O debate da estrutura sindical precisa ser retomado pelos trabalhadores

O debate da estrutura sindical precisa ser retomado pelos trabalhadores

Estrutura sindical: O debate precisa ser retomado pelos trabalhadores

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Saiba mais sobre o seminário:
→ Clemente Ganz Lúcio: “Esta mudança na organização econômica exige mudanças na organização do sindicato”


Estrutura sindical: Rossano Sczip

Assista na íntegra ao debate sobre estrutura sindical ao final desta matéria.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

O historiador Rossano Sczip abriu o Seminário “Reforma Trabalhista: Resistência e Impactos sobre a Organização da Classe Trabalhadora“, promovido pela Intersindical Central da Classe Trabalhadora na última sexta-feira (13), com uma aula sobre a construção da organização dos trabalhadores e do sindicalismo no Brasil.

Passam de 15 mil os sindicatos no Brasil. Hoje somente 20% dos trabalhadores são filiados. “Esse debate da estrutura sindical precisa ser retomado. Hoje quem mais debate a estrutura sindical é a direita e o movimento sindical parou de pautar essa questão”, alerta Sczip.

Essa baixa adesão, segundo o historiador, é porque o sindicato não precisa dos trabalhadores para existir e isso precisa mudar.

A Consolidação Geral das Leis do Trabalho (CLT) é fruto da luta da classe trabalhadora. Só que a legislação sindical envolve desde Getúlio Vargas um tripé que comprime a luta da classe trabalhadora: o reconhecimento oficial pelo Ministério do Trabalho, o monopólio da representação (unicidade sindical) e as contribuições obrigatórias por lei, ou seja, o imposto.

“Isso significa que o sindicato é uma concessão do Estado e não fruto da organização da classe trabalhadora”, explica Sczip. “O Estado dizer que o sindicato pode existir é a argamassa do controle sindical. O Estado concede o poder de negociação. Até a década de 30 era o poder de luta dos trabalhadores e a contribuição financeira também vinha deles”.

A unicidade, ou garantia de representação, é mais uma forma de controle estatal sobre a representação sindical. “O Estado dá a autorização de representação e entrega a base de apoio ao garantir a unicidade. É o monopólio da representação, o que é incompatível com a autonomia, com a plena liberdade de constituir sindicatos”, explica.

Até 1930 o movimento sindical era livre, autônomo, independente ,combativo e pautou o governo sobre toda a década de 30.

Daí vem a criação da Consolidação Geral das Leis do Trabalho (CLT), que agora está sendo desmontada.

Para entender o contexto do movimento sindical hoje e a resistência de muitos trabalhadores contra o movimento vale conhecer um pouco da história da estratégia construída pelo Estado brasileiro para controlar a classe trabalhadora.

Breve pincelada sobre a história do sindicalismo

Sczip explica que a historiografia brasileira convencionou o início da luta e da organização da classe trabalhadora na primeira República, mas que já existia a organização de trabalhadores livres e escravizados desde a segunda metade do século 19.

“Há registros de greves desde a segunda metade do século 19 destacando-se a  greve dos tipógrafos em 1858, a partir de 1880 elas se generalizam e as greves se tornam o principal instrumentos de luta da causa operária. Entre 1900 e 1909 foram 109 greves no Rio de Janeiro. Foi quando o movimento operário passou a sintetizar suas reivindicações.

“Falar em sindicato é mais em 1910, 1920, antes havia organizações com pluralidade de expressões e uma constelação de correntes ideológicas”, explica o historiador.

Sob a liderança dos anarquistas houve a greve geral de 1917 (que começa no Cotonifício Crespi, a partir de uma reivindicação das mulheres e depois se espalha por outros, por solidariedade) e a greve geral de 1919.

Além dos anarquistas, atuavam socialistas reformistas, chamados de amarelos, católicos, sindicalismo de ação direita ou revolucionário (inspirado na experiência francesa apesar de se assemelhar ao anarquismo), a partir de 1922 chegam os comunistas.

Até então o movimento sindical era livre, autônomo, independente ,combativo e pautou o governo sobre toda a década de 30. Quando Getúlio Vargas  entra no ministério do Trabalho e assume o Governo já havia um movimento construído pela classe trabalhadora que culminou com a criação da Consolidação Geral das Leis do Trabalho (CLT).” Getúlio sintetiza e responde aos trabalhadores”, afirma o historiador.

Os anarquistas perdem a hegemonia, pois há repressão dura, perseguição, exílio e extradição de vários militantes. Cada corrente apresentava uma concepção de sindicato. Com exceção da esquerda que defendia concepções mais radicais, os demais defendiam entendimento entre patrões e empregados sem a ocorrência de greves. “ Isso é importante para a gente ver a resposta estratégica que o Estado pós 1930 vai usar”, ressalta Sczip.

Entre 1930 e 1934 ocorreram várias greves e poucos sindicatos recorreram à oficialização imposta pela Era Vargas. “Então o governo espertamente vincula a concessão dos direitos trabalhistas a estar filiado a um sindicato oficial do Estado. Depois dá uma segunda tacada exigindo a garantia da representação classista via sindicato na Assembleia Constituinte de 1934. “Portanto, o Estado amarra e a partir dali não há como ficar fora da estrutura sindical oficial”, explica Rossano.

Outra tacada do governo foi a repressão, a partir de 1935, com a perseguição aos sindicatos não oficiais e a colocação de interventores nas direções mais combativas.

“O Estado articula ação controladora do Ministério com ação repressiva da polícia política. Concilia intervenção e controle com repressão e eliminação física das lideranças políticas”, explica.

As próximas fases, de 1945 a 1964, oscilam entre liberalização e repressão. E de 1964 até os dias de hoje a ditadura e os governos de conciliação usam a mesma legislação, intervenção e  tática para conter a articulação autônoma da classe trabalhadora.

“Foi difícil para a classe trabalhadora pautar o Estado para conseguir patamares civilizatórios das organizações de trabalho”, lembra Rossano Sczip. O historiador  agradeceu o convite da Intersindical Central da Classe Trabalhadora para abrir o evento. “Eu me sinto parte da Intersindical, pelos primeiros passos que ela deu, tem um pouco do meu suor e eu tenho acompanhado a batalha de vocês”.

ASSISTA NA ÍNTEGRA AO DEBATE SOBRE ESTRUTURA SINDICAL


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Siga-nos no INSTAGRAM
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários