Cuba condena o terrorismo e a manipulação política

Cuba condena o terrorismo e a manipulação política

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Declaração do Ministério de Relações Exteriores

O Ministério de Relações Exteriores expressa o seu enérgico rechaço à caluniosa inclusão da República de Cuba em uma lista do Departamento de Estado dos Estados Unidos, relativa a países que supostamente não cooperam plenamente com os esforços estadunidenses contra o terrorismo, tornada pública em 13 de maio de 2020, e rejeitada de forma contundente pelo Presidente Miguel Díaz-Canel Bermúdez.

Trata-se de uma lista unilateral e arbitrária, sem nenhum fundamento, autoridade ou respaldo internacional, e que, como se sabe, serve apenas a propósitos de difamação e coerção contra países que se recusam, nas suas decisões soberanas, a acatar a vontade do governo dos Estados Unidos.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

O principal argumento utilizado pelo governo dos Estados Unidos foi a presença, em território nacional cubano, de membros da delegação de paz do Exército de Libertação Nacional (ELN) da Colômbia.

Como é fartamente conhecido, a delegação de paz do Exército de Libertação Nacional (ELN) da Colômbia está no nosso território porque, em virtude do repentino abandono, pelo Equador, da sua condição de sede, e por solicitação do governo colombiano e do ELN, o processo de paz foi transferido para Havana, em maio de 2018.

Este diálogo de paz iniciou-se em 7 de Fevereiro de 2017, em Quito. Por petição das partes, Cuba funcionou, junto com Brasil, Chile, Equador, Venezuela e Noruega, como Garante do processo de paz.

A partir da chegada do Sr. Iván Duque Márquez à Presidência da Colômbia, em 7 de Agosto de 2018, representantes desse governo mantiveram, de 8 de Agosto daquele ano, até Janeiro de 2019, vários intercâmbios com Cuba e com a delegação de paz do ELN, com o propósito de continuar os diálogos que haviam começado durante o mandato do Presidente Santos, processo em que nosso país atuou com a devida discrição e rigoroso cumprimento do seu papel de garante.

Após o atentado na Escola de Cadetes da Polícia de Bogotá, em 17 de Janeiro de 2019, o Presidente da República de Cuba e o Ministro de Relações Exteriores expressaram imediatamente as suas condolências ao governo e povo colombianos, particularmente aos familiares das vítimas do atentado, e reiteraram a firme posição do nosso país, de rechaço e condenação a todos os atos, métodos e práticas terroristas, em todas as suas formas e manifestações.

O governo colombiano tomou, então, medidas políticas e legais contra a delegação de paz do ELN que se encontrava em território cubano e rompeu o diálogo de paz. Adicionalmente, decidiu ignorar o Protocolo de Ruptura, em franco abandono e quebra dos compromissos contraídos por aquele Estado com outras seis nações subscritoras do mesmo.

O Protocolo de Ruptura foi firmado no contexto das negociações de paz pelo governo da Colômbia, o ELN e os países Garantes, em 5 de Abril de 2016. Nele se estabelece o regresso seguro da delegação guerrilheira à Colômbia, em caso de rompimento do diálogo.

O governo cubano sustentou e sustenta hoje que o que corresponde, segundo os documentos firmados, é a aplicação do Protocolo. Esta postura, apoiada amplamente pela comunidade internacional e sectores comprometidos com a busca de uma solução negociada para o conflito armado colombiano, é uma prática universal, reconhecida e ratificada reiteradamente, por amparar-se no Direito Internacional e nos compromissos do País Garante e sede dos diálogos. Devido à não aplicação desse Protocolo, é que ainda permanecem no país os membros da delegação de paz do ELN.

O governo colombiano investiu com uma série de ações hostis contra Cuba, que incluem declarações públicas, ameaças e intimações, com a manipulação ingrata e politicamente motivada de nossa inquestionável contribuição para a paz na Colômbia. Entre essas ações, destacou-se a mudança da posição histórica da Colômbia, de apoio à Resolução aprovada todos os anos pela Assembleia Geral das Nações Unidas, exigindo o fim do bloqueio econômico, comercial e financeiro dos Estados Unidos, que provoca prejuízos e sofrimento ao povo cubano. Essa ação mudou visivelmente a posição consistente e invariável de todos os governos colombianos desde 1992.

No mesmo dia em que os EUA anunciaram a inclusão de Cuba na lista de países que supostamente não cooperam plenamente com os esforços estadunidenses contra o terrorismo, o Alto Comissário para a Paz do governo da Colômbia, Sr. Miguel Ceballos Arévalo, declarou publicamente que a decisão do Departamento de Estado, de incluir a Ilha, era um “respaldo” ao governo da Colômbia e à sua “insistente solicitação” a que Cuba lhe entregue os membros da delegação de paz do ELN.

Essas declarações do Sr. Ceballos foram criticadas na Colômbia por amplos sectores comprometidos com a paz, e vários políticos colombianos exigiram uma explicação do governo sobre as mesmas e acerca do descumprimento do Protocolo de Ruptura.

O Ministério de Relações Exteriores rechaça, em termos enérgicos, as declarações do alto funcionário colombiano.

O que transparece dos comentários do Alto Comissário para a Paz é que a conduta do governo da Colômbia serviu e facilitou argumentos aos propósitos agressivos dos Estados Unidos contra a nossa Nação e que ofereceu o seu “respaldo” às infâmias estadunidenses contra uma nação da América Latina e Caraíbas.

A presença de representantes do ELN no nosso território, na qual se apoia a acusação estadunidense, não é mais que um pretexto frágil e desonesto, carente de sentido e facilitado pela atitude ingrata do governo da Colômbia, se é que as declarações do Sr. Ceballos merecem algum crédito.

Em qualquer caso, e ainda com essa suposta ajuda do governo da Colômbia, a acusação dos Estados Unidos é totalmente infundada. Existem evidências concretas, algumas delas muito recentes, da nossa colaboração bilateral com os Estados Unidos no combate ao terrorismo, em esforços conjuntos de aplicação e cumprimento da lei, em ações de particular interesse para aquele país, o que converte a qualificação anunciada pelo Departamento de Estado em um ato deliberado de distorção da verdade.

Deve-se lembrar que Cuba é um país que foi vítima de numerosos atos terroristas, organizados, financiados e executados desde o território dos Estados Unidos, por grupos e indivíduos que desfrutaram ali da tolerância e proteção governamental, realidade que é de domínio público. Foi vítima também, no passado, do terrorismo de Estado perpetrado diretamente pelo governo dos Estados Unidos, que atuou algumas vezes em associação com o crime organizado daquele país. Por ações deste tipo, 3.478 cubanos morreram, e 2.099 sofrem ou sofreram algum tipo de incapacidade.

Em 30 de Abril passado, nossa Embaixada nos Estados Unidos foi objecto de uma agressão terrorista. O governo estadunidense mantém desde então um silêncio cúmplice, sem condenar ou sequer rechaçar o facto, e se abstém de tomar medidas contra pessoas e grupos terroristas radicados no território estadunidense, que incitam a violência contra Cuba e as suas instituições.

Como consequência, após o atentado terrorista contra a nossa Missão Diplomática em Washington, ocorreram ameaças contra a integridade de diplomatas e Embaixadas cubanas nos próprios Estados Unidos, assim como no México, Costa Rica, Antígua e Barbuda, Canadá, Chipre, Áustria e Angola, tendo sido tudo informado aos respectivos governos.

A atitude de flagrante cumplicidade do governo dos Estados Unidos encerra o perigo de ser assumida como um endosso ao terrorismo. É consequente com a intensificação da política de agressão e instigação à violência contra Cuba, levada inclusive aos países onde trabalha pessoal cubano da saúde, em programas bilaterais de cooperação.

O compromisso da nossa Nação com a atitude enérgica ante o terrorismo e a sua condenação está previsto na Constituição. É absoluto e categórico contra qualquer das suas formas e manifestações, em particular o terrorismo de Estado, e está garantido pela devida legislação. Existem razões de sobra para duvidar de que o governo dos Estados Unidos possa emitir uma afirmação tão categórica sobre a sua posição frente ao terrorismo.

Cuba manteve de maneira invariável o seu apoio à paz da Colômbia e trabalhou, desde a sua condição de Garante, na implementação do Acordo de Paz entre o governo da Colômbia e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia – Exército do Povo (FARC-EP), apesar de o governo colombiano não ter garantido a proteção do referido Acordo, nem assegurado o seu estrito cumprimento.

Como se colocou por vias diplomáticas, o Ministério de Relações Exteriores solicita ao governo da Colômbia saber qual é a sua postura sobre a condição dos Garantes no processo de paz da Colômbia, em particular a de Cuba.

Requer, igualmente, conhecer qual é a posição do governo sobre a aplicação e o cumprimento do Acordo de Paz entre o governo da Colômbia e as FARC-EP.

O Ministério de Relações Exteriores insta ao governo da Colômbia que declare a sua posição oficial sobre as razões que lhe assistem para a inclusão de Cuba na lista elaborada pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos e esclareça qual foi o papel e a postura dos seus funcionários nos intercâmbios prévios realizados com os Estados Unidos a esse respeito.

Como país que foi vítima do terrorismo, Cuba deplora toda manifestação de manipulação e oportunismo político, no trato de um assunto tão sensível.

Havana, 1º de Junho de 2020

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários