Deputados aprovam texto-base do ‘Programa de Proteção do Emprego’ sem o artigo que previa a prevalência do negociado sobre o legislado

Deputados aprovam texto-base do ‘Programa de Proteção do Emprego’ sem o artigo que previa a prevalência do negociado sobre o legislado

Compartilhe

Acordo entre líderes possibilitou a aprovação da Medida Provisória 680/15 sem o artigo que acabaria de vez com todos os direitos trabalhistas previstos na CLT

Após intenso debate, o plenário da Câmara dos Deputados aprovou na terça-feira (13) e na quarta-feira (14) à noite o texto-base da Medida Provisória 680/15, que cria o irônico Programa de Proteção do Emprego (PPE), deixando de lado o polêmico artigo que trata da prevalência do negociado sobre o legislado.

Se este artigo fosse aprovado, todas convenções ou o acordos coletivos de trabalho prevaleceriam sobre a lei, o que faria cair por terra toda a legislação trabalhista conquistada há décadas.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

O texto-base aprovado foi o parecer da comissão mista, de autoria do deputado Daniel Vilela (PMDB-GO), que sofreu alterações em sua redação original.

Segundo o texto, empresas em dificuldade financeira podem reduzir a remuneração e a jornada de trabalho de seus empregados em até 30%, contanto que os trabalhadores não sejam demitidos sem justa causa.

“A medida não resolve o problema do desemprego e acaba por colocar os trabalhadores e o movimento sindical à mercê de chantagem empresarial para que aceitem redução dos salários”, afirma Edson Carneiro Índio, Secretário-Geral da Intersindical Central da Classe Trabalhadora.

Leia também:
Parlamentares votam contra trabalhadores e rasgam CLT
Entidades debatem o negociado sobre o legislado na MP 680
Índio: Programa de Proteção ao Emprego permite a empresas chantagear trabalhador

As empresas poderão participar do programa por até 24 meses (seis meses iniciais com renovações sucessivas desse mesmo período). O governo federal pagará até metade da parcela do salário que o trabalhador deixar de receber, limitada a 65% (R$ 900,85) do teto do seguro-desemprego (atualmente em R$ 1.385,91), com recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

Na MP original, o tempo total era de 12 meses. Vilela também conseguiu ampliar o prazo final de adesão, que passa de 31 de dezembro de 2015 para 31 de dezembro de 2016.

Para exemplificar como funciona o PPE, um trabalhador que receba R$ 5.000 por mês de uma empresa participante do programa receberá R$ 4.250 com a redução de 30% da jornada de trabalho e do salário. Desse total, R$ 3.500 serão pagos pelo empregador e R$ 750 pagos com recursos do FAT.

Já um trabalhador com salário de R$ 10.000, com a compensação máxima do governo (R$ 900,85), vai receber R$ 7.900,85 ao reduzir o tempo de trabalho (R$ 7.000 do empregador e o restante do FAT).

Pela medida, a redução salarial não poderá gerar um salário a ser pago pela empresa inferior ao mínimo, atualmente fixado em R$ 788.

Foto: Gustavo Lima – Câmara dos Deputados

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Edson Índio, na Conferência Nacional dos Bancários
Edson Índio, na Conferência Nacional dos Bancários
Mané Gabeira, na Conferência Nacional dos Bancários
Mané Gabeira, na Conferência Nacional dos Bancários
Rita Lima, na Abertura dos Congressos dos Bancos Públicos
Rita Lima, na Abertura dos Congressos dos Bancos Públicos
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários