Educadores e estudantes se unem em Porto Alegre para pressionar o governo Sartori

Educadores e estudantes se unem em Porto Alegre para pressionar o governo Sartori

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

As ruas principais do centro de Porto Alegre foram tomadas por milhares de educadores e estudantes de diversas regiões do Estado, que protestaram, na tarde de ontem (8), contra o desrespeito do governo Sartori (PMDB) com a educação pública. Após a concentração, realizada em frente ao CPERS, eles saíram em caminhada até a Secretaria da Fazenda e seguiram para o Palácio Piratini.

O Ato Estadual Unificado teve como objetivo mostrar ao governo e seus aliados a união de professores, funcionários de escola e estudantes em defesa da escola pública e dos direitos dos educadores e dos educandos.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Em frente a Secretaria da Fazenda, o grupo manifestou seu repúdio ao descaso do secretário da pasta, Giovani Feltes, com a categoria. Nas três audiências realizadas com representantes do governo, as quais houve o compromisso, assumido pelo governo, de que Feltes estaria presente, ele simplesmente não compareceu. Além disso, até agora, o secretário não demonstrou disposição de negociar com a categoria que já está fechando um mês de greve, cada vez mais forte.

Ao final do Ato em frente a Secretaria da Fazenda, educadores e estudantes deram um abraço no prédio para simbolizar a união de todos em defesa da educação pública.

Educadores

Educadores exigem a retirada do PL 44, que prevê a privatização das escolas públicas, e contam com o apoio dos estudantes, que já ocupam mais de 150 escolas no Estado, além da comunidade escolar que participou junto durante toda a manifestação.

Gritando palavras de ordem como “O professor é meu amigo, mexeu com ele mexeu comigo”, “A minha escola está no chão, estou aqui porque quero educação”, “Eu só quero é ser feliz, educação decente é o que eu sempre quis”, estudantes manifestaram seu apoio e denunciaram a precariedade das instituições em que estudam.

Ocupações já

Uma aluna do Colégio Protásio Alves denominou as ocupações como Junho Secundarista e afirmou a resistência dos estudantes. “Falta tudo. Falta estrutura, falta merenda, faltam professores e funcionários. Não vamos desocupar até que o governo atenda, de fato, nossas reivindicações e a dos nossos educadores”, garantiu.

A professora de História do Instituto de Educação e do Julinho, Paola Ribeiro, foi com o marido e as duas filhas, de um e cinco anos, participar do Ato. “O apoio dos estudantes, é um momento inédito e nos fortalece muito. O descaso deste governo faz parte do projeto de sucateamento da educação pública. Por isso, a importância das nossas mobilizações”, ressaltou.

Ao referir-se a união dos educadores e estudantes em defesa da educação pública, Helenir foi categórica. “Não será fácil para o governo vencer essa batalha. Estamos na quarta semana de greve que se fortalece a cada dia. Além disso, tem mais escolas que serão ocupadas nos próximos dias”, afirmou.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários