobras e Petrobras responderam, juntas, por cerca de 86% desse valor. Todas apresentaram crescimento de patrimônio no ano passado e também registraram os maiores lucros líquidos em 2019, lideradas pela Petrobras (R$ 40,1 bilhões).

Como são altamente lucrativas, as estatais, ao contrário de prejuízo, geram uma grande massa de recursos para o Tesouro Nacional, ajudando no equilíbrio das contas públicas. Só em 2019, a União arrecadou cerca de R$ 20,9 bilhões em dividendos e juros sobre o capital próprio, o que representa quase três vezes o valor recebido dessas receitas em 2018 (R$ 7,7 bilhões).

Esse montante é o maior volume de receitas desde 2012. É explicado por um melhor desempenho das empresas estatais no último ano. E são justamente as que mais colaboraram para o resultado que vêm sendo submetidas a processos criminosos de desmonte, com demissões e fechamentos de setores ou a sua privatização, para serem entregues ao capital privado: Banco do Brasil, BNDES, Caixa Econômica Federal e Petrobras responderam, juntas, por 92% desse total.

Fonte: Sindicato dos Bancários de Santos e Região

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail em nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários