Gilberto Maringoni | É pegar ou largar: os de cima se dividem e os de baixo se unificam

Gilberto Maringoni | É pegar ou largar: os de cima se dividem e os de baixo se unificam

Compartilhe

  • Gilberto Maringoni*

1. Ao contrário do que ocorreu nos meses que antecederam o impeachment, em abril de 2016, as diversas frações classes dominantes brasileiras encontram-se divididas sobre o que fazer depois da revelação da lambança de Michel Temer com o dono da Friboi. Eles não se entendem no destino a ser dado ao usurpador.

2. A expressão da divisão pode ser vista numa rápida olhada nas linhas editoriais adotadas pela Globo – sai Temer –, Estado de S. Paulo e Rede Bandeirantes – fica Temer – e Folha de S. Paulo – no muro das hesitações.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

3. Estamos diante de uma janela política que raramente se abre. Suas últimas ocorrências se deram no final da ditadura – quando uma parte apoiou a frente de oposição à ditadura – e no ano de 2002, em que uma parcela expressiva do capital produtivo se descolou do bloco tucano-pefelista e apoiou – com dinheiro – a coalizão liderada pelo PT. Esse foi o fator determinante para a primeira vitória de Lula.

4. A divisão atual se expressa na dificuldade em estabelecer uma tática clara para preservar o fator de unidade entre essas frações: a manutenção do programa de reformas regressivas que visam baratear o custo do trabalho e tornar o Brasil uma espécie de Bangladesh. Ou seja, uma plataforma de exportação de produtos globais aqui produzidos, com mercado interno reduzido.

5. É por esse motivo que a manutenção de Henrique Meirelles é o sonho de consumo dos de cima, qualquer que seja o figurante do palácio do Planalto. É necessário apenas que o financismo tenha expressão política que o sustente.

6. O editorial do Globo dessa sexta (19) é o lance mais ousado dessa tática. Flamba-se o indefensável mandato de Temer e busca-se o aval do Congresso para uma passagem segura a um governo que acelere a tramitação da regressão geral.

7. O problema é que a manobra está jogando ainda mais a economia brasileira na ribanceira do colapso, como atestam os números dos últimos três dias.

8. É nessa hora que a potência das ruas precisa tensionar ao máximo as diversas frações do topo da pirâmide social e evitar sua recomposição.

9. A oposição democrática e progressista quer a saída de Temer do governo. E tem um programa unificado e conhecido: o fim das reformas e a recuperação imediata da economia, através de um programa anticíclico capitaneado pelo Estado.

Parece pouco, mas na atual situação é muito. Muito demais.


*Gilberto Maringoni é professor de Relações Internacionais da UFABC e foi candidato a governador (PSOL-SP), em 2014.

Foto: Ricardo Stuckert

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Intersindical no 18° Congresso Sindical. Mundial, em Roma (Itália)
Intersindical no 18° Congresso Sindical. Mundial, em Roma (Itália)
SindSaúde-SC na luta pelo Piso Nacional da Enfermagem
SindSaúde-SC na luta pelo Piso Nacional da Enfermagem
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, no 1º de Maio em SP
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, no 1º de Maio em SP
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários