Decisão judicial ilegal tenta por fim à greve na Petrobras

Decisão judicial ilegal tenta por fim à greve na Petrobras

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Em decisão abusiva, antidemocrática e inconstitucional, o ministro do TST (Tribunal Superior do Trabalho) Ives Gandra determinou nesta quinta-feira (06/02) o bloqueio das contas bancárias dos sindicatos dos petroleiros e permitiu à direção da Petrobras contratar trabalhadores temporários.

O mesmo Ministro do TST já havia determinado na terça-feira (04/02) a manutenção de 90% do contingente efetivo de trabalhadores para, segundo o ministro, garantir o fornecimento de combustível para responder às demandas inadiáveis da população. A direção da FUP envio na quarta-feira (05/02) pedido de esclarecimento sobre qual seria a quantidade de produto demandado e questionou sobre o contingente de trabalhadores determinado pela decisão de Yves Granda.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

A mesma decisão que impõe multas milionárias aos sindicatos, entre 250 e 500 mil reais ao dia, caso seja descumprida. A postura do Ministro Yves Granda é ditatorial e parcial, imprópria para um juiz, uma vez que age como advogado da parte e não como promotor do cumprimento da lei.

A greve foi motivada pela demissão em massa de trabalhadores da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen-PR) e pelo descumprimento do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) por parte da Castelo Branco, presidente da Petrobras. É uma greve legítima e legal, amparada na legislação brasileira e respeita dos procedimentos exigidos pela decisões da Justiça do Trabalho.

Ao contrário do que alega o ministro do TST, a ilegalidade está sendo cometida pela direção da empresa, que se nega a negociar com a Comissão Permanente de Negociação da FUP. Já a oito dias, a comissão tem ocupado uma sala do quarto andar da sede da empresa no Rio de Janeiro, procurando abrir um canal de negociação com a direção da Petrobras que se recusa a recebê-la.

Em todo o Brasil a categoria encontra-se mobilizada e a greve continua. Além da Comissão Permanente de Negociação, na frente da sede da Petrobras se montou um acampamento que tem a participação dos trabalhadores da empresa além de diversos movimentos sociais que ali prestam solidariedade ao movimento grevista. Nas instalações da empresa distribuídas pelo país, a greve atinge 27 plataformas, 11 refinarias, 13 terminais, 7 campos terrestres, 4 termelétricas, 2 UTGC (processamento de gás), 1 usina de biocombustível, 1 fábrica de fertilizantes, 1 fábrica de lubrificantes, 1 fábrica de xisto e 2 bases administrativas.
A Intersindical Central da Classe Trabalhadora repudia a desição do Ministro Yves Gandra, único ministro do TST a apoiar a reforma trabalhista e o desmonte da CLT, que tem atuado deliberada contra à atividade sindical. Somos solidários aos trabalhadores da Petrobras, e manifestamos todo apoio a Greve, a suspensão das demissões e o cumprimento do Acordo Coletivo de Trabalho.

Texto: Pedro Otoni

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários