Desmonte do serviço público (PLP 257/16) ainda tramita em regime de urgência

Desmonte do serviço público (PLP 257/16) ainda tramita em regime de urgência

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Projeto prejudica milhões de servidores públicos

O Projeto de Lei Complementar (PLP) 257/16, que alonga por mais 20 anos o pagamento das dívidas dos estados junto à União tendo como chantagem política a adoção de um arrocho cruel sobre o serviço público, pode ser votada a qualquer momento pelo plenário da Câmara dos Deputados. Apesar da sinalização por parte do governo de que haverá recuo nas propostas que prejudicam o funcionalismo, a matéria continua tramitando em regime de urgência e corre o risco de ser votada como está.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Sob o argumento do PMDB e PSDB de controlar os gastos, os estados e municípios endividados que queiram aderir a renegociação da dívida e o alongamento por 20 anos terão que congelar os salários dos servidores, cortar despesas, suspender contratações (a menos que sejam terceirizados), instituir um regime de previdência complementar, elevar a contribuição previdenciária dos servidores, entre outros pontos.

A chantagem sobre o servidor público é tão clara que a proposta ainda prevê que se os estados implementarem leis com essas restrições e cumpri-las terão direito ainda a um desconto de 40% nas prestações mensais da dívida.

O PLP 257/16 é o resultado de um acordo entre os governos estaduais e federal em torno da renegociação das dívidas prevista pela Lei Complementar 148/14. Segundo o projeto, o prazo para pagar débitos com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) também aumenta para mais dez anos. Leia mais aqui.

Composição das comissões

Outra proposta que poderá ser votada esta semana é a que prevê o uso dos tamanhos atuais das bancadas partidárias, após a janela de troca de legendas, para a composição das comissões da Câmara. Trata-se do Projeto de Resolução 134/16, da Mesa Diretora.

O texto muda ainda a forma de recolhimento dos votos nas comissões, que serão colhidos primeiramente dos membros titulares presentes e, em seguida, os dos suplentes dos partidos dos titulares ausentes. Dessa definição depende a eleição das comissões permanentes da Câmara.

Leia também: Barrar o PL 257 e garantir serviço público de qualidade

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

#ForaBolsonaro - Próxima Mobilização: 24 de Julho
#ForaBolsonaro - Próxima Mobilização: 24 de Julho
Intersindical no #19JForaBolsonaro na Av. Paulista
Intersindical no #19JForaBolsonaro na Av. Paulista
ELEIÇÕES PERUANAS [Intersindical Debate #34]
ELEIÇÕES PERUANAS [Intersindical Debate #34]
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários