Em evento do MPT, Sindifort protesta contra a interferência do estado na organização dos trabalhadores

Diretores(as) do Sindifort e da Intersindical – Central da Classe Trabalhadora, protestaram nesta terça-feira (04) durante a abertura do 4º Congresso Internacional de Direito Sindical, no Ponta Mar Hotel, em Fortaleza, contra a interferência do Estado na organização dos trabalhadores.

O evento é promovido pelo Ministério Público do Trabalho, Fórum das Centrais Sindicais do Estado do Ceará, Coordenadoria Nacional de Promoção da Liberdade Sindical no Ceará, dentre outros.

    LISTA INTERSINDICAL

    RECEBA INFORMAÇÕES IMPORTANTES NO SEU E-MAIL

    Em abril deste ano, a desembargadora Maria Gladys Lima Vieira, do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) concedeu liminar a pedido da Prefeitura de Fortaleza, impedindo que servidores do IJF realizem assembleias em seu local de trabalho, sob pena de multa diária de R$ 200.000,00 (duzentos mil reais) contra o Sindifort. Anteriormente já haviam sido proibidas assembleias e manifestações dos agentes de trânsito, professores, odontólogos, enfermeiros e dos próprios servidores do IJF.

    A proibição nega o direito à greve e livre organização dos trabalhadores, garantido pela Constituição Federal, e previsto nas normas da Organização Internacional do Trabalho (OIT). Lembramos que a atitude de Roberto Cláudio também fere legislação municipal aprovada e sancionada em sua gestão. Lei 10031/13 que afirma “Art. 5º. O Sistema de Negociação Permanente (SINEP) baseia-se nos preceitos democráticos de negociação: I. Do respeito recíproco, da boa fé e da honestidade de propósitos; […] VI. Da independência do movimento sindical e da autonomia das partes para o desempenho de suas atribuições constitucionais, sendo reconhecido o direito de greve dos servidores e empregados públicos municipais, a ser exercido nos termos e nos limites definidos em Lei e na Constituição Federal”.

    Enquanto o TJCE acata a argumentação duvidosa da Prefeitura, há anos que o prefeito de Fortaleza desobedece a legislação e desconsidera direitos fundamentais dos servidores como o cumprimento de jornadas de trabalho, pagamento de anuênios e outros. Também desrespeita diretrizes do Conselho Municipal de Saúde e termos de ajustamento de conduta, assinados perante o Ministério Público, com graves prejuízos à população.

    O Sindifort e a Intersindical – Central da Classe Trabalhadora, pretendem realizar campanha contra a intervenção do Estado na organização dos trabalhadores, já foram confeccionadas camisetas e distribuídos adesivos para a divulgação da campanha.

    Inscreva-se
    Notificar de
    guest
    0 Comentários
    Inline Feedbacks
    Ver todos os comentários
    Top
    0
    Comentex
    ()
    x