Dono da “fazenda de Temer” recebeu R$ 1 milhão de propina para presidente, diz JBS

Dono da “fazenda de Temer” recebeu R$ 1 milhão de propina para presidente, diz JBS

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Imóvel de João Baptista Lima Filho, amigo do presidente, foi ocupado na semana passada por sem-terra; irmãos Wesley e Joesley fizeram dossiê contra coronel.

O presidente Michel Temer recebeu R$ 1 milhão em propina, em uma caixa, por meio de seu amigo João Baptista Lima Filho. Pelo menos é o que diz a JBS. O Estadão informa, nesta segunda-feira, que os irmãos Wesley e Joesley Baptista fizeram um dossiê – o Relatório Argeplan – contra o coronel reformado, dono da fazenda onde foi articulado o impeachment de Dilma Rousseff e da Argeplan, empresa investigada na Lava-Jato.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

A notícia principal está nos dois últimos parágrafos:

– Segundo Ricardo Saud, o ex-diretor de relações institucionais da J&F, holding dos irmãos Batista, Temer teria sido um dos únicos políticos que recebeu dinheiro do PT naquele ano e mandou separar uma parte – R$ 1 milhão – para que lhe fosse entregue a título pessoal.

O pagamento teria acontecido no dia 2 de setembro. O dinheiro em uma caixa, segundo os delatores, foi entregue pela JBS a Lima na sede da Argeplan. Na delação, os executivos da JBS justificam a confecção do dossiê sobre o coronel por causa da necessidade de saber quem era o intermediário que lhes havia sido indicado para receber o dinheiro.

O relato de Saud coincide com o que disse, em abril de 2016, o engenheiro José Antunes Sobrinho, da Engevix. Segundo a revista Época, ele contou aos investigadores da Lava-Jato que  o dono da Argeplan Arquitetura e Engenharia ganhou uma obra de R$ 162 milhões por influência do então vice-presidente. E que, em 2014, Lima Filho recebeu R$ 1 milhão de propina “a mando de Temer“.

Relatório Argeplan

O Relatório Argeplan diz que Lima Filho – amigo de Temer desde os anos 80 – era um dos destinatários de repasses ilícitos. Segundo o documento, relata o Estadão, sua empresa participa por meio de consórcios de megaobras em todo o Brasil: “Todas elas estão sendo investigadas por diversas autarquias com suspeitas de pagamento de propinas e outras vantagens ilícitas”.

O jornal paulista diz que, no ano passado, as investigações da Lava Jato apontaram que, entre 2011 e 2016, Temer teria recebido R$ 1,1 milhão “por serviços em uma ferrovia e uma estrada federal, além de obter contratos na Secretaria de Aviação Civil e na usina nuclear de Angra 3”.

Ainda segundo o Estadão, a JBS anexou ao relatório uma planilha que procura “demonstrar o suposto repasse de R$ 15 milhões para Temer em forma de propina durante a campanha eleitoral de 2014″.

Segundo o Estadão, Temer nega o recebimento de propina por meio do amigo e contesta a delação dos irmãos Batista.

O jornal publica essa reportagem na parte de baixo da página A8, longe da capa. A foto não é de Temer nem do coronel, mas da JBS.

“A fazenda é do Temer”

O dossiê da JBS observa que Lima e a Argeplan são proprietários de uma fazenda em Duartina (SP). Trata-se da Fazenda Esmeralda [na foto principal], ocupada duas vezes pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST). Uma delas em maio do ano passado, dias antes da aprovação na Câmara do impeachment de Dilma Rousseff.

A fazenda de 1.500 hectares foi ocupada mais uma vez, nos dias 22 e 23, pelo Movimento Social Sem Limites, ligado à União Nacional Camponesa. Segundo o G1, como “um protesto por conta das recentes delações e também a favor da renúncia do presidente”. A Justiça logo concedeu liminar para reintegração de posse. No ano passado o imóvel foi ocupado duas vezes, em maio e agosto, pela Frente Nacional de Luta.

Na ocupação de maio de 2016, o MST achou no local uma correspondência endereçada a Temer, frequentador assíduo da fazenda. O movimento diz que o presidente é o verdadeiro dono. Lima seria um laranja.

A reportagem da Folha foi à região do imóvel e perguntou a moradores onde era a fazenda do Temer. O motorista João Carlos de Oliveira contextualizou: “Se perguntar para qualquer um, vão dizer que a fazenda é do Michel Temer. É assim que as pessoas daqui conhecem o local”.

Kelli Mafort, da direção nacional do MST, contou que a fazenda fica numa estação de trem desativada, a Esmeralda. “A faixa de terra da estação é pública e não poderia ser apropriada de forma privada”, disse ela. “Para nós é grilagem”.

Fonte: De Olho Nos Ruralistas / Por Alceu Luís Castilho


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Inscreva-se em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários