Professores do Rio Grande do Sul têm os vencimentos mais baixos do País

Professores do Rio Grande do Sul têm os vencimentos mais baixos do País

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Dia 23 de março é o Dia Nacional do Piso Salarial dos Professores, porém a realidade dos professores e funcionários de escolas do Rio Grande do Sul não permitiu que os educadores comemorassem. O governo Ivo Sartori não paga o Piso Salarial do Magistério Público, descumprindo a Lei 11.738/2008.

Desde o ano de 2014 os educadores gaúchos não recebem reajuste salarial. Em janeiro de 2015 o reajuste do Piso foi de 13,01%, deixando o salário dos profissionais em educação no valor de R$ 1.917,78. Já em janeiro deste ano o Piso teve um reajuste de 11,36%, passando o salário base de R$ 1.917,78 para R$ 2.135,64 (valor para professores com jornada de trabalho de 40 horas semanais).

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

O Rio Grande do Sul é o Estado que paga o menor vencimento básico inicial para os professores estaduais. A conclusão é de um levantamento feito junto às Secretarias de Educação de todas as unidades da federação.

O governo Sartori afirma que o Estado não tem como pagar o Piso dos educadores, justificando a crise financeira. Mas, no ano passado, concedeu aumento salarial de 46% para o governador e vice, 64% para os secretários, 26,6% para os deputados e 0% para os educadores e os demais servidores públicos estaduais.

Educadores constroem greve

Após o término da Assembleia Geral do CPERS, realizada na última sexta-feira, dia 18, no Gigantinho, a Direção Central do Sindicato foi recebida pelo secretário de Educação, Vieira da Cunha, o secretário-adjunto da Casa Civil, José Guilherme Kliemann, e o chefe de gabinete do governador, João Carlos Mocellin.

Na ocasião, a presidente do CPERS, Helenir Aguiar Schürer, entregou a pauta de reinvindicações da categoria, na qual constava o cumprimento da Lei do Piso Salarial. Helenir reivindicou a criação de uma mesa de negociação com a presença do secretário da Fazenda, Giovani Feltes, e o secretário-chefe da Casa Civil, Márcio Biolchi.

“Queremos discutir sobre os nossos salários, o pagamento do Piso dentro do Plano de Carreira e exigir o fim das ameaças aos educadores. Queremos propostas concretas. Agora, está nas mãos do governo: ou ele nos joga para a greve ou negocia”, ressaltou Helenir.

União, mobilização e luta

O CPERS/Sindicato tem uma história de 70 anos de luta pelos direitos de professores e funcionários de escola, sendo uma das principais bandeiras o pagamento Piso Salarial. As conquistas da categoria ocorreram sempre através da união e mobilização da categoria. “Estamos construindo juntos uma grande greve, no chão da escola, com toda nossa base. Nossa greve fará tremer as paredes do Palácio do Piratini. Juntos somos fortes e faremos valer os nossos direitos”, destacou Helenir.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários