Em tese de doutorado, pesquisadora denuncia a farsa da crise da Previdência Social no Brasil forjada pelo governo com apoio da imprensa

Em tese de doutorado, pesquisadora denuncia a farsa da crise da Previdência Social no Brasil forjada pelo governo com apoio da imprensa

Denise Gentil-deficit da previdência

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Com argumentos insofismáveis, Denise Gentil destroça os mitos oficiais que encobrem a realidade da Previdência Social no Brasil. Em primeiro lugar, uma gigantesca farsa contábil transforma em déficit o superávit do sistema previdenciário, que atingiu a cifra de R$ 1,2 bilhões em 2006, segundo a economista.

O superávit da Seguridade Social – que abrange a Saúde, a Assistência Social e a Previdência – foi significativamente maior: R$ 72,2 bilhões. No entanto, boa parte desse excedente vem sendo desviada para cobrir outras despesas, especialmente de ordem financeira – condena a professora e pesquisadora do Instituto de Economia da UFRJ, pelo qual concluiu sua tese de doutorado “A falsa crise da Seguridade Social no Brasil: uma análise financeira do período 1990 – 2005” (clique e leia a tese na íntegra – livre de vírus).

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Nesta entrevista ao Jornal da UFRJ, ela ainda explica por que considera insuficiente o novo cálculo para o sistema proposto pelo governo e mostra que, subjacente ao debate sobre a Previdência Social, se desenrola um combate entre concepções distintas de desenvolvimento econômico-social.

Jornal da UFRJ: A ideia de crise do sistema previdenciário faz parte do pensamento econômico hegemônico desde as últimas décadas do século passado. Como essa concepção se difundiu e quais as suas origens?

Denise Gentil: A ideia de falência dos sistemas previdenciários públicos e os ataques às instituições do welfarestate (Estado de Bem- Estar Social) tornaram-se dominantes em meados dos anos 1970 e foram reforçadas com a crise econômica dos anos 1980. O pensamento liberal-conservador ganhou terreno no meio político e no meio acadêmico. A questão central para as sociedades ocidentais deixou de ser o desenvolvimento econômico e a distribuição da renda, proporcionados pela intervenção do Estado, para se converter no combate à inflação e na defesa da ampla soberania dos mercados e dos interesses individuais sobre os interesses coletivos. Um sistema de seguridade social que fosse universal, solidário e baseado em princípios redistributivistas conflitava com essa nova visão de mundo. O principal argumento para modificar a arquitetura dos sistemas estatais de proteção social, construídos num período de crescimento do pós-guerra, foi o dos custos crescentes dos sistemas previdenciários, os quais decorreriam, principalmente, de uma dramática trajetória demográfica de envelhecimento da população. A partir de então, um problema que é puramente de origem sócio-econômica foi reduzido a um mero problema demográfico, diante do qual não há solução possível a não ser o corte de direitos, redução do valor dos benefícios e elevação de impostos. Essas idéias foram amplamente difundidas para a periferia do capitalismo e reformas privatizantes foram implantadas em vários países da América Latina.

Jornal da UFRJ: No Brasil, a concepção de crise financeira da Previdência Social vem sendo propagada insistentemente há mais de 15 anos. Os dados que você levantou em suas pesquisas contradizem as estatísticas do governo. Primeiramente, explique o artifício contábil que distorce os cálculos oficiais.

Denise Gentil: Tenho defendido a idéia de que o cálculo do déficit previdenciário não está correto, porque não se baseia nos preceitos da Constituição Federal de 1988, que estabelece o arcabouço jurídico do sistema de Seguridade Social. O cálculo do resultado previdenciário leva em consideração apenas a receita de contribuição ao Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) que incide sobre a folha de pagamento, diminuindo dessa receita o valor dos benefícios pagos aos trabalhadores. O resultado dá em déficit. Essa, no entanto, é uma equação simplificadora da questão. Há outras fontes de receita da Previdência que não são computadas nesse cálculo, como a Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social), a CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido), a CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira) e a receita de concursos de prognósticos. Isso está expressamente garantido no artigo 195 da Constituição e acintosamente não é levado em consideração.

Jornal da UFRJ: A que números você chegou em sua pesquisa?

Denise Gentil: Fiz um levantamento da situação financeira do período 1990-2006. De acordo com o fluxo de caixa do INSS, há superávit operacional ao longo de vários anos. Em 2006, para citar o ano mais recente, esse superávit foi de R$ 1,2 bilhões.

O superávit da Seguridade Social, que abrange o conjunto da Saúde, da Assistência Social e da Previdência, é muito maior. Em 2006, o excedente de recursos do orçamento da Seguridade alcançou a cifra de R$ 72,2 bilhões.

Uma parte desses recursos, cerca de R$ 38 bilhões, foi desvinculada da Seguridade para além do limite de 20% permitido pela DRU (Desvinculação das Receitas da União).

Há um grande excedente de recursos no orçamento da Seguridade Social que é desviado para outros gastos. Esse tema é polêmico e tem sido muito debatido ultimamente. Há uma vertente, a mais veiculada na mídia, de interpretação desses dados que ignora a existência de um orçamento da Seguridade Social e trata o orçamento público como uma equação que envolve apenas receita, despesa e superávit primário. Não haveria, assim, a menor diferença se os recursos do superávit vêm do orçamento da Seguridade Social ou de outra fonte qualquer do orçamento.

Interessa apenas o resultado fiscal, isto é, o quanto foi economizado para pagar despesas financeiras com juros e amortização da dívida pública.

Por isso o debate torna-se acirrado. De um lado, estão os que advogam a redução dos gastos financeiros, via redução mais acelerada da taxa de juros, para liberar recursos para a realização do investimento público necessário ao crescimento. Do outro, estão os defensores do corte lento e milimétrico da taxa de juros e de reformas para reduzir gastos com benefícios previdenciários e assistenciais. Na verdade, o que está em debate são as diferentes visões de sociedade, de desenvolvimento econômico e de valores sociais.

Jornal da UFRJ: Há uma confusão entre as noções de Previdência Social e de Seguridade Social que dificulta a compreensão dessa questão. Isso é proposital?

Denise Gentil: Há uma grande dose de desconhecimento no debate, mas há também os que propositadamente buscam a interpretação mais conveniente. A Previdência é parte integrante do sistema mais amplo de Seguridade Social.

É parte fundamental do sistema de proteção social erguido pela Constituição de 1988, um dos maiores avanços na conquista da cidadania, ao dar à população acesso a serviços públicos essenciais. Esse conjunto de políticas sociais se transformou no mais importante esforço de construção de uma sociedade menos desigual, associado à política de elevação do salário mínimo. A visão dominante do debate dos dias de hoje, entretanto, frequentemente isola a Previdência Social do conjunto das políticas sociais, reduzindo-a a um problema fiscal localizado cujo suposto déficit desestabiliza o orçamento geral. Conforme argumentei antes, esse déficit não existe, contabilmente é uma farsa ou, no mínimo, um erro de interpretação dos dispositivos constitucionais.

Entretanto, ainda que tal déficit existisse, a sociedade, através do Estado, decidiu amparar as pessoas na velhice, no desemprego, na doença, na invalidez por acidente de trabalho, na maternidade, enfim, cabe ao Estado proteger aqueles que estão inviabilizados, definitiva ou temporariamente, para o trabalho e que perdem a possibilidade de obter renda. São direitos conferidos aos cidadãos de uma sociedade mais evoluída, que entendeu que o mercado excluirá a todos nessas circunstâncias.

Jornal da UFRJ: E são recursos que retornam para a economia?

Denise Gentil: É da mais alta relevância entender que a Previdência é muito mais que uma transferência de renda a necessitados. Ela é um gasto autônomo, quer dizer, é uma transferência que se converte integralmente em consumo de alimentos, de serviços, de produtos essenciais e que, portanto, retorna das mãos dos beneficiários para o mercado, dinamizando a produção, estimulando o emprego e multiplicando a renda. Os benefícios previdenciários têm um papel importantíssimo para alavancar a economia. O baixo crescimento econômico de menos de 3% do PIB (Produto Interno Bruto), do ano de 2006, seria ainda menor se não fossem as exportações e os gastos do governo, principalmente com Previdência Social, que isoladamente representa quase 8% do PIB.

Jornal da UFRJ: De acordo com a Constituição, quais são exatamente as fontes que devem financiar a Seguridade Social?

Denise Gentil: A seguridade é financiada por contribuições ao INSS de trabalhadores empregados, autônomos e dos empregadores; pela Cofins, que incide sobre o faturamento das empresas; pela CSLL, pela CPMF (que ficou conhecida como o imposto sobre o cheque) e pela receita de loterias. O sistema de seguridade possui uma diversificada fonte de financiamento. É exatamente por isso que se tornou um sistema financeiramente sustentável, inclusive nos momentos de baixo crescimento, porque além da massa salarial, o lucro e o faturamento são também fontes de arrecadação de receitas. Com isso, o sistema se tornou menos vulnerável ao ciclo econômico. Por outro lado, a diversificação de receitas, com a inclusão da taxação do lucro e do faturamento, permitiu maior progressividade na tributação, transferindo renda de pessoas com mais alto poder aquisitivo para as de menor.

Jornal da UFRJ: Além dessas contribuições, o governo pode lançar mão do orçamento da União para cobrir necessidades da Seguridade Social?

Denise Gentil: É exatamente isso que diz a Constituição. As contribuições sociais não são a única fonte de custeio da Seguridade. Se for necessário, os recursos também virão de dotações orçamentárias da União. Ironicamente tem ocorrido o inverso. O orçamento da Seguridade é que tem custeado o orçamento fiscal.

Jornal da UFRJ: O governo não executa o orçamento à parte para a Seguridade Social, como prevê a Constituição, incorporando-a ao orçamento geral da União. Essa é uma forma de desviar recursos da área social para pagar outras despesas?

Denise Gentil: A Constituição determina que sejam elaborados três orçamentos: o orçamento fiscal, o orçamento da Seguridade Social e o orçamento de investimentos das estatais. O que ocorre é que, na prática da execução orçamentária, o governo apresenta não três, mas um único orçamento chamando de “Orçamento Fiscal e da Seguridade Social”, no qual consolida todas as receitas e despesas, unificando o resultado. Com isso, fica difícil perceber a transferência de receitas do orçamento da Seguridade Social para financiar gastos do orçamento fiscal. Esse é o mecanismo de geração de superávit primário no orçamento geral da União. E, por fim, para tornar o quadro ainda mais confuso, isola-se o resultado previdenciário do resto do orçamento geral para, com esse artifício contábil, mostrar que é necessário transferir cada vez mais recursos para cobrir o “rombo” da Previdência Social. Como a sociedade pode entender o que realmente se passa?

Jornal da UFRJ: Agora, o governo pretende mudar a metodologia imprópria de cálculo que vinha usando. Essa mudança atenderá completamente ao que prevê a Constituição, incluindo um orçamento à parte para a Seguridade Social?

Denise Gentil: Não atenderá o que diz a Constituição, porque continuará a haver um isolamento da Previdência do resto da Seguridade Social. O governo não pretende fazer um orçamento da Seguridade. Está propondo um novo cálculo para o resultado fiscal da Previdência. Mas, aceitar que é preciso mudar o cálculo da Previdência já é um grande avanço. Incluir a CPMF entre as receitas da seguridade é um reconhecimento importante, embora muito modesto. Retirar o efeito dos incentivos fiscais sobre as receitas também ajuda a deixar mais transparente o que se faz com a política previdenciária. O que me parece inadequado, entretanto, é retirar a aposentadoria rural da despesa com previdência porque pode, futuramente, resultar em perdas para o trabalhador do campo, se passar a ser tratada como assistência social, talvez como uma espécie de bolsa. Esse é um campo onde os benefícios têm menor valor e os direitos sociais ainda não estão suficientemente consolidados.

Jornal da UFRJ: Como você analisa essa mudança de postura do Governo Federal em relação ao cálculo do déficit? Por que isso aconteceu?

Denise Gentil: Acho que ainda não há uma posição consolidada do governo sobre esse assunto. Há interpretações diferentes sobre o tema do déficit da Previdência e da necessidade de reformas. Em alguns segmentos do governo fala-se apenas em choque de gestão, mas em outras áreas, a Reforma da Previdência Social é tratada como inevitável. Depois que o Fórum da Previdência for instalado, vão começar os debates, as disputas, a atuação dos lobbies e é impossível prever qual o grau de controle que o governo vai conseguir sobre seus rumos. Se os movimentos sociais não estiverem bem organizados para pressionarem na defesa de seus interesses pode haver mais perdas de proteção social, como ocorreu em reformas anteriores.

Jornal da UFRJ: A previdência pública no Brasil, com seu grau de cobertura e garantia de renda mínima para a população, tem papel importante como instrumento de redução dos desequilíbrios sociais?

Denise Gentil: Prefiro não superestimar os efeitos da Previdência Social sobre os desequilíbrios sociais. De certa forma, tem-se que admitir que vários estudos mostram o papel dos gastos previdenciários e assistenciais como mecanismos de redução da miséria e de atenuação das desigualdades sociais nos últimos quatro anos. Os avanços em termos de grau de cobertura e de garantia de renda mínimapara a população são significativos. Pela PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), cerca de 36,4 milhões de pessoas ou 43% da população ocupada são contribuintes do sistema previdenciário. Esse contingente cresceu de forma considerável nos últimos anos, embora muito ainda necessita ser feito para ampliar a cobertura e evita que, no futuro, a pobreza na velhice se torne um problema dos mais graves. O fato, porém, de a população ter assegurado o piso básico de um salário mínimo para os benefícios previdenciários é de fundamental importância porque, muito embora o valor do salário mínimo esteja ainda distante de proporcionar condições dignas de sobrevivência, a política social de correção do salário mínimo acima da inflação tem permitido redução da pobreza e atenuado a desigualdade da renda.

Cerca de dois milhões de idosos e deficientes físicos recebem benefícios assistenciais e 524 mil são beneficiários do programa de renda mensal vitalícia. Essas pessoas têm direito a receber um salário mínimo por mês de forma permanente.

Evidentemente que tudo isso ainda é muito pouco para superar nossa incapacidade histórica de combater as desigualdades sociais. Políticas muito mais profundas e abrangentes teriam que ser colocadas em prática, já que a pobreza deriva de uma estrutura produtiva heterogênea e socialmente fragmentada que precisa ser transformada para que a distância entre ricos e pobres efetivamente diminua. Além disso, o crescimento econômico é condição fundamental para a redução da pobreza e, nesse quesito, temos andado muito mal. Mas a realidade é que a redução das desigualdades sociais recebeu um pouco mais de prioridade nos últimos anos do que em governos anteriores e alguma evolução pode ser captada através de certos indicadores.

Jornal da UFRJ: Apesar do superávit que o governo esconde, o sistema previdenciário vem perdendo capacidade de arrecadação. Isso se deve a fatores demográficos, como dizem alguns, ou tem relação mais direta com a política econômica dos últimos anos?

Denise Gentil: A questão fundamental para dar sustentabilidade para um sistema previdenciário é o crescimento econômico, porque as variáveis mais importantes de sua equação financeira são emprego formal e salários. Para que não haja risco do sistema previdenciário ter um colapso de financiamento é preciso que o país cresça, aumente o nível de ocupação formal e eleve a renda média no mercado de trabalho para que haja mobilidade social. Portanto, a política econômica é o principal elemento que tem que entrar no debate sobre “crise” da Previdência Social. Não temos um problema demográfico a enfrentar, mas de política econômica inadequada para promover o crescimento ou a aceleração do crescimento.

Fonte: Jornal da UFRJ


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
93 Comentários
Mais antigos
Mais recentes
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Reinaldo dos Santos
Reinaldo dos Santos
5 anos atrás

Se as receitas fossem “carimbadas”, muita coisa mudaria no Brasil. Não seria outra tese a defender?

Amaro Walter da Silva
Amaro Walter da Silva
5 anos atrás

Em primeiro lugar deveriam discutir o fim das isenções que tiram da Previdência uma parcela boa de receita. Outra, seria não mais aprovar a DRU, para que os Superávits não fossem desviados para cobrir as despesas de um governo perdulário. Quando assumiu a Previdência, na sabatina no Senado, o Ministro Garibaldi Alves afirmou com todas as letras que a Previdência não é Deficitária. E mostrou dados do DO que comprovavam isso. Depois, no cargo, a conversa mudou! E tem os levantamentos da Associação dos Auditores Fiscais da Receita Federal que provam matematicamente o que a Autora afirma em sua tese.. Nós aposentados que ganham acima do mínimo estamos sendo achacados por esse governo que se diz trabalhista e todos os anos perdemos um pouco mais de nossos Benefícios, caminhando inexoravelmente para 1 SM. E a justiça( in) calada|!!!!

Paulo
Paulo
5 anos atrás

sim, mas agora com o novo governo, que parece q vc apoia, vai piorar, como ela mesmo disse o mínimo ficou acima da inflação o que de certa forma obteve melhores resultados para a população de menor renda. Lembra do FHC ? minha meta é um salário mínimo de US$ 100,00, a quanto chegou nesse governo ? pois espere, pois agora vai chegar a 100.

Ariel
Ariel
5 anos atrás
Responder  Paulo

boa, Lucas!

Ariel
Ariel
5 anos atrás
Responder  Paulo

você é bobinho, Paulo, está nessa cabecinha de torcidinha de futebol na política — o senhor acima não disse quem apoia, criticou criteriosamente o que julgou inconsistente como política de conho trabalhista; não quis dizer que apoia o outro lado — falta lógica mínima aí na tua análise

Rede
Rede
5 anos atrás

No texto a pesquisadora afirma que “ideia de falência dos sistemas previdenciários públicos e os ataques às instituições do Estado de Bem-Estar Social” derivam do pensamento liberal-conservador. Soa no mínimo estranho que esse método que penalizar o sistema publico esteja em vigor, haja vista que há mais de 12 anos vivemos um governo que se declara de esquerda, ou seja, no texto de certa forma está afirmando que o governo atua claramente contra seu posicionamento histórico.

Wesley
4 anos atrás
Responder  Rede

Isso mesmo amigo e o pior nunca houve direita aqui nesse país hoje temos políticos de direita agora partidos não mais desde o prona que não tem e desde 33 a própria constituição é COMUNISTA basta olhar só não enxerga quem não quer

Alternative
Alternative
5 anos atrás
Responder  Rede

Sugiro ler a Tese – o período analisado é 1990-2005. Portanto, não é adequado seu comentário.

Wilma
Wilma
5 anos atrás
Responder  Rede

Por que o aposentato do Estado que descontou durante quarenta e dois anos para sua aposentadoria continua a descontar para o Rio Previdência ? Deixar para quem? Que se beneficia com esse desconto? Não seria justo deixar para minha filha solteira e desempregada por esse governo?

Lucas
Lucas
5 anos atrás
Responder  Rede

Não há nada de estranho nisso se você perceber que o governo atual não é de esquerda. E a autora em nenhum momento disse que era. A verdade é que, independentemente do que o governo se declara ser, sua gestão é evidentemente neoliberal.

Luiz Fernando
Luiz Fernando
5 anos atrás
Responder  Lucas

… e é pecado ser neoliberal? É pecado ser distributivo? Defina, por favor, neoliberal, seu significado, sua concepção, seus efeitos para a economia e para o desenvolvimento social sustentável. Aceito até, e, talvez, principalmente, ser chamado de néscio, desde que me explique bem. Eu acredito que careça a doutora um conhecimento mais aprofundado de cálculo atuarial. Agora, se o fundo do qual é extraído o benefício é esbanjado ou desviado ou mal aplicado, malversado, não há forma de que a Previdência Social não afunde. É fato atuarialmente incontestável que à medida que a população envelhece e a expectativa de vida aumenta, o benefício deve ser postergado. Ou não é tão simples assim. Apenas para avivar a memória dos mais jovens: quando a previdência social pública foi implantada no Brasil, os patrões arcariam com 1/3 da contribuição, o empregado outro terço e o governo o restante. Desde o primeiro minuto o queremismo (pergunte o que significa aos mais velhos) não enfiou a mão no bolso uma só vez, pelo contrário, foi construindo prédios e esbanjando o dinheiro. Nossos governos trabalhistas, desde o PTB populista do Getúlio até o PT populista do Lula não souberam administrar o fundo de Previdência Social brasileiro.

mateus
mateus
5 anos atrás
Responder  Lucas

o governo PT nao é de esquerda??? acho q vc precisa rever conceitos politicos

Rodrigo
Rodrigo
4 anos atrás
Responder  mateus

Quem disse que o governo atual é PT? Caso não saiba, PMDB e PSDB são praticamente a mesma coisa.

Levi
Levi
4 anos atrás
Responder  Rodrigo

Observe a data de cada comentário…

fernando augusto
fernando augusto
5 anos atrás

é de esquerda só no blá blá blá … é só olhar o estrago na petrobrás, no BNDES, etc … e pra onde vai o dinheiro da corrupção … para o bolso de quem está no poder

Ariel
Ariel
5 anos atrás
Responder  fernando augusto

boa, Lucas!

ZE MEIRELES
ZE MEIRELES
5 anos atrás

E SÓ AGORA ELA CHEGOU A ESSA CONCLUSÃO ? E QUEM É LOUCO DE ACREDITAR EM ALGO QUE GOVERNO AQUI NO BRASIL FALA ?

Alexandre Chambarelli de Novaes
Alexandre Chambarelli de Novaes
5 anos atrás

Então, não existe nenhum governo de esquerda no mundo, pois em todos eles, o roubo vai para os governantes… é de esquerda, sim! E corrupto e safado da pior espécie! O seu Fidel, eu vi numa pesquisa na Internet que tem fortuna maior que a rainha da Inglaterra., que é o sétimo governante do planeta mais rico… claro, ele é um grande empresário, tem várias empresa e gera muitos empregos em Cuba!… votei contra os militares e hj, me arrependo.. fiz campanha contra o capitalismo voraz… mas, hj, penso que o governo tem que agir igual à Boa criação de seus filhos… damos muita coisa, oportunidades de crescimento fisico, intelectual e moral… mas, depois, eles têm que se virar, ter méritos, pra crescerem, evoluirem, senão, vão virar o quê?? Malandros… assim, não virarão uns dependentes e encostados a vida toda. E concordo com a farsa da previdência e tenho falado disso há muito tempo…e é tudo nosso dinheiro descontado.. é só ter honestidade na adm. e um mínimo de inteligência pra administrar nossa grana.

Aurentino Carneiro Gomes
Aurentino Carneiro Gomes
4 anos atrás

Perfeito!

Davi T Fiedler
Davi T Fiedler
5 anos atrás

“eu vi numa pesquisa na Internet”. kkkkkkkkk

Carlos Zevet
Carlos Zevet
5 anos atrás
Responder  Davi T Fiedler

e oq estas fazendo agora Davi ? te baseando numa pesquisa da internet

Zeca
Zeca
5 anos atrás

Putz, que baixo nível de argumentação, sô!

Alvarenga
Alvarenga
5 anos atrás

Esquecem tambem de considerar que se a previdencia social tivesse sido gerida desde que foi criada como qualquer plano de previdencia, investindo o dinheiro em beneficio do proprio fundo, hoje a situação seria bem diferente. Onde foi parar todo dinheiro arrecadado desde sua criação ?

Alvarenga
Alvarenga
5 anos atrás

Outro ponto importante: Precisa mostrar sempre onde esta o maior deficit: Na previdencia do setor privado ou do setor publico ? Por que não mostram isto separado e claro ?

Carlos Arcas Neto
Carlos Arcas Neto
5 anos atrás

Tudo que se constroem nesta país, tem que pagar o inss da obra. Imagina o tamanho desta fonte de renda.

Antonio Bazilio Fzilho
Antonio Bazilio Fzilho
5 anos atrás

Vivemos dois sistemas de contribuintes, o público e o privado. O privado vai muito bem de finanças e muito mal de gestão; o público, uma calamidade, nos dois sentidos. Enquanto não adotar-mos um sistema único, para todos os contribuintes, no Brazil, independente da cor, credo ou poder aquisitivo, nos moldes do sistema INSS mas com os limites mínimos atualizados (ex. 7/8 sal min), o que ahi está nos levará à insolvência.

Rose Marie
Rose Marie
5 anos atrás

Segundo me consta, a construção da hidroelétrica de itaipu foi custeada com recursos financeiros da Previdência e que o Paraguaifoi incluido como partícipe sem qualquer custo para eles.O lucro gerado foi para onde durante todos esses anos(década de 70)?

J.Braga
J.Braga
5 anos atrás
Responder  Rose Marie

NÃO, Rose Marie!!!…Na época do dito “milagre econômico”, quem manipulava tudo, a respeito de dinheiro era o “amigo da Dilma” DELFIN NETO conhecido como “a Gorda”…E, a ELETROBRÁS tinha muitíssimo mais prestígio internacional que a “elefante branco” PETROBRÁS (que mal dava conta de uma pequena parcela do consumo interno do petróleo)…Era quem “captava” recursos, junto aos Bancos europeus e japoneses, além ao FMI e…Em lugar de gastá-los apenas com o Setor Elétrico (como foi feito com ITAIPÚ, TUCURUI, URUBUPUNGÁ e outras) teve que arcar com custos que não eram seus… Para que você se situe (como curiosidade), ITAIPÚ necessitava de 12 geólogos (o Paraguai só tinha 1), de 24 engenheiros elétricos (eles, só tinham 6)…De muito dinheiro (eles nada tinham)…O Brasil FEZ TUDO!!! e…Eles nos venderam a sua parte da energia produzida…Tudo isso, porque, a terra a ser INUNDADA…Era a do seu lado!!!…O dinheiro desviado da Previdência, foi para OUTROS RALOS…

Marcio de jesus
Marcio de jesus
5 anos atrás

Pessoal, a meu ver aqui no Brasil se o próprio governo respeitasse a constituição, já seria em bom caminho andado, mas infelizmente não faz, e para esclarecer, sempre houve roubo por parte dos políticos, infelizmente o Lula e a Dilma não foram ladrões competentes como foram outros de outrora, esse o motivo da Dilma ter sido retirada do Poder, pq aqui no Brasil, até para roubar vc deve ser culto. è uma piada, mas é isso. Enquanto o povo não tiver cultura, conhecimento para reivindicar seus direitos, nosso povo seguira sendo manipulado com a ajuda da imprensa. by by.

Nathanael Barbosa
Nathanael Barbosa
5 anos atrás

Eles roubam minha grana e quem vai em cana sou eu, né phoda?

Alexandre
Alexandre
5 anos atrás

Outro fator que tem a ser considerado é o fraco desemprenho da fiscalização das empresas devedoras, hoje a fiscalização é feita on-line,, e de certa forma acaba por facilitar a sonegação e o repasse dos descontos dos empregados ao fisco. Quando fazemos a folha de pagamento e enviamos a sefip, na hora é assinado uma confissão de dívida, mas a sonegação ocorre assim mesmo, se fosse feito um sistema que três meses sem repasse das contribuições a empresa tivesse impedimento do uso do CNPJ para qualquer ação de compra , venda e prestação de serviços, com a intimação dos sócios gerentes a Receita Federal e ao INSS, para prestar conta das dívidas, isso também ajudaria a aumentar a arrecadação, e proteger melhor seus beneficiários, que acabam sendo prejudicados na hora de pedir um auxílio doença, maternidade ou aposentadoria

Davi P.
Davi P.
5 anos atrás

Ela está falando bobagem, vou explicar, O sistema de seguridade social ser superavitária não significa que o sistema previdenciário é superavitário. A seguridade social é responsável por SAUDE + PREVIDENCIA + ASSISTENCIA, dentro do universo dos impostos, taxas e contribuições que arrecadam para o sistema de seguridade, existe os especificos que são exclusivamente para financiar a previdência social, que são principalmente aqueles que incidem sobre a folha de pagamento do trabalhador. Porém, o valor que é arrecadado por estes impostos, já não é mais suficiente para pagar toda a PREVIDENCIA, o que a torna deficitária, porém, como o compromisso previdenciário é uma obrigação instituida por lei, o governo tira parte do que falta para pagar as aposentadorias dos outros sistemas (SAUDE e ASSISTENCIA) e ainda, mais recentemente, tem que complementar com dinheiro do TESOURO.

Ela ta falando uma grande bobagem e a difusão de informações erradas só serve para causar o caos e reduzir as chances de se achar uma solução. O que as pessoas tem que entender é que o grande prejudicado de se não houver nenhuma reforma na previdência seremos nós mesmos, pois iremos continuar amargando retração da economia (a grécia por exemplo retraiu mais de 25% do PIB até aceitar realizar reformas), podemos chegar ao ponto do governo ter que imprimir dinheiro para pagar as aposentadorias e ai teremos hiperinflação.. tudo isso, pode ocorrer durante anos e anos, talvez décadas. Ai eu pergunto, o que é melhor? Fazer um sacrifício agora que levará em um curto espaço de tempo (1 ou 2 anos) a uma estabilidade, voltando a termos bem estar e emprego e sim, reduzirá um pouco os direitos (por exemplo o direito de se aposentar aos 58 anos), ou continuar amargando perda de emprego, renda, inflação por décadas, para que lá na frente sejamos forçados a fazer uma reforma mais drástica do que esta agora?

Ariel
Ariel
5 anos atrás
Responder  Davi P.

cara, cê não sabe ler ou não leu?

walter
walter
5 anos atrás
Responder  Davi P.

Quem está falando bobagem é voce meu amigo. Falar sem conhecimento de causa é o grande problema no Brasil.Quando o Ministro Alves foi sabatinado no Congresso nacional para assumir a Previdência êle mesmo passou as informações que já conhecíamos pelo DO da União. O RGPS é e sempre foi superavitário. Deficitários SEMPRE foram o RPPS e o Regime Rural que não passa de Assistência. Juntos são responssáeis por mais de 100 bilhões anuais de prejuízo já que o RPPS, com menos de 1 milhão de beneficiários coloca 50 bi/ano ou mais de déficit e o Rural, deveria ser suportado por toda a sociedade, isto é deveria sair do tesouro, uma ves que , com pouco mais de 16.000 contribuintes não suporta os mais de 50 bi /ano. O restante do ´prejuízo é bancado pelas isençôes fiscais de Igrejas, Clubes de Futebol, Ongs , etc. E mais grave ainda é o uso da DRU( Desvinculação da Receita da União), macête usado para pegar o Superávit do RGPS todos os anos e aplicar sabe-se lá Deus onde!!!! E isto foi confirmado pelo Senador Paulo Pain em diversos discursos no Senado que estão arquivados naquela casa. Então, todas as vezes que se fala em Revisão na Previdência e começam as conversas de idade mínima , eu tenho certeza de que NÃO SERÁ UMA DISCUSSÃO SÉRIA E SIM EMBROMAÇÃO PARA PESSOAS MAL INFORMADAS COMO VOCÊ!!!!!!

Nivaldo Rocha
Nivaldo Rocha
5 anos atrás

O problema da previdência é matemático. Considerando o trabalhador da inciativa privada, a contribuição é de 20% do salario (8% do trabalhador e 12% do empregador) 20% = 1/5 do salario, ou seja a cada 5 meses o empregado acumula na previdência 1 mes de salário, ao cabo de 35 anos acumulou o equivalente a 7 anos. Se ele ficar aposentado mais que 7 anos ele consumiu tudo o que acumulou. Isto considerando que os custos do sistema sejam bancados por outras fontes. Se este dinheiro fosse aplicado muito bem e dobrasse o valor ai daria para ficar aposentado por 14 anos, ai ja melhora.

riarcardo
riarcardo
5 anos atrás
Responder  Nivaldo Rocha

Me parece simplista seu comentário, quem trabalha não trabalha só para ele trabalha pelo crescimento de todos, do pais assim as riquezas publicas elas devem ser distribuídas entre sua população, somos todos donos das riquezas que se produzem com o trabalho e os recursos públicos, o que se quer é que todos acreditem numa visão como esta para os que estão no poder entreguem todos os recursos as multinacionais e se beneficiem de isso só uns poucos. somos donos do pais não só do nosso umbigo.

Ariel
Ariel
5 anos atrás
Responder  Nivaldo Rocha

bom, aí entra, pra agregar à tua matemática, Nivado, a decisão social de exercer a cidadania aos cidadãos, e assim, compensar com algo mais do défice da relação que a mais valia tomou a cada salário pago a um trabalhador um pouquinho para isso — ou seja, não é só do salário que se faz a receita previdenciária, constitucionalmente, “inclusive”, como a pesquisadora explicou (não sei se leu), mas das receitas de arrecadação da economia

Maria Luiza Mendes
Maria Luiza Mendes
5 anos atrás

Puxa desde que eu era criança eu ouço falar da falência da previdência social, ouvi também sobre investigação de pessoas que lesaram a previdência sobre aquela advogada que roubou milhões da previdência não lembro mais o nome dela. Eu pergunto porque não fazem essas pessoas devolverem oque roubaram, porque nós temos que pagar salários e aposentadorias exorbitantes para esses políticos e ministros e toda essa corja de vagabundos que (trabalham)
oito anos e se aposentam com um salário milionário? É só rever tudo isso que vai aparecer grana suficiente .

Guilherme Pessoa
Guilherme Pessoa
5 anos atrás

Eu parei de ler quando ela considerou a CPMF como receita previdenciaria??? Ela parece-me o pessoal do orçamento do governo de Dilma,que considerou a CPMF como receita, sem o dinheiro ter previsão de entrada no caixa, nao considerou a queda da arrecadação e outras preciosidades, no final deficit de 96 bilhões , quando na realidade é 200 bilhões. Quanto a mudança nas regras da Previdencia, isso é um fato em quase todos os Países da Europa Ocidental, Alemanha, França, Espanha, Grécia e outros, se nao fizeram a reforma ainda, vao faze-la, o envelhecimento da população é fato. Então fico com o parecer dos Economistas da Europa.

Caio
Caio
5 anos atrás

Vcs não perceberam que a Tese vai até o perídodo de 2005 e a entrevista é de 2006? Ja passaram-se 10 anos gente. Mesmo que o que ela estava falando estivesse certo na epoca hoje deveria ser reavaliado.

Geraldo
Geraldo
5 anos atrás

OUTRO GRANDE ROUBO PELOS GOVERNOS CORRUPTOS NO BRASIL, FOI ESSE DA PREVIDÊNCIA SOCIAL… COM CERTEZA TEVE MARACUTAIA. ROUBARAM ATÉ DOS APOSENTADOS USANDO UMA TÁTICA DUM ‘FATOR PREVIDENCIÁRIO’ COM A MENTIRA DESLAVADA DO ‘EFEITO PIRAMIDE’. COMO SE OS ATIVOS ATUAIS TENHAM QUE PAGAR OS PROVENTOS DOS INATIVOS. NÃO É VERDADE, PORQUE CADA UM TRABALHADOR DESCONTOU PARA ESSE FIM, APOSENTAR-SE… Tal fator entre outras coisas concede ao aposentado um aumento anual diferenciado, para menos é óbvio, do que o aumento do salário normal, o qual também é sempre menor que a inflação real do ano. As pessoas que descontaram durante 30 e 35 anos dos seus salários, um percentual, depositado logicamente à rendimento nos cofres da União para efeito de aposentadoria e já cobrado o IR, estão sendo ludibriadas desde o governo do fhc, do lula e esse da dilma. Também o tal IR que já foi descontado antes, está sendo cobrado novamente dos aposentados como se o ‘provento’ fosse um ‘salário de renda’, o que não é verdade. Depois de aposentada a pessoa apenas está resgatando seu dinheiro de volta no mínimo com a correção da inflação, isso é o correto… DECRETOS E LEIS ELABORADAS POR CORRUPTOS E APROVADAS SOB O PGTO DE MENSALÕES SÓ SERVEM PARA ATENDER/SATISFAZER AOS POLÍTICOS CORRUPTOS/LADRÕES E VAGABUNDOS DESTE PAÍS!

adriano
adriano
5 anos atrás

sou apolitico, e uma das coisas q penso e q muitos da lideranca de varios segmentos (publico e privado), parecem ser apatriados, nao patriotas , e ja vem de muito tempo……..as varas trabalhista estao lotadas, as previdencias privadas cabe a uniao a fiscalizar, e o q se fez com o AERUS, Varig, etc….votarei em q construir presidios, flutuantes de preferencia, cargueiros, pescou come, se nao vai lavar deck ……..sou mais um brasileiro indignado com a probeza de espirito destes q ocupam posicao estrategica , no caso as de tiranos, independente de partidos, todos sao corrompidos pelo poder, vide estudos realizados por sociologos , psiquiatras, filosofos, etc……….mas acima de tudo, simploriamente afirmando, e o desrespeito pela vida e as leis naturais……..a sociedade chegou ate onde chegou, com muita truculencia, e sangue….sera q este era, ou ainda parece ser o unico caminho………..

sergio gomes da silva
sergio gomes da silva
5 anos atrás

o PT tb falava que o défite era uma enganação, quando teve 13 anos pra provar ………. falatório

Mara Freitas
Mara Freitas
5 anos atrás

Parabéns a Denise Gentil pelo seu trabalho de esclarecimento , eu sempre achei isso eles culpam o contribuinte, mas quem não consegue administrar com transparência é os políticos que lhes falta competência. O povo paga sempre de uma forma ou de outra suas contribuições desde o mais humilde brasileiro ao mais elevado e merece em sua velhice ter dignidade em receber proporcional ao que contribuiu. Não podemos é deixar o Ser Humano se aposentar muito tarde, até parece piada mas do jeito que estão querendo fazer aumentando a idade mínima para se aposentar Os velhos chegarão do trabalho já de bengala e filhos estarão barbados sentados no meio fio das calçadas e desempregados e a culpa ainda vai ser nossa.

william de oliveira barros
william de oliveira barros
5 anos atrás

Um funcionario que trabalha por 35 anos e paga 20% de inss por mês praticamente teria 91 meses de salarios pagos lembrando que o ano tem 13 meses por causa do 13ºsalario ele teria contribuido com 7 anos de aposentadoria com 65 anos ele teria aposentadoria até os 72 anos. Lembrando que a expectativa de vida dos brasileiros 75,2 anos, diz IBGE oque acho muito errada pois deveria ser de 85 anos para que essa conta fechar com uma sobra para a Previdencia já que muitos sofrem acidentes ou maternidade etc. Nos brasileiros pagamos os maiores impostos do mundo somos roubados por todos os lados deveria sim ter uma reestruturaçao tributaria pra rever todas as contas do pais cada cidade deveria cuidar de seus impostos regionalizando a renda e fechando uma conta menor é mais facil roubar um pais doque roubar uma cidade e ter um orgão regulador para ficar de olho em tudo zerar os impostos dos assalariados e taxar as grandes fortunas e os bancos o lado bom da privatização de tudo é que se vc nao está satisfeito com um serviço vc pode procurar outro.

Daniel Martins
Daniel Martins
5 anos atrás

Não levem a sério.
Um cientista econômica opinando sobre conceitos contábeis que, neste caso são apoiadas, pelas ciências atuariais é para dar risadas não é ?
Ainda mais que ela se baseia em uma legislação representada pela constituição com alto cunho social ao invés de se basear nos princípios contábeis, econômicos e atuariais.
Isso não é sério !!

LauroRM
LauroRM
5 anos atrás

Vamos pensar? Se a previdência fosse esse rombo como os governos tanto falam, que está em deficit creio que já tinha quebrado. Como Disse a entrevistada, o faturamento é cada vez maior, o problema é que o dinheiro vai para oulros lugares…

salomao souza lima
salomao souza lima
5 anos atrás

Não seria razoável que tais argumentos – sobre o superavit da previdência – fossem divulgados pela imprensa e discutidos com as autoridades federais?

raimundo jesus
raimundo jesus
5 anos atrás

obs que os GESTORES PÚBLICOS ADMINISTRADORES PÚBLICOS LEGISLADORES PÚBLICOS etc por nada no BRASIL ser ter FISCALIZAÇÃO TRANSPARENCIA etc somem com o máximo que podem de tudo que sai lá da FONTE ORIGINAL=FEDERAL=IMPOSTOMETROS=RIQUEZAS-RECURSOS-NATURAIS-etc-e teriam tem que ir DIRETO INDIRETAMENTE 1000% aos seus verdadeiros únicos DESTINOS FINAIS OBRAS PÚBLICAS SERVIÇOS PÚBLICOS SERVIDORAS PÚBLICAS FI LANTROPIAS OSS OS QUINTEIRIZADAS TERCEIRIZADAS etc
=
porém ainda por cima somem com o máximo que podem com tudo que já é descontado direto reto nos HOLLERITHS das locais SERVIDORAS PÚBLICAS MU NICIPAIS ESTADUAIS etc como os tais INSS FGTS CONVENIOS MÉDICOS FUNERÁRIOS EMPRÉSTIMOS CONSIGNADOS etc aonde as mesmas só descobrem quando vêem o seu nome sujo no=SPC-SERASA=eou quando precisam e são negados tais SERVIÇOS etc
=
pois cada centavinho ali sempre saiu sai sairá direto indiretamente do bolso de todos cidadões empreendedores trabalhadores brasileiros etc mostrando que nada é GRÁTIS comoa SAÚDE PÚBLICA EDUCAÇÃO PÚ BLICA SEGURANÇA PÚBLICA AJUDAS PROGRAMAS SOCIAIS BOLSAS ISTO ÁQUILO FRENTES DISTO DÁQUILO AUXILIOS DOENÇAS etc a diferença aqui é que os APOSENTADOS são os únicos que já contribuiram contri buem etc por mais de 35anos etc os outros ganham tudo pagos mas por todos os outros cidadões como as tais BOLSAS etc
=
pois na verdade nada é do GOVERNO do ESTADO da UNIÃO do MUNICIPIO do SETOR PÚ BLICO da FILANTROPIA da FUNDAÇÃO etc tudo na verdade é de cada CIDADÃO é de cada PAGADOR DE IMPOSTOS etc obs que só por causa de INTERESSES de GRUPOS PODEROSOS dão BOLSAS PARCIAIS TOTAIS etc para todos os brasileiros fazerem CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES de tudo que se a ou não mas menos nas ÁREAS que REALMENTE ainda precisam como PEDIATRIA GERIATRAS MÉDICOS etc
=
pois o principal problema não está em nenhum POLÍTICO PARTIDOS POLÍTICOS SISTEMAS POLÍTICOS SALVADORESdaPÁTRIA etc e sim no PRÉ-ESQUEMA-PRÉ-SISTEMA-pré-IMPLANTANDO como verdadeiras MÁFIAS ORGANIZA ÇÕES CRIMINOSAS FACÇÕES CRIMINOSAS etc implantados mas em quase todos os poderes municipais estaduais federal distrital etc ou voce entra na onda deles e ou voce é MORTO sofre IMPEACHMMENT CASSAÇÃO DE MANDATOS
=
e o pior é que todos as nossas máximas AUTORIDADES POLÍTICAS FINANCEIRA JURÍDICAS CORPORATIVISTAS etc para nada mudar usam a MÍDIAemGERAL para ao invés de fazer o povo local exigir reinvindicar FISCALIZAÇÃO etc ali sempre fizeram fazem o POVO só ir á favor ou contra POLÍTICOS PARTIDOS POLÍTICOS SISTEMAS POLÍTI COS a..b..c.
=
agora no BRASIL todos os seus internos políticos inverteram totalmente os PAPÉIS e então os POLÍTICOS BRASILEIROS pegaram para si todos os tipos de PRERROGATIVAS de SULTÕESouDITADORES e então se servem de todos os cidadões brasileiros como se fossem os seus particulares ESCRAVOS SERVIÇAIS SÚDITOS etc inclusive os próprios POLÍTICOS como SULTÕESouDITADORES etc é que nomeiam os que os JULGARÃO todos os membros do STF STJ CNJ etc etc álem de darem para si mesmos-POLÍTICOS-FOROS-PRIVILEGIADOS-IMUNIDADES-IMPUNIDADES-PARLAMENTARES
=
obs que enquanto no BRASIL ao serem ELEITOS todos SOMEM DESAPARECEM e se tornam quase INACESSÍVEIS PROTOCOLOS etc agora os dos países primeirissimos mundos mesmo depois de ELEITOS voce os VÊ nos TRANSPORTES PÚBLICOS SAÚDEPUBLICA EDUCAÇÃOPÚBLICA etc SUPERMERCADOS CASAS LOTÉRICAS etc e fazer com que DÁQUI prá FRENTE os POLÍTICOS BRASILEIROS se tornem um tipo de SERVIÇO VOLUNTARIEDADE e ou no máximo como os CONSELHOS TUTELARES
=
e todo o povo brasileiro parar de de acreditar infantilmente em todos os tipos de MISTICISMOS ESOTERISMOS OCULTISMO FALÁCIAS MENTIRAS ILUSÕES TABUS PECADOS CRENÇAS LIMITANTES OMISSÕES INFORMAÇÕES FALSAS etc que venha seja lá de quem for sendo AUTORIDADESouNÃO porém tudo e todos deveriam sempre CRUZAR todos os DADOS INDAGAREM QUESTIONAREM DUVIDAREM se MOBILIZAREM e serem INCRÉDULOS em tudo que ád vém das suas locais AUTORIDADES FINANCEIRAS BANQUEIROS ESPECULADORES FINANCEIROS POLÍTICAS RELIGIOSAS JURÍDICAS INSTITUICIONAIS MÍDIASemGERAL etc verificar prontamente se áquilo é REALMENTE COERENTE VERDADEIRO SINCERO PLAÚSÍVEL LÓGICO RACIONAL etc
=
obs que os ganhos dos políticos brasileiros sempre foram indo pro INFINITO enquanto tudo de todos brasileiros foram indo pro fundo do poço principalmente na hora de se APOSENTAREM etc por se APOSENTAREM MERECIDAMENTE HONESTAMENTE etc sempre foram punidos castigados penalizados etc principalmente os que sempre contribuiram contribuem por mais de 35 anos etc obs que tem dinheiro publico mas só para quem nunca jamais contribuiu contribui etc como os BOLSAS ISTO ÁQUILO FRENTES DISTO DÁQUILO VÁRIAS FALSAS APOSENTADORIAS RURAIS etc para as aposentadorias de menos de 08 anos dos POLÍTICOS com salário integral liquido dos políticos na ativa etc
=
fora os bilhões anuais que sempre foram vão ainda para todos os tipos de FRAUDES GOLPES NEGOCIATAS etc contra a PREVIDENCIAOSOCIAL INSS SEGURIDADESOCIAL AJUDAS PROGRAMAS SOCIAIS AUXILIOS DOENÇAS etc prejudicando tudoetodos mas sempre beneficiando só os tais FRAUDADORES GOLPISTAS etc em MILHÕES BILHÕES principalmente quando são GESTORESPÚBLICOS e mesmo tudo sendo descontado direto nos holleriths das locais SERVIDORAS PÚBICAS etc como o INSS FGTS EMPRÉSTIMO CONSIGNADO CONVENIOS MÉDICOS FUNERÁRIOS etc aonde as mesmas só descobrem que nada foi aos seus verdadeiros DESTINOS FINAIS só quando veem o seu nome sujo no SPC SERASA e não poderem utilizar os tais SERVIÇOS etc
=
obs que no BRASIL tem DISQUE DENUNCIA ANONIMA sobre tudo o que se a ou não mas menos sobre todos os tipos de CORRUPÇÕES SONEGAÇÕES ENRIQUECIMENTOS ILÍCITOS FRAUDES GOLPES NEGOCIA TAS etc ¿¿¿por quê¿¿ ¿o que todos os LEGISLADORES PÚBLICOS como os JUÍZES os POLÍTICOS brasieliros temem¿¿¿O QUÊ¿¿¿pois ao invés de MEXEREM em tudo isto e aí no final de tudo mexerem com os que já contribuiram contribuem etc=NÃO=no BRASIL absurdamente só querem mexerem só nos que já contribuiram contribuem penalizando-os-punindo-os-castigando-os-absurdamente
=
como por exemplo qual a COERENCIA LÓGICA RAZÃO com verdadeiros FUNDAMENTOS de que enquanto a INFLAÇÃO ANUAL é menos de 10% os BANCOS CARTÕESDECRÉDITOS etc cobram como AGIOTAGEM OFICIAL 171 anualmente mais de 400%900% eisto não existe mas nem mesmo nos países com os piores IDH’s do MUNDOTODO BURUNDI HAITI VENEZUELA CUBA SOMÁLIA AFEGANISTÃO etc eisto era válido na ERAdaHIPERINFLAÇÃO OVERNIGHT 1964á1994
=
e ab surdamente em pleno 03ºmilenio século xxi ter ainda o tal FORO PRIVILEGIADO IMUNIDADE IMPUNIDADE PARLAMENTAR algo válido em 1964á1994 porém hoje tudo isto é algo medieval GAMES OF THRONES RETRÓGRADOS etc por isto desde 1500dc até hoje sempre foi e é totalmente SURRUPIADO na CARA DURA e de dentro do BRASIL e então por isto sempre estivemos estamos pagando todas as tais CONSEQUENCIAS etc aonde dizem que é CRISES ROMBOS FINANCEIROS etc na verdade foi e é tudo ROUBO LADROAGEM MESMO 171 etc
=
como por exemplo desde 1500dc fizeram com que todos os trabalhadores se acostumassem mal e não precisariam de forma nenhuma de fazerem nada paralelamente por simplesmente sempre confiaram cegamente em todos as suas MÁXIMAS das MÁXIMAS AUTORIDADES e INSTITUIÇÕES BRASILEIRAS etc então hoje por causa disto estão pagando todas as consequencias etc tendo que trabalharem mais muito mais de 35 anos etc e vendo as suas RENDAS indo pro fundo do poço em todos os sentidos direções etc
=
e dos políticos etc indo pro infinito aonde todos são pagos pelos proprios cidadoes brasieliros porém ao se aposentarem tudo lhes é dificultado ao máximo agora tudo pros POLÍTICOS etc tudo lhes é fácil por exemplo por sempre desde 1500dc todos os trabalhadores terem confiado cegamente em todas as suas MÁXIMAS AUTORIDADES POLÍTICAS INSTITUICIONAIS e então só trabalharam e nuncajamais procuraram desde o primeiro segundo como trabalhador profissional liberal autonomo simples complexo sofisticado etc ir ao mesmo tempo montando o seu EMPREENDEDORISMOS EQUILIBRIOEMOCIONAL FUTURAS RENDAS PASSIVAS ALAVANCAGENS etc
=
veja como hoje futuramente estão estarão sendo PAGO todos os que já contribuiram contribuem confiando plenamente por mais de 35 anos na PREVIDENCIASOCIAL INSS SEGURIDADESO CIAL etc da mesma forma por o povo nuncajamais exigir reinvindicar FISCALIZAÇÃO TRANSPARENCIA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA DIRETA RETA etc aonde tem DIRETO INDIRETAMENTE nem que seja úm único centavi nho dos trilhões anuais IMPOSTOMETROS RIQUEZAS RECURSOS NATURAIS etc

Sonia Gomes
Sonia Gomes
5 anos atrás

Pois é Raimundo Jesus, acho uma covardia o que fazem com os aposentados que pagaram mais de 1 S/M. contribui por 33 anos, pagavam encima de 9 S/M e hoje ñ ganho nem a metade. justo agora c 71 anos,precisando de remedios e etc´. tudo isso me revolta, vendo os politicos so vivem roubando o povo. fazer o que ? aposentados ñ podem fazer greve ne sonia gomes

Danillo
Danillo
5 anos atrás

Nunca vi tanta baboseira em um único texto e nos comentários.

Roberto
Roberto
5 anos atrás

A minha tese de que não há deficit na previdência é diferente da Denise Gentil,porque com a criação da previdência social, os trabalhadores só contribuiam para a previdência e iriam aposentar somente após um longo período de contribuição. Se o governo não tivesse gastado esse dinheiro e fizesse como o fundo de garantia, depois de 35 anos de contribuição ao INSS, o trabalhador teria valor suficiente para receber uma aposentadoria igual ou proximo ao valor do salário da ativa, mesmo considerando somente o valor descontado em folha de pagamento e a parte do empregador poderia ser usado para a seguridade social.

thyago porfiro
thyago porfiro
5 anos atrás

faz, tempo, uahhau.
já começa pelo estádios de futebol quando mentem sobre a renda obtida. rsrs
nada me surpreende neste país, que dirá esquemas maiores quanto será os

Sérgio S. Antunes
Sérgio S. Antunes
5 anos atrás

Boa Noite,

Li, sobre sua matéria, e tenho a acrescentar o seguinte:

Enquanto a Economia cresceu a passos largos de 2005 em diante, tivemos uma mega construção em todos os sentidos no que tange M2 de pisos, construídos e comercializados, ou seja: casas, sobrados, prédio de apartamentos, edifícios comerciais, áreas de industrias e armazéns, levando-se em conta a tributação do INSS, esse calculo ninguém até hoje, nunca ouvi se quer um ECONOMISTA, tecer um comentário, porque será? só com essa arrecadação nadamos de braçada, e ai, sem contar as demais arrecadações, e o que se fazer?

Jane
Jane
5 anos atrás

Também não tinha ouvido. Então some-se a essas contribuições mais as obrigatórias das ações trabalhistas…Com certeza, é superavitária.

Jane
Jane
5 anos atrás

Faltou ainda mais uma receita que NUNCA é computada Desde a edição da Lei 10035/2000 TODAS as ações trabalhistas recolhem de forma compulsória, sobre as verbas de natureza salarial, ao òrgão previdenciário, INSS, tanto da cota-parte do empregado(8 a 11%), quanto da cota-parte da empresa(23%).
Por ano são milhões de ações impetradas na Justiça do Trabalho e todas, sem exceção, são obrigadas ao recolhimento.
Pergunto: para onde está indo esse dinheiro, uma receita milionária????
Ninguém NUNCA questionou a respeito disso.
Assim existe SUPERAVIT, com certeza, no INSS.
O que tem que ser feito são ajustes, como por exemplo, separar a previdência dos servidores e funcionários públicos que recolhem sobre o teto máximo, mas se aposentam com o salário integral. O que é pago a um milhão de servidores daria para pagar todos os benefícios dos demais trabalhadores.
Isso sim tem que acabar. Não estou dizendo que eles devam receber a miséria que o restante recebe, só estou dizendo que devem ter uma previdência separada dos demais.

Debora
Debora
5 anos atrás
Responder  Jane

Já tem. Não é a mesma previdência dos privados. E tb os servidores públicos não tem teto p recolhimento, é alíquota sobre o que efetivamente recebeu. Por isso recolhe muito mais que a iniciativa privada. E não têm FGTS, abono salarial e outras verbas.

Nando Ponti
Nando Ponti
5 anos atrás

Já que agora pedem eleições 2016 (?) proponho Denise Lobato Gentil para presidente ou para ministra da pasta que trata da Previdência do Brasil, já que ela sabe como se deve fazer…. Ou então resta a opção de fuzilarmos que tem o péssimo gosto de viver acima do esperado… Com dados de 1990-2005, ela apregoa em janeiro de 2016 que é “Falsa a Crise da Seguridade Social Brasileira” (depois de 14 anos de governo de Luiz Inácio mais Vana Rousseff). Certamente a farsa/fraude também acontece na Alemanha e em outros países do welfarestate…ou onde quer que haja um neoliberal ou um neobobo. Não há dúvida de que tem havido péssima gestão e até “farsa contábil” (vide Rousseff), ou mesmo roubo na “mão grande” (Mensalão, Petrolão, Lava-Jato, Fundos de pensão das estatais…). Segundo ela o artigo 195 da Constituição não é cumprido e, além da contribuição ao INSS (incide sobre a folha de pagamento), não são considerados o Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social), a CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido) e a defunta CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira). Tomara que ela esteja certa.

Emerson Bertin
Emerson Bertin
5 anos atrás

Cidade de Brasília e todo redor foi erguida com dinheiro a seguridade.
Ponte Rio Niterói centenas de obras abandonadas no Brasil
e por aí vai várias emendas que precisam de dinheiro também retiram a grana da previdência, não existe fim pra esses FDP… não para de extorquir o povo

Neri Alves Quadrado Neri Alves Quadrado
Neri Alves Quadrado Neri Alves Quadrado
5 anos atrás

Se não há emprego, não há renda. Não havendo renda, não tem contribuição para a aposentadoria. Não havendo contribuição para a aposentadoria haverá deficit, para atender aqueles que deixaram de contribuir, assim nunca fechará essa conta. Pode aumentar a idade de quem começa a receber a aposentadoria, e muito pior se há evasão dessas rendas para outros montantes…

Flavio Quintão Mateus
Flavio Quintão Mateus
5 anos atrás

É NECESSÁRIO UMA DIVULGAÇÃO E DISCUSSÃO DESSES PROBLEMAS. A SOCIEDADE PRECISA SABER DISSO. NÃO ADIANTA PUBLICAR NO FACEBOOK SOMENTE. HÁ MAIS DE UM ANO LI SOBRE ESSA TESE DE DOUTORADO. SÓ AGORA O ASSUNTO VOLTOU!!!!
A QUESTÃO TEM DE SER DISCUTIDA A NÍVEL DE MOVIMENTOS ORGANIZADOS DA SOCIEDADE.

Marcelo
Marcelo
5 anos atrás

kkkkkkkkk,kkkkkkkkkk,kk,kkkk,kkkkkkk,kkkk,kkkkkkkkkk kkkkkkk kkkkkk kkk k k kkk kkkkk kkkkkkkk kkkkkkk kkkk kkkk kkkkkkkkk kkkkkk kkk kkk kkkkkkkkk kkk kkk kkk, kkkkkkk kkkkkk ,k k kk k kkkkkkk ,kkkkkkkkkkkk ,kkkkkkkkk kkkkkk ,kkkkkkkk kkk k k k . ahahah.

Zuleica Mendes Farcili
Zuleica Mendes Farcili
5 anos atrás

Acho estranho que os dados levantados abranjam o período de governo do PT. Então quem fala a verdade? Quem quer o bem da sociedade brasileira?

Régis Santos
Régis Santos
5 anos atrás

O Ciro Gomes isso a muito tempo.

Belarmino pereira de araujo neto
Belarmino pereira de araujo neto
5 anos atrás

Na verdade Não tem partido de esquerda e nem direita só existe dois partidos um que tá comendo e outo querendo comer

Ademar Júnior
Ademar Júnior
5 anos atrás

Seguridade e Previdência são a mesma coisa?
Uma primeira observação que deve ser feita é a de não confundir a Previdência com a Seguridade Social: aquela é parte desta. A Seguridade engloba, além da Previdência, também a Saúde e a Assistência Social. Necessariamente, uma fatia maior das contribuições sociais para a Previdência significaria uma fatia menor para a Saúde e a Assistência Social – certamente áreas mais carentes de recursos.

Leiam isso:
https://www12.senado.leg.br/publicacoes/estudos-legislativos/tipos-de-estudos/boletins-legislativos/bol37

Junior
Junior
4 anos atrás
Luiz C. b. de Freitas
4 anos atrás

Acredito que a Previdencia, incluindo a saúde publica sejam de saldo negativo. Porem como foi dito, temos que considerar as receitas indiretas do PIS, Cofins, e outros para a previdencia. Os maiores custos da previdencia é com funcionarios publicos, em especial no judiciário, pois ao se aposentarem vão com salário integral. Salários estes absurdos e sem a existência de fonte de cobertura. Lcbfreitas.

AlgumAnarquico
AlgumAnarquico
4 anos atrás

Sobre o funcionário público, a aposentadoria da maior parte dos setores não faz parte do inss. São fundos próprios dos órgãos.

Zeka
Zeka
4 anos atrás

Que a Policia Federal, Ministério Publico e a República de Curitiba fiquem bem atentos a essa questão.

Paulo Roberto dos Santos
Paulo Roberto dos Santos
4 anos atrás

Agora ,perguntem o que fazem com os pagamentos cancelados de muitos ” óbitos” que são milhares todos os dias e que não vão para ninguém e olha que são milhões de salários e agora ficam todos aí batendo boca , sem pé nem cabeça , comentários sem pesquisas , sem ” trazer a luz da verdade ,o que todos já sabem , que a impunidade neste país , esta mudando aos poucos e todos estes ladrões deste sistema arcaico e sem fiscalização , traz ao todos nós Brasileiros o peso do rombo feito por estes que vocês mesmo os colocaram lá dentro…. ficar aqui nestas paginas só manifestando não adianta nada, quero ver , quem irá sair as ruas para se manifestar contra mais esta ROUBALHEIRA…..

iniram
iniram
4 anos atrás

PARABÉNS QUERIDA

ATÉ QUE EMFIM ALGUÉM FALA VERDADE, CANSO DE POSTAR ISSO NO MEU FACE

Bjusssss
iniram

SAVIO
4 anos atrás

Gostaria de ver informações mais novas, a tese segundo o texto é de 2006 e não tem valores e fontes de custeio claras, não digo que esta certo ou errado,mas esta muito superficial e com defasagem de quase 11 anos, a informação ja esta obsoleta e texto muito pobre de informações concretas, não sita fontes,…….

AlgumAnarquico
AlgumAnarquico
4 anos atrás

É só o governo não fazer nada, a economia se ajeita sozinha. Países onde o governo menos da palpite, ou palpite nenhum são os mais desenvolvidos, muitos os quais não tem nem 1% dos recursos naturais e tamanho do Brasil.