Demissões na Usiminas podem acabar com 40 mil empregos indiretos na Baixada Santista

Demissões na Usiminas podem acabar com 40 mil empregos indiretos na Baixada Santista

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora

A Usiminas, com sede em Cubatão, na Baixada Santista, expediu um comunicado na última quinta-feira (29/10) informando que pretende demitir 4 mil trabalhadores nos próximos quatro meses em razão da suspensão da produção de aço, a partir do desligamento de seu segundo auto-forno.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

O impacto destas demissões, no entanto, é bem maior: cerca de 40 mil empregos indiretos. Os prefeitos de nove cidades da Baixada Santista se uniram, preocupados com a paralisação da economia local e a perda da arrecadação, em uma moção pública na qual solicitam que a Usiminas reverta a decisão de descontinuar a produção de aço em Cubatão.

Sindicatos da Baixada Santista e litoral se reuniram na quarta-feira (3/11) para criar uma agenda de mobilizações no sentindo de evitar essa tragédia. A reunião foi realizada na sede do Sindicato dos Trabalhadores na Construção Civil, Montagem e Manutenção Industrial (Sintracomos), que representa 3 mil terceirizados em atividade na fábrica de aço.

Ricardo Saraiva Big, presidente do Sindicato dos Bancários de Santos e Região e diretor da Intersindical Central da Classe Trabalhadora, esteve presente e informa que todos os trabalhadores devem estar unidos para evitar essa tragédia social de proporções incalculáveis.

“Nós, da Intersindical, vamos fazer todo o esforço, somado aos trabalhadores e a outras centrais sindicais, para tentar reverter essa situação”, garante Big.

Impacto

Além do impacto direto sobre os 4 mil demitidos e suas famílias, algo estimado em torno de 10 mil pessoas diretamente prejudicadas pelas demissões, toda a economia da Baixada Santista será afetada em uma reação em cadeia.

São esperadas rescisões de contratos com prestadores de serviços (empreiteiras, empresas de transporte, fornecedoras de alimentos e insumos), até serviços como convênios médicos, escolas e a consequente geração menor de tributos.

A importância da Usiminas em Cubatão (a antiga Cosipa) como empregadora só é equivalente às unidades da Petrobras e às instalações portuárias em Santos e Guarujá.

Há rumores de que a Usiminas possa transformar sua atividade industrial em portuária, o que resultaria em milhares de demissões.

Reação

Trabalhadores, sindicatos, representantes da sociedade civil e do poder público estarão mobilizados no próximo dia 11 de novembro em uma paralisação geral na Baixada Santista para chamar atenção do governo federal e de todo o Brasil para as consequências que essas demissões trarão para toda a região.

“Mais uma vez os caras transferem a conta da crise para os trabalhadores, não podemos permitir que isso aconteça”, afirma Big.

Comunicado

No comunicado oficial da Usiminas, a empresa informou que “este ajuste no quadro funcional deverá ocorrer com mais intensidade no início de 2016, acompanhando o cronograma de desligamento dos equipamentos da usina, que deverá ser concluído em três ou quatro meses”.

A Usiminas vai parar os dois fornos (um já estava abafado desde maio) e deixará de produzir aço em Cubatão. Também suspenderá as atividades das sinterizações, coquerias, aciaria e atividades associadas a essas áreas. A unidade passará a concentrar atividades nas áreas de laminação (tiras a frio e tiras a quente) e terminal portuário.

A usina de Cubatão deixará de produzir placas, mas serão mantidas as atividades das linhas de laminação a quente e a frio, bem como as operações relacionadas a seu terminal portuário. A linha de laminação de chapas grossas continuará temporariamente suspensa. Hoje, cerca de 40% do aço bruto produzido pela Usiminas vem dessa unidade.

As medidas decorrem, segundo a empresa, de problemas do cenário econômico nacional e da queda na produção e venda de produtos siderúrgicos. E são desencadeadas em decorrência do balanço de resultados do terceiro trimestre do ano, que registrou prejuízo líquido de R$ 1,042 bilhão, ante perdas de R$ 24 milhões no mesmo período de 2014.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários