Estaleiro Eisa Ilha fecha as portas e demite 3 mil trabalhadores

Estaleiro Eisa Ilha fecha as portas e demite 3 mil trabalhadores

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora

Os cerca de três mil funcionários do Estaleiro Eisa, na Ilha do Governador, foram surpreendidos nesta segunda-feira (14) com os portões da empresa lacrados e uma carta de demissão ao chegarem ao local de trabalho.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

A empresa do megaempresário German Efromovich justifica que o corte de pessoal é consequência dos impactos da recessão econômica e da Lava-Jato “que paralisou as atividades da indústria naval e de offshore”.

Em julho deste ano, o Estaleiro Mauá, também de propriedade de German Efromovich, demitiu 3,3 mil funcionários e fechou as portas. Até hoje os trabalhadores não receberam suas indenizações e rescisões contratuais. A empresa alega não ter recursos financeiros para honrar o compromisso com os trabalhadores.

“Nestes cinco meses sem receber teve trabalhador que se suicidou, se separou da mulher, foi preso por não pagar pensão alimentícia e que perdeu a casa, só desgraça acontecendo, enquanto o German Efromovich, que já é dono da Avianca, alegava não ter dinheiro, mas tentava comprar a TAP de Portugal”, relata José Batista Júnior, dirigente sindical da categoria e da Intersindical Central da Classe Trabalhadora, conhecido como Júnior Metalúrgico.

Indignados, os metalúrgicos do Eisa Ilha caminharam em uma manifestação até o Aeroporto Galeão. Nesta terça-feira (15) também houve protesto nos balcões da Avianca contra o calote de German Efromovich sobre os trabalhadores demitidos.

Os metalúrgicos do Eisa Ilha se reúnem hoje às 15h para discutir as rescisões. Os demitidos podem ficar sem receber direitos como 13° salário, multa e férias, além do reajuste salarial de 9,8%, que é retroativo ao mês de outubro e ainda não foi pago. “Essa história de demissão e calote já aconteceu no Eisa Petro Um, lamentavelmente o mesmo deve se repetir no Eisa Ilha”, denuncia Júnior Metalúrgico.

Saiba mais:
German não paga trabalhadores do Estaleiro Mauá, mas quis investir 250 milhões de euros em empresa aérea
Junior Metalúrgico denuncia situação dos trabalhadores no Estaleiro Mauá
Diante de calote e demissões, trabalhadores ocupam Estaleiro Mauá
Estaleiro Mauá demite milhares de funcionários e ameaça fechar as portas

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários