Eneida Koury: Novo feminismo deve ser um feminismo classista

Eneida Koury: Novo feminismo deve ser um feminismo classista

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Eneida Koury, primeira mulher eleita a ocupar a presidência do Sindicato dos Bancários de Santos e Região, destacou durante o 1° Encontro de Mulheres da Intersindical na noite de quinta-feira (17), em São Paulo, o papel estratégico da Intersindical Central da Classe Trabalhadora no atual contexto político e a urgência do feminismo classista.

“Quis a história nos colocar o desafio de fazer nosso 1º congresso num momento tão singular no qual vive o nosso país, que nos chama a uma atitude responsável e nos chama à maturidade. Se tudo o que tá aí não presta porque está podre, e há ligação entre partido, governo e patrão, esse é o nosso diferencial: ser independente de partidos políticos e de patrões. As mulheres da Intersindical não têm medo da luta!”, destacou Eneida.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

“A Intersindical nasce sob esse novo signo, como importante referência de luta classista, democrática e independente. Nós sabemos que o capitalismo se vale da opressão para se expressar e é por isso que hoje vivemos tantos projetos de lei com avanços conservadores”, afirmou ela.

Entre os exemplos citados, Eneida Koury destacou o PL 4330, da terceirização, “que precariza e terceiriza todos os trabalhadores e trabalhadoras, e nós sabemos, que vai afetar mais as trabalhadoras”, e a reforma da Previdência, “que  iguala a idade de aposentadoria e homens e mulheres embora todos saibam que a mulher exerce dupla jornada ou tripla e ainda cuida de doentes e idosos”.

“As mulheres negras são as que mais perdem direitos, por isso nosso novo feminismo deve ser um feminismo classista, porque todas nós somos trabalhadoras e sem o feminismo que combate as opressões não vamos pôr fim ao capitalismo e a essa era de opressões”, explicou Eneida.

Quase 47% do que o governo arrecada vão para o pagamento da dívida pública com os banqueiros. “Nisso eles não mexem. Agora os bancos tiveram lucros em 30% em plena crise, mas isso não é debatido. Fala-se apenas em corte dos programas sociais e o povo tem que pagar pela crise. A taxa de juros exorbitante tira a possibilidade de vida das nossas famílias para dar para os rentistas e agora a reforma da Previdência vem sendo levada pela elite para nos explorar, não podemos aceitar!”.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários